Termos filogenéticos contidos em publicações de cunho pedagógico e mapeamento dos conceitos relacionados / Phylogenetic terms present in publications of a pedagogical nature and related concept mapping

Elineí Araújo-de Almeida, Roberto Lima Santos, Ruãn Pontes Lins Batista, José Eriberto de Assis, Joafrâncio Pereira de Araújo, Martin Lindsey Christoffersen

Abstract


 

Considerando que certos termos e conceitos têm importância para o entendimento do contexto filogenético subjacente à classificação da diversidade biológica e alguns deles são considerados abstratos e de difícil compreensão, objetiva-se nesse trabalho: a) levantar os diversos termos filogenéticos citados em trabalhos de evento científico sobre ensino de Biologia, b) discutir aspectos conceituais relacionados e, c) estruturar um mapa conceitual ilustrativo para expressão de terminologias filogenéticas mais comuns. A metodologia seguiu elementos para levantamento de amostra e busca de termos característicos no entendimento da sistemática filogenética. Acrescentaram-se alguns fundamentos teóricos e metodológicos ao utilizar-se a técnica de mapeamento conceitual. A busca pelos referenciais de análise centrou-se nas publicações do Encontro Nacional de Ensino de Biologia (ENEBio, edições de 2010 à 2018). Investigaram-se primeiramente o título e, posteriormente o artigo por completo na busca de algum termo relacionado ao foco da pesquisa, tais como: sistemática filogenética, cladística, cladograma, homologia, entre outros. Estudos sobre termos filogenéticos com representação em mapa conceitual possibilita ilustrar graficamente uma proposta de interação conceitual de forma mais facilitada do que num texto linear.


Keywords


Análise de conteúdo. Análise filogenética. Eventos científicos. Mapa conceitual.

References


AGUIAR, J. G.; CORREIA, P. R. M. Como fazer bons mapas conceituais? Estabelecendo parâmetros de referências e propondo atividades de treinamento. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 13, n. 2, p. 141-157, 2013.

ALBERTI, J. F.; CASTANHO, L. M. Avaliação qualitativa dos conceitos de sistemática filogenética em livros didáticos do ensino médio. Revista Eletrônica de Biologia (REB), v. 7; n. 2, p. 173-192, 2014.

AMORIM, D. S. Elementos básicos de sistemática filogenética. São Paulo: Sociedade Brasileira de Entomologia, 1994.

AMORIM, D. S. Fundamentos de sistemática filogenética. Holos Editora, Ribeirão Preto, 2002.

AMORIM, D. S. Paradigmas pré-evolucionistas, espécies ancestrais e o ensino de zoologia e botânica. Ciência & Ambiente, v. 36, p. 125-150, 2008.

AMORIM, D. S.; MONTAGNINI, D. L.; CORREA, R. J.; CASTILHO, M. S. M.; NOLL, F. B. Diversidade biológica e evolução: uma nova concepção para o ensino de zoologia e Botânica no 2º Grau. In: BARBIERI, M. R.; SICCA, N. A. L.; CARVALHO, C. P. (Orgs.). A construção do conhecimento do professor. Ribeirão Preto: Holos, 2001, p. 41-49.

ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E.; AMORIM, D. S.; SANTOS, R. L.; CHRISTOFFERSEN, M. L. Sistemática Filogenética para o ensino comparado de Zoologia. In: ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E. (Org.). Ensino de zoologia: ensaios didáticos. João Pessoa: EdUFPB, 2007, p. 85-94.

ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E.; AMORIM, D. S.; SANTOS, R. L.; CHRISTOFFERSEN, M. L. Sistemática Filogenética para o ensino comparado de Zoologia. In: ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E. (Org.). Ensino de zoologia: ensaios metadisciplinares. João Pessoa: EdUFPB, 2011, p. 101-117.

ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E.; SANTOS, R. L. Concept maps to promote learning in Zoology. In: CAÑAS, A. J.; REISKA, P.; ZEA, C.; NOVAK, J. D. (Eds.). Proceedings of the eighth International Conference on Concept Mapping. Medellín, Colombia, p. 318-322, 2018.

ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E.; SANTOS, R. L. Terminologias abordadas em sistemática filogenética e mapeamento de conceitos explorados em publicações direcionadas ao ensino-aprendizagem. In: Anais do IV Congresso Nacional de Educação, Campina Grande/PB, 2017.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano, 2003.

AX, P. La sistemática filogenética: plasmación del orden filogenético del mundo vivo. Vigo: Universidad de Vigo. 1999.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BAUM, D. A. S.; SMITH, S. D. Tree thinking: an introduction to phylogenetic biology. Greenwood Village: Roberts and Co. 2012.

BAUM, D. A. S.; SMITH, S. D.; DONOVAN, S. S. The tree thinking challenge. Science, v. 310, n. 5750, p. 979-980. 2005.

BAUM, D. Reading a phylogenetics tree: a meaning of monophyletic groups. Nature Education, v. 1, n.1, p.190. 2008.

BIZZO, N. M. V. Ciências: fácil ou difícil? 2. ed. São Paulo: Editora Ática, p. 24-75, 2007.

BROWER A. V. Z; DE PINNA M. C. C. Homology and errors. Cladistics, v.1, p. 1–10, 2012.

CAÑAS, A. J., NOVAK, J. D.; REISKA, P. How good is my concept map? Am I a good cmapper? Knowledge Management & E-Learning (KM&EL), v. 7, n. 1, p. 6–19, 2015.

CORDEIRO, R. S.; MORINI, M. S. C. Exames vestibulares: uma análise sobre o uso de termos-chave da sistemática filogenética. In: VII Encontro Nacional de Ensino de Biologia. Anais do VII ENEBio. Belém, PA. 2018, p. 5386-5394.

CORREIA, P. R. M.; AGUIAR, J. G.; ANDERSON D. VIANA, A. D.; CABRAL, G. C. P. Por que vale a pena usar mapas conceituais no ensino superior? Revista de Graduação, USP, v. 1, n. 1, p. 41-51, 2016.

DARWIN C. On the origin of species. London: John Murray, 1859.

DE ASSIS, J. E.; CHRISTOFFERSEN, M. L.; ALONSO, C.; ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E. Avaliando o conceito de evolução biológica dos professores de biologia do ensino médio de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Gaia Scientia, v. 2, n. 1, p. 97–105, 2008.

FERREIRA, F. S.; BRITO, S. V.; RIBEIRO, S. C.; SALES, D. L.; ALMEIDA, W. O. A zoologia e a botânica do ensino médio sob uma perspectiva evolutiva: uma alternativa de ensino para o estudo da biodiversidade. Cadernos de Cultura e Ciência, v. 2, n. 1, p. 58-66. 2008.

GREGORY, T. R. Understanding evolutionary trees. Evolution, Education and Outreach, n.1, p. 121–137

GUIMARÃES, M. A.; CARVALHO, W. L. P. Usando cladogramas no ensino de evolução: o papel das representações sociais dos estudantes, 2004. In: Anais do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, Belo Horizonte/MG, 2007.

HENNIG, W. Grundzüge einer Theorie der phylogenetischen Systematik. Berlin: Deutscher Zentralverlag, 1950.

HENNIG, W. Insect phylogeny. John Wiley & Sons: New York, 1981.

HENNIG, W. Phylogenetic Systematics. Urbana: University of Illinois Pres. 1966.

INSTITUT FOR HUMAN AND MACHINE COGNITION. CmapTools. Disponível no sítio: (Acesso em: 22/07/2018).

KINCHIN, I. M. Concept mapping as a learning tool in higher education: a critical analysis of recent reviews. The Journal of Continuing Higher Education, v. 62, n. 1, p. 39–49, 2014.

KINCHIN, I. M.; HAY, D. B.; ADAMS, A. How a qualitative approach to concept map analysis can be used to aid learning by illustrating patterns of conceptual development. Educational Research, v. 42, n. 1, p. 43-57, 2000.

KLASSA, B; SANTOS, C. M. D. 50 anos de sistemática filogenética: análise do livro Filogenética, Primeiros Passos e prospecções para o ensino de evolução. Experiências em Ensino de Ciências, v. 2, n. 6, p. 22-34, 2017.

LAMARCK, J. B. Philosophie zoologique. Paris, 1809.

LOPES, W. R.; FERREIRA, M. J.; STEVAUX, M. N. Proposta pedagógica para o ensino médio: filogenia de animais. Revista Solta a Voz, v. 18, n. 2, p. 263-286, 2007.

LOPES, W. R.; VASCONCELOS, S. D. Representação e distorções conceituais do conteúdo “filogenia” em livros didáticos de Biologia do Ensino Médio. Revista Ensaio, v. 14, n. 3, p. 149-165, 2012.

MEIR, E.; PERRY, J.; HERRON, J. C.; KINGSOLVER, J. College students’ misconceptions about: evolutionary trees. The American Biology Teacher, 2007.

MEISEL, R. P. Teaching tree-thinking to undergraduate biology students. Evolution, Education and Outreach, v. 3, n. 4, 621-628, 2010.

MEMORY, D. M. Teaching technical vocabulary: before, during, or after the reading assignment? Journal of Reading Behavior, v. 22, n. 1, p. 39-53, 1990.

MORAES, R.; SANTOS, F. S. dos. Análise de conteúdos de Sistemática Filogenética em livros didáticos de Ensino Fundamental II e Ensino Médio. Scientia Vitae, v. 1, n. 2, p. 20-27, 2013.

MOREIRA, A. M. Mapas conceituais e diagramas V. Porto Alegre: UFRS, Instituto de Física. 2006.

MOREIRA, M. A. Aprendizaje significativo en mapas conceptuales. Aprendizagem Significativa em Revista/Meaningful Learning Review, v. 3, n. 2, p. 35-76, 2013.

MUSHENO, B. M.; LAWSON, A. E. Effects of learning cycle and traditional text on comprehension of science concepts by students at differing reasoning levels. Journal of Research in Science Teaching, v. 36, n. 1, p. 23–37, 1999.

NOVAK, J. D. Learning, creating, and using knowledge: concept maps as facilitative tools in schools and corporations. Journal of e-Learning and Knowledge Society, v. 6, n. 3, p. 21-30, 2010.

NOVAK, J. D.; CAÑAS, A. J. A teoria subjacente aos mapas conceituais e como elaborá-los e usá-los. Práxis Educativa, v.5, n.1, p. 9-29, 2010.

NOVAK, J. D.; CAÑAS, A. J. The theory underlying concept maps and how to construct and use them. Pensacola, FL: Institute for Human and Machine Cognition. Retrieved, 2008.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Aprender a aprender. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 1996.

NOVAK, J. D.; GOWIN, D. B. Learning How to Learn. New York, NY: Cambridge University Press, 1984.

O´HARA, R. J. Population thinking and tree thinking in systematics. Zoologica Scripta, v. 26, n. 4, p. 323-329. 1997.

O´HARA, R. J. Telling the tree: narrative representation and the study of evolutionary history. Biology and Philosophy, v. 7, n. 2, p. 135-160. 1992.

O’HARA, R. J. Homage to Clio, or, toward an historical philosophy for evolutionary biology. Systematic Zoology, n. 37, p. 142–55, 1988.

OMLAND, K. E.; COOK, L. G. CRISP, M. D. Tree thinking for all biology: the problem with reading phylogenies as ladders of progress. Bio Essays, n. 30, p. 854–867, 2008

RAW, A. Sistemática Filogenética no currículo universitário. Ciência Hoje, v. 32, n. 190, p. 59-61, 2003.

RODRIGUES, M. E.; JUSTINA, L. A.; MEGLHIORATTI, F. A. O conteúdo de sistemática e filogenética em livros didáticos do ensino médio. Revista Ensaio, v. 13, n. 2, p. 65-84, 2011.

SANTOS, C. M. D.; CALOR, A. R. Ensino de biologia evolutiva utilizando a estrutura conceitual da sistemática filogenética – I. Ciência & Ensino, v. 1, n. 2, p. 1-8, 2007a.

SANTOS, C. M. D.; CALOR, A. R. Ensino de biologia evolutiva utilizando a estrutura conceitual da sistemática filogenética – II. Ciência & Ensino, v. 2, n. 1, p. 1-8, 2007b.

SANTOS, C. M. D.; CALOR, A. R. Using the logical basis of phylogenetics as the framework for teaching biology. Papéis Avulsos de Zoologia, v. 48, n. 18, p. 199-211, 2008.

SANTOS, C. M. D.; KLASSA, B. Despersonalizando o ensino de evolução: ênfase nos conceitos através da sistemática filogenética. Educação: Teoria e Prática, v. 22, n. 40, p. 62-81, 2012.

SANTOS, R. L; ARAÚJO-DE-ALMEIDA, E. Mapeamento conceitual como ferramenta para compreensão de terminologias abordadas em sistemática filogenética. In: Anais do V Congresso Nacional de Educação, Recife/PE, 2018.

SASSI, D. Elementi de sistematica biologica. Roma: Aracne Editrice. 2008.

SOUZA, P. H. R.; ROCHA, M. B. Sistemática filogenética e divulgação científica: análise da Scientific American Brasil. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v. 8, n. 1, p. 75-99, 2015.

TRIQUES, M. L; CHRISTOFFERSEN, M. L. Peixes conquistam a terra firme: uma abordagem para um evento acidental único. São Paulo: Editora Baraúna, 2017.

WILEY, E. O. Phylogenetics: the theory and practice of Phylogenetic Systematics. New York: John Wiley & Sons, 1981.

WILEY, E. O.; LIEBERMAN, S. Phylogenetics: the theory and practice of Phylogenetic Systematics. 2 ed. New York: John Wiley & Sons, 2011.

WILEY, E. O.; SIEGEL-CAUSEY, D.; BROOKS, D. R.; FUNK, V. A. The compleat cladist: a primer of phylogenetic procedures. The University of Kansas Museum of Natural History. Special Publication, n. 19, p. 1-12, 1991.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n7-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.