Ensino de engenharia e questões de gênero e diversidade: os projetos pedagógicos estão preparados para essa conversa? / Engineering teaching and gender and diversity issues: are the pedagogical projects prepared for this conversation?

Antonio Carlos Santos do Nascimento Passos de Oliveira, Eduarda Guimarães Silva, Nuria Pérez Gallardo

Abstract


Esse trabalho buscou investigar se os projetos pedagógicos, dos cursos de Engenharia Civil, ofertados por instituições públicas do Estado do Pará, abordavam em suas disciplinas obrigatórias questões relacionadas a gênero e diversidade, como também, se indicavam em seus textos, outras possibilidades para que a temática fosse abordada na formação dos discentes. Considerando que, para uma visão humanística seja desenvolvida no egresso, é necessário que seja oportunizado de maneira formal no curso possibilidades de formação dos organizadores prévios, ou seja, que lhes seja mediado no processo de ensino-aprendizagem possibilidades de desenvolver tais atitudes e compreensões sobre temas que atravessam a atuação profissional, seja por exemplo, na gestão de pessoas, seja na gestão de projetos, considerando pessoas e cidades plurais, com interações com políticas inclusivas. As próprias Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Graduação em Engenharia dão indicativo da demanda por considerar o usuário perante suas necessidades e contexto. Adotou-se na análise documental os termos de busca “gênero”, “diversidade”, “LGBT+” e “mulheres”, analisando o contexto do uso desses termos no projeto pedagógico. Dos cursos analisados, apenas o ofertado pela Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará os termos de busca estavam presentes, com exceção da LGBT+ ou variantes dessa sigla, demonstrando que aprimoramentos são necessários.

 


Keywords


Gênero. Diversidade. Educação. Projeto Pedagógico.

References


AUSUBEL, David Paul. The psychology of meaningful verbal learning. Grune & Stratton, 1963.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 2, DE 24 DE ABRIL DE 2019. Câmara de Educação Superior. Conselho Nacional de Educação. Ministério da Educação, Brasília, 2019.

Disponível em: https://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNE-CES-002-2019-04-24.pdf. Acesso em: 30 junho 2020.

GEHL, Jan. Cidades para pessoas. Tradução por Anita di Marco. 1.ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. 1.ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; FBSP, Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da violência 2019. Organizadores: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019. Disponível em: . Acesso em: 30 junho. 2020.

JACOBS, Jane. Morte e Vida de Grandes Cidades. Tradução por Carlos S. Mendes Rosa. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

MARQUET, Oriol ; MIRALLES-GUASCH, Carme. Neighbourhood vitality and physical activity among the elderly: The role of walkable environments on active ageing inBarcelona,Spain.,volume135,junho2015p2430,junhode2015.https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2015.04.016

MANSOURI, M.; UJANG, N. Tourist’ expectation and satisfaction towards pedestrian networks in the historical district of Kuala Lumpur, Malaysia. Asian Geographer, 33(1), p. 35–55, 2016

MENDES, Wallace Góes; SILVA, Cosme Marcelo Furtado Passos da. Homicídios da População de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais ou Transgêneros (LGBT) no Brasil: uma Análise Espacial. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 25, n.5, p.17091722, maio 2020. Disponívelem:. Acesso em: 30 de junho 2020. Acesso em: 20 de junho de 2020. https://doi.org/10.1590/1413-81232020255.33672019.

VILLANUEVA, Karen; GILES-CORTIB, Billie; BULSARAC, Max; TRAPPA, Georgina; TIMPERIOD, Anna; MCCORMACKE, Gavin; VAN NIELF, Kimberly. Does the walkability of neighbourhoods affect children’s independent mobility, independent of parental, socio-cultural and individual factors? Children’s Geographies, v. 12, n.o. 4, p. 393–411, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1080/14733285.2013.812311. Acesso em: 13 de março de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-625

Refbacks

  • There are currently no refbacks.