Atividade antimicrobiana do Allium Sativum em combate a Cândida Albicans e Staphylococcus Aureus: uma revisão de literatura / Antimicrobial activity of Allium Sativum against Candida Albicans and Staphylococcus Aureus: a literature review

Elane Beatriz de Jesus Oliveira, Luandson Braga da Silva Cavalcante, Dafne Luana Ramos Ribeiro

Abstract


Atualmente verifica-se um aumento da resistência aos antimicrobianos em uso e com isso as plantas medicinais surgem como alternativas no combate e prevenção de doenças. Sabendo disso o alho, nome popular dado ao Allium sativum, é amplamente utilizado como um medicamento fitoterápico há anos, possuindo atividade antibacteriana, antifúngica, antiviral e até mesmo antiparasitária. A fim de demonstrar essas informações e com o objetivo de criar fármacos, foram realizados estudos que comprovaram que o causador de todos esses efeitos curativos se dá por compostos químicos como a alicina, que está presente no extrato do A. sativum. O intuito deste projeto é descrever o comportamento fúngico da espécie Cândida albicans pertencente ao gênero Cândida spp. e bacteriano do Staphylococcus aureus que pertence ao gênero Staphylococcus sp., e relatar a inatividade das espécies frente aos compostos presentes no alho. O presente estudo realizou uma pesquisa descritiva do tipo revisão de literatura com abordagem qualitativa, onde foram avaliados os resultados de alguns artigos frente à cultura de microrganismos patogênicos visando diminuir ou interromper seu crescimento in vitro, de acordo com sua expressividade antimicrobiana. Os microrganismos expostos aos componentes do alho, principalmente a alicina que apresenta propriedades químicas que interferem na estrutura dos microrganismos, onde vão atingir diretamente a membrana citoplasmática levando a alterações na sua estrutura e função ocasionando um aumento em sua permeabilidade, além de levar a uma inibição na síntese proteica fúngica e bacteriana, que consequentemente influencia diretamente na viabilidade patogênica. Ainda de forma indireta, muitas substâncias do alho como zinco, selênio e outras atuam no aumento da imunidade humoral o que auxilia na resposta frente a estes microrganismos. Nesse âmbito, constata-se benefícios com a continuidade de estudos, com o propósito de detalhar as propriedades químicas naturais, capaz de ter efeitos similares ou melhores que os antimicrobianos sintéticos comercializados nos dias de hoje, além do custo de produção menor o que consequentemente implicaria no seu valor de comercialização inferior aos demais. Sendo assim os compostos aromáticos como a alicina e os fenólicos são os principais responsáveis por essa atividade antimicrobiana, além dela outras classes de substâncias naturais estão presentes no alho e podem ser classificadas de acordo com sua natureza química, física e atividade biológica, sendo descritos como principais grupos os alcaloides (álcoois, aldeídos e éteres), flavonoides, compostos fenólicos e mucilagens. As pesquisas realizadas comprovam a efetividade da ação do Allium sativum como antifúngico e antibacteriano, e descrevem como ocorre todo o processo de supressão celular resultando na inibição de crescimento.


Keywords


Allium sativum, Cândida, Staphylococcus, Medicamentos Fitoterápicos.

References


ALMEIDA, G. D.; GODOI, E. P.; SANTOS, E. C.; LIMA, L. R. P de.; OLIVEIRA, M. E. de. Staphylococcus aureus E AS INFECÇÕES HOSPITALARES –REVISÃO DE LITERATURA. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Viçosa-MG, v. 34, n. 4, p. 487-492, 2013. Disponível em: http://200.145.71.150/seer/index.php/Cien_Farm/article/viewFile/2826/1486. acesso em 25 abril 2020.

ANVISA – AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Medicamentos Fitoterápicos. Farmacopeia Brasileira. Brasília: ANVISA, 2016. 115 p. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33832/2909630/Memento+Fitoterapico/a80ec477-bb36-4ae0-b1d2-e2461217e06b. Acesso em 20 mar. 2019

ANVISA – AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. O que devemos saber sobre medicamentos. Brasília: ANVISA, 2010. 104 p. Disponível em: http://www.vigilanciasanitaria.sc.gov.br/index.php/download/category/112medicamentos?download=102:cartilha-o-que-devemos-saber-sobre-medicamentos-anvisa. Acesso em 09 abr. 2019.

APOLINÁRIO, A. C.; MONTEIRO, M. M. O.; PACHÚ, C. O. Allium sativum L. como agente terapêutico para diversas patologias: Uma revisão. Revista de Biologia e Farmácia, Paraíba, v. 3, n. 1, p. 1-6. 2008. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/232442398_ALLIUM_SATIVUM_L_COMO_AGENTE_TERAPEUTICO_PARA_DIVERSAS_PATOLOGIAS_UMA_REVISAO. Acesso em 09 de abr. 2019.

ARIAS, L. S.; DELBEM, A. C. B.; PESSAN, J. P.; FERRARESSE, R. F. B.; NETO, F. N. S.; CAMARGO, E. R.; MONTEIRO, D. R. Ação de um novo nanosistema magnético carreador de miconazol sobre biofilmes de Cândida glabrata. ARCHIVES OF HEALTH INVESTIGATION, v. 7, 2019. Disponível em: http://www.archhealthinvestigation.com.br/ArcHI/article/view/4156/pdf. Acesso em 11 de jun. 2019.

BALBINO, E. E.; DIAS, M. F. Farmacovigilância: um passo em direção ao uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 20, n. 6, p. 992-1000, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbfar/2010nahead/aop3310.pdf. Acesso em 10 de jun. 2019.

BATIHA, G. E., BESHBISHY, A. M., WASEF, L. G., ELEWA, Y. H., AL-SAGAN, A. A., EL-HACK, M. E. A., TAHA, A. E., ABD-ELHAKIM, Y. M., DEVKOTA, H. P. Constituintes químicos e atividades farmacológicas do alho (Allium sativum L.): uma revisão. Nutrientes, v. 12, n. 3, p. 872, 2020. Disponível em https://www.mdpi.com/2072-6643/12/3/872/htm. Acesso em: 26 abril 2020.

BAYAN, L.; KOULIVAND, P. H.; GORJI, A. Garlic: a review of potential therapeutic effects. Avicenna Journal Phytomedicine, Germany, v. 4, n. 1, p 1-14, 2014. Disponível em http://ajp.mums.ac.ir/article_1741.html. Acesso em: 20 mar. 2019

CARNEIRO, J. T.; ANDRADE, R. M. Análise do processo de limpeza utilizado pela equipe de higienização para o controle da infecção Hospitalar, Revista de Inovação, Tecnologia e Ciências, Ferra de Santana-BA, v. 1, n. 1, p. 55-62, 2015. Disponível em: http://periodicos.ftc.edu.br/index.php/ritec/article/viewFile/125/88 acesso em 12 de jun. 2019.

CRUZ, A. J. F.; BRITO, I. P.; SOBRAL, M. A. F.; SOUSA, A. T. L.; ALVES, E. F.; ANDREZA, R. S.; FERREIRA, S. S.; COSTA, R. O.; FIGUEIREDO, F. G.; GUEDES, T. T.; MACÊDO, R. O.; RIBEIRO, T. R. G.; LEANDRO, L. MG.; OLIVEIRA, C. D. M.; TINTINO, S. R.; COSTA, M. S.; AQUINO, P. E. A. Avaliação da atividade antibacteriana e moduladora dos extratos metanoico e hexânico da folha de Allium cepa, Revista Ciência Salud, Sobral-CE, v. 14, n. 2, p. 191-200, 2015. Disponível em: https://revistas.urosario.edu.co/index.php/revsalud/article/view/4941. Acesso em 12 de jun. 2019.

Drugs and Lactation Database (LactMed) [Internet]. Bethesda (MD): National Library of Medicine (US); 2006–. Garlic. 2018. Acesso em 25 abril 2020.

FARIAS, C. S. Atividade antimicrobiana de derivados N-acilidrazônicos e fenilacrilatos. 2018. Disponível em: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/18529. Acesso em 11 de jun. 2019.

FELIX, A. L. M.; MEDEIROS, I. L.; MEDEIROS, F. D. Allium Sativum: uma nova abordagem frente a resistência microbiana-uma revisão/Allium Sativum: a new approach to microbial resistance-a review. Brazilian Journal of Health Review, v. 1, n. 1, p. 201-207, 2018. Disponível em: http://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/662/562. Acesso em 11 de jun. 2019.

FHO|UNIARARAS, Araras, v. 3, n. 1/2015. Disponível em: http://www.uniararas.br/revistacientifica/_documentos/art.3-009-2015.pdf. Acesso em 19 mar. 2019

FIGUEREDO, C. A.; GURGEL, I. G. D.; JUNIOR, G. D. G. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.24, n. 2, 381-400, 2014. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/physis/2014.v24n2/381-400/pt. Acesso em 05 de jun. 2019.

FONSECA, G. M.; PASSOS, T. C.; NINAHUAMAN, M. F. M. L.; CAROCI, A. S.; COSTA, L. S. Avaliação da atividade antimicrobiana do alho (Allium sativum Liliaceae) e de seu extrato aquoso. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v.16, n.3, supl. I, p.679-684, 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rbpm/v16n3s1/07.pdf. Acesso em 20 mar. 2019

FONSECA, G.M.; PASSOS, T.C.; NINAHUAMAN, M.F.M.L.; CAROCI, A.S.; COSTA, L.S. Avaliação da atividade antimicrobiana do alho (Allium sativum) e de seu extrato aquoso. Revista Bras. PI. Med. Campinas, v. 16, n.3, p. 679-684. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-05722014000700007&script=sci_arttext&tlng=pt acesso em: 17 de jun. 2020.

GALANTE, R. M. Extração de Inulina do alho (Allium sativum) e simulação dos processos em tabela e em leito fixo. Programa de pós graduação em Engenharia Química, Florianópolis-SC 2008. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/90911 Acesso em: 23 de Jun de 2020.

GOÉS, A. C. C.; SILVA, L. S. L.; CASTRO, N. J. C. Uso de plantas medicinais e fitoterápicos: saberes e atos na atenção primária à saúde. Revista de Atenção à Saúde, São Caetano do Sul, v. 17, n. 59, p. 53-61, 2019. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/viewFile/5785/pdf. Acesso em 05 de jun. 2019.

GOMES, A. R.; MADRID, I. M.; MATOS, C. B.; TELLES, A. J.; WALLER, S. B.; NOBRE, M. O.; MEIRELES, M. C. A. Dermatopatias fúngicas: aspectos clínicos, diagnósticos e terapêuticos. Acta Veterinária Brasílica, v.6, n.4, p.272-284, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/acta/article/view/2943/5151. Acesso em 04 de jun. 2019.

HARTMANN, R. C. B.; KAKITANI, D. H.; SAWADA, A. Y. A prevalência Bacteriana de colonização versus infecção de pacientes internados em UTI´s, Revista UNINGÁ, Maringá, v. 55, n. S1, p. 97-105, 2018. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/2661. Acesso em 12 de jun. 2019.

KUMAR, S.M., KUMAR, V.A., NATARAJAN, P., SREENIVASAN G. Antifungal Efficacy and the Mechanical Properties of Soft Liners against Candida albicans after the Incorporation of Garlic and Neem: An In vitro Study. J Int Soc Prev Community Dent. v. 8, n. 3, p. 212-217, 2018. Disponível em: http://www.jispcd.org/article.asp?issn=22310762;year=2018;volume=8;issue=3;spae=212;epage=217;aulast=Kumar. Acesso em: 20 de março de 20

KLEIN, T.; LONGHINI, R.; BRUSCHI, M. L.; MELLO, J. C. P. Fitoterápicos: um mercado promissor. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v. 30, n. 3, p. 241-248, 2010. Disponível em: http://200.145.71.150/seer/index.php/Cien_Farm/article/view/713/888. Acesso em 10 de jun. 2019.

LEMAR, K. M., PASSA, O., AON, M. A., CORTASSA, S., MULLER, C. T., PLUMMER, S., O'ROURKE, B., LLOYD, D. Allyl alcohol and garlic (Allium sativum) extract produce oxidative stress in Candida albicans, Microbiology, p. 3257-3265, 2005. Disponível em: https://www.microbiologyresearch.org/content/journal/micro/10.1099/mic.0.28095-0

Acesso em: 20/04/20

LI, W., SHI, Q., DAI, H., LIANG, Q., XIE, X., HUANG, X., ZHAO, G., ZHANG, L. Atividade antifúngica, cinética e mecanismo molecular de ação do óleo de alho contra Candida albicans . Sci Rep 6, 22805 (2016). Disponível em: https://www.nature.com/articles/srep22805#Sec2. Acesso em: 20/04/20

LIMA, M. F. P.; BORGES, M. A.; PARENTE, R. S.; JÚNIOR, R. C. V.; OLIVEIRA, M. E. Staphylococcus áureos e as infecções hospitalares – revisão de literatura. Revista UNINGÁ review, Minas Gerais, v. 21, n. 1, pp. 32-39, 2015. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20150101_115618. Acesso em 10 de jun. 2019.

LOW, C. F., CHONG, P. P., YONG, P. V. C., LIM, C. S. Y., AHMAD, Z., OTHMAN, F. Inhibition of hyphae formation and SIR2 expression inCandida albicans treated with fresh Allium sativum (garlic) extract, Journal of Applied Microbiology, V. 105, n. 6, p. 2169-2177, 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/23718407_Inhibition_of_hyphae_formation_and_SIR2_expression_in_Candida_albicans_treated_with_fresh_Allium_sativum_garlic_extract. Acesso em: 20/04/20

LOZANO, A. F. Q.; BAGNE, L.; HORA, D. C. B. Uma abordagem dos efeitos terapêuticos do Allium sativum (alho) no sistema imunológico. Revista Científica da FHO/ UNIARARAS, v. 3, n. 1. 2015. Disponível em: http://www.uniararas.br/revistacientifica/_documentos/art.9-3-1.pdf Acesso em: 20/04/20

MARQUES, G. S.; SILVA, C. C. A. R.; VILELA, W. T.; FIGUEIREDO, C. B. M.; SILVA, A. C. A. F.; SILVA, R. M. F.; NETO, P. J. R. Plantas medicinais como alternativa terapêutica para aumento da resistência imunológica. Revista de Ciências Farmacêuticas, Recife, v. 36, n. 1 p. 27-33, 2015. Disponível em: http://seer.fcfar.unesp.br/rcfba/index.php/rcfba/article/view/204/112. Acesso em 10 de jun. 2019.

MENEZES, J. M. R.; PORTO, M. L. S.; PIMENTA, C. L. R. M. Perfil da infecção bacteriana em ambiente hospitalar. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, Salvador, v. 15, n. 2, p. 199-207, 2016. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/15027/12746. Acesso em 09 de jun. 2019.

MILANI, H. L. A.; TEXEIRA, A. X. V.; SOUSA, E. C.de; ABREU, V. A.; NINAHUAMAN, M. F. M. L. Avaliação da atividade antimicrobiana in vitro do alho (Allium sativum) in natura. Acta Scientia Biologica, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 47-58, 2016. Disponível em: https://revistas.unasp.edu.br/acb/article/download/732/692 Acesso em 20 mar. 2019

MINISTÉRIO DA SAÚDE. MONOGRAFIA DA ESPÉCIE Allium sativum (ALHO), 2015. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/11/Monografia-Allium.pdf. Acesso em 22 de Jun. 2020.

MOTA, J. H.; NOCE, R.; YURI, J. E.; RESENDE, G. M. de; SOUZA, R. J. Análise da evolução da produção e relação risco-retorno para a cultura do alho, no Brasil e regiões (1991 a 2000). Horticultura Brasileira, v.23, n.2, p.238-41, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hb/v23n2/25060.pdf Acesso em 09 abr.2019.

NETTO, E. M.; SHUQAIR, N. S. M. S. A. Q.; BALBINO, E. E.; CARVALHO, A. C. B. Comentários sobre o Registro de Fitoterápicos. Revista Fitos, [S.l.], v. 1, n. 03, p. 9-17, 2013. Disponível em: https://docs.google.com/viewerng/viewer?url=http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/viewFile/5785/pdf. Acesso em 05 de jun. 2019.

OLIVEIRA, D. B.; BOMBANA, C. C.; RODRIGUES, G. A. G.; GONÇALVES, R. J.; PARUSSOLO, L. Caracterização de Staphylococcus aureus isolados da barra de mão de carrinhos e alças de cestas de supermercados. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Campo Mourão-PR, v. 36, n. 3, p. 407-412, 2015. Disponível em: http://seer.fcfar.unesp.br/rcfba/index.php/rcfba/article/viewFile/341/161. Acesso em 12 de Jun. 2019

OLIVEIRA, I. N.; EVERTON, G. O.; FERREIRA, A. C. C.; SOUSA, L. B.; MOUCHEREK, A. N.; TELES, A. M.; FILHO, V. E. M.: Óleo essencial de alho (Allium sativum) como antimicrobiano frente a cepas ATCC de Escherechia coli (25922) e Staphylococcus aureus (25923). Revista Processos Químicos, São Luís, MA, Brasil, v. 12, n. 23, p. 99-102, 2018. Disponível em https://doi.org/10.19142/rpq.v12i23.435. Acesso em: 25 de abr. 2020

OLIVEIRA, T. L.; NERI, G. F.; OLIVEIRA, V. J. S.; BRITO, N. M. de. Utilização de Plantas Medicinais por Idosos em Três Bairros do Município de Conceição do Almeida – BA. Journal of Biology & Pharmacy and Agricultural Management, v.14, n.2, abr/jun 2018. Disponível em: http://revista.uepb.edu.br/index.php/biofarm/article/view/3947/2456. Acesso em 14 de abr. 2019.

PEIXOTO, J. V.; ROCHA, M. G.; NASCIMENTO, R. T. L.; MOREIRA, V. V.; KASHIWABARA, T. G. B. Candidíase -uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR, Minas Gerais, v. 8, n. 2, p. 75-82, 2014. Disponível em: https://www.mastereditora.com.br/periodico/20141001_074435.pdf. Acesso em 14 abr. 2019.

ROCHA, C. H. L.; ROCHA, F. M. G.; MONTEIRO, C. A. Modelo alternativo de tratamento de vulvovaginite causada por cândida glabrata com uma fração de n-butanol das folhas de terminalia catappa. Revista de Investigação Biomédica, v. 10, n. 2, p. 181-189, 2019. Disponível em: http://www.ceuma.br/portalderevistas/index.php/RIB/article/view/289/pdf. Acesso em 10 de jun. 2019.

SANTANA, D. P.; RIBEIRO, E. L.; MENEZES, A. C. S.; NAVES, P. L. F. Novas abordagens sobre os fatores de virulência de Cândida albicans. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, Salvador, v.12, n.2, p.229-233, mai./ago. 2013. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/6953/6651. Acesso em 04 de jun. 2019.

SILVA, A. K. F.; LISBOA, J. E. S.; BARBOSA, M. P. C. S.; LIMA, A. F. Infecções urinárias nosocomiais causada por fungo do gênero cândida: uma revisão. Ciências Biológicas e da Saúde, Maceió, v. 2, n.1, p. 45-57, 2014. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/fitsbiosaude/article/view/1013. Acesso em 14 abr. 2019.

SILVA, A. M. B.; ANDRADE, D.; NYSOCKI, A. D.; NICOLUSSI, A. C.; HAAS, V. J.; MIRANZI, M. A. S. Conhecimento sobre prevenção e controle de infecção relacionada à assistência à saúde: contexto hospitalar, Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Ceará, v. 18, n. 3, p. 353-360, 2015. Disponível em: http://www.redalyc.org/jatsRepo/3240/324053754010/index.html. Acesso em 12 de jun. de 2019.

SILVA, P. L.; SILVA, E. M.; CARMO, M. T.; CARDOSO, F. S. Fitoterapia, Allium sativum e Hipercolesterolemia: Uma revisão. Revista de Atenção à Saúde, São Caetano do Sul, v. 14, n. 19, p. 78-83, 2016. Disponível em: http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/3746. Acesso em 09 de jun. 2019.

SOUSA, D. V.; NETO, C. M. S.; PRADO, R. S. Avaliação da capacidade antifúngica de extrato de caule de hymenaea courbaril l.(jatobá) sobre cândida albicans. Anais do Programa de Iniciação Científica da UniEVANGÉLICA, p. 2529-2531, 2018. Disponível em http://anais.unievangelica.edu.br/index.php/ic-uni/article/view/3213/1771. Acesso em 11 de jun. 2019

SCHEIK, L. K., BOHMER, B. W., OLIVEIRA, M., & DA SILVA, P. A. D. I. L. H. A. ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DE ÓLEO ESSENCIAL DE Allium sativum L. CONTRA Staphylococcus aureus E Escherichia coli. 2º Semana integrada em ensino, pesquisa e extensão, UFPEL, Pelotas, 2016. Disponível em https://cti.ufpel.edu.br/siepe/arquivos/2016/CA_01353.pdf Acesso em: 25 de abr. 2020.

VENÂNCIO, P. C. “Composição química e atividade antimicrobiana e de extrato à base de alho (Allium sativum e Allium tuberosum) sobre a infecção estafilocócica. Estudo in vitro e in vivo, em ratos”. Tese de doutorado, Piracicaba-SP 2010. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/288948 Acesso em: 23 de Jun de 2020

MILANE, H.L.A.; TEIXEITA, A.X.V.; SOUSA, E.C.; ABREU, V.A.; NINAHUAMAN, M.F.M.L. Avaliação da atividade antimicrobiana in vitro do alho (Allium sativum) in natura . Act Scientia biologia. Centro universitário Adventista de São Paulo-UNASP, v. 1, n. 1, p. 47-58, 2016. Disponível em: https://www.revistas.unasp.edu.br/acb/article/view/732 Acesso em: 17 de jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-623

Refbacks

  • There are currently no refbacks.