A personalidade da Geração Z: como a educação física pode contribuir na mudança de comportamentos / The personality of Generation Z: how physical education can contribute to behavior change

Natália Borga, Marly Baretta, Adriano Alberti, Elisabeth Baretta, Leoberto Ricardo Grigollo, Renan Souza

Abstract


A partir do ano de 1945, com o intuito de atender aos interesses do público, principalmente no meio empresarial, os indivíduos, em função do ano de nascimento, são classificados em gerações, sendo elas: Baby Boomer, X, Y, Z e Alfa, que vêm carregadas de costumes, valores, identidades, comportamentos e personalidades distintas. Na escola, o professor deve ser capaz de atender a diferentes dificuldades, comportamentos e personalidades apresentadas pelos alunos, sendo investigador e mediador das situações que encontra. Nesse sentido, objetivou-se investigar o comportamento da geração Z nas aulas de Educação Física. A pesquisa caracterizou-se como quantiqualitativa de caráter descritivo, com a aplicação de um questionário com 17 perguntas para professores de Educação Física das escolas estaduais da Gered de Videira, SC. Realizou-se a coleta de dados por meio da plataforma Survio, sob orientação dos pesquisadores. Para a análise dos dados, utilizou-se estatística descritiva. Os professores afirmam que a geração Z pode estar desestimulada para as aulas de Educação Física sob efeito da internet, além disso, também apontam o início de namoro, as mudanças físicas e psicológicas, a sexualidade e a mídia como fatores que contribuem para a perda do espaço das atividades físicas. Para 59,1% dos professores, uma maneira de incentivar as práticas esportivas é oferecer dinâmicas de aulas diferentes em diversas modalidades, 95,1% consideram importante o envolvimento dos pais em competições para obter comprometimento dos alunos, e 72,2% acreditam que a boa formação familiar contribui para a formação da personalidade. Desenvolver aprendizagens para atender a infinitas personalidades, enfrentando desafios de uma geração estudantil em constante mudança, significa coragem, determinação e comprometimento.


Keywords


adolescentes, alunos, educação física, professores.

References


CASARIN, Tonia. A importância da motivação na vida escolar dos jovens. Rio de Janeiro: Tcasarin Consultoria e Treinamento Educacional Ltda, 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2018.

CORTELLA, Mário Sérgio. Novas gerações têm poucas referências de autoridade. S.I. Realização de Abtdpr. Paraná: E-press Comunicação, 2012 (4 min.), P&B. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2018.

COUTINHO, Clara; LISBÔA, Eliana. Sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem: desafios para educação no século XXI. Revista de Educação, Portugal, v. 18, n. 1, p. 5-22, 2011. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2018.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. 2ed. São Paulo: Cortez Brasília, DF: MEC/UNESCO, 2003.

FÁBIO, André Cabette. Por que a geração de ‘nativos digitais’ não é tão diferente das anteriores. Nexo Jornal. S. I, p. 1-4. 21 ago. 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2018.

FERREIRA, Windyz B. Inclusão X exclusão no Brasil: reflexões sobre a formação docente dez anos após Salamanca. In: David Rodrigues (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 212-236.

GERAÇÃO ALPHA. Produção de Marcos Paterra. João Pessoa: C. E. Vianna de Carvalho, 2017. (38 min.), son., color. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2018.

GOMES, Keyne Ribeiro; SILVA, Vinícius Sampaio; BARBOSA, Juliana da Silva Dias. Inovação nas aulas de educação física com o auxílio das tecnologias. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL “EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE”, 6, 2012, São Cristovão - SE. Anais... 2012. p. 2-14. Disponível em: . Acesso em: 26 abr. 2018.

INDALÉCIO, Anderson Bençal; RIBEIRO, Maria da Graça Martins. Gerações Z e Alfa: os novos desafios para a educação contemporânea. Revista Unifev: Ciência e Tecnologia, Votuporanga, v. 2, p. 138-148, 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2018.

LOIOLA, Rita. Geração Y. Revista Galileu, São Paulo, n. 219, p. 50-53, out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2018.

PARO, Vitor Henrique. Qualidade do ensino: a contribuição dos pais. 2. ed. São Paulo: Intermeio, 2018. 176 p. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2018.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000. 88 p. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2018.

PRADO, Ana. Entendendo o aluno do Século 21: e como ensinar a essa nova geração. S.I: Geekie, 2015. 17 p. Disponível em: . Acesso em: 12 out. 2018.

SACHDEV, Perminder. Everyone’s different: what parts of the brain make our personalities so unique? The Conversation: Academic rigor, journalistic flair. Estados Unidos, p. 2-4. 29 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

SANTOS, Cristiane Ferreira dos et al. O Processo Evolutivo entre as Gerações X, Y e baby boomers. In: SEMEAD SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 14, 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2018.

VEEN, Wim; VRAKKING, Ben. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009. 138 p. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2018.

VELUCHAMY, Ramar et al. Personal and Professional Attitudes of Generation Z Students. L.J.C.T.A: International Science Press. S.I, p. 471-478. 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

VERLINDEN, Neelie. The Future (of the) Workforce: Meet Generation Z. Paris: Hr Tech, 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-622

Refbacks

  • There are currently no refbacks.