Responsabilidade socioambiental no setor de acomodação turística no litoral norte de Alagoas / Socio-environmental responsibility in the touristic accommodation sector in the north littoral of Alagoas

Renata Kelly Alves de Carvalho, Lindemberg Medeiros de Araujo, Lúcia Tone Ferreira Hidaka

Abstract


O turismo tem sido duramente criticado pelo fato de ser uma atividade socioeconômica que tem a capacidade de degradar a própria base de recursos da qual depende. Os impactos ambientais negativos do turismo têm se manifestado, em maior ou menor grau, tanto em destinos turísticos de países desenvolvidos quanto subdesenvolvidos. Ao mesmo tempo, e talvez como uma tentativa de resposta, diversos tipos de turismo alternativo vem crescendo. Muitas iniciativas têm apresentado propostas com base na noção de desenvolvimento sustentável. Esse é o caso dos meios de hospedagem, desde grandes complexos na forma de resorts até pequenas unidades hoteleiras, sob diversas denominações, que vem incorporando estratégias de responsabilidade socioambiental às suas práticas, as quais incluem medidas de gestão ambiental, mas que podem se estender a muitas outras esferas, tais como apoio ao artesanato local e a iniciativas de colaboração. Este trabalho analisa as práticas adotadas por 10 pousadas associadas ao eixo do turismo alternativo, localizadas em um trecho de 23 km do litoral Norte do Estado de Alagoas, denominado localmente de Rota Ecológica. O objetivo foi analisar até que ponto as referidas pousadas adotam procedimentos de responsabilidade socioambiental. A metodologia foi de cunho qualitativo e incluiu triangulação para a coleta de dados. O estudo constatou que, apesar da necessidade de maiores avanços, as 10 pousadas da Rota Ecológica adotam procedimentos associados à noção de responsabilidade socioambiental.

 


Keywords


Turismo Alternativo, Responsabilidade Socioambiental, Acomodação.

References


Aguiló, E.; Alegre, J.; Sard, M. (2005). The persistence of the “sun and sea” tourism model. Tourism Management, 26:219-231.

Araujo, Lindemberg Medeiros de; Bramwell B. (1999). Stakeholder Assessment and Collaborative Tourism Planning: The Case of Brazil’s Costa Dourada Project. Journal of Sustainable Development, 7(3&4):356-378).

Araujo, L. M. de; Moura, F. de B. P. (2007). A expansão do turismo na zona costeira

nordestina: crescimento econômico, Degradação Ambiental e Erosão Cultural. In:

Coriolano, L. N. M. T.; Vasconcelos, F. P. O turismo e a relação sociedade-natureza:

realidades, conflitos e resistências, Fortaleza: Eduece, pp. 94-113.

Archer, B.; Cooper, C. (1998). Os impactos positivos e negativos do turismo. In: Theobald, W. F. Turismo global, São Paulo: Senac, pp. 85-102.

Associação de Hotéis Roteiros de Charme (2013). Roteiros de Charme, disponível em: . Acesso em: 15 de dezembro de 2020.

Bromiey. D. B. (1986). The case-study method in psychology and related disciplines. Chichester: Wíley.

Barbieri, J. C.; Cajazeira, J. E. R. (2009). Responsabilidade social empresarial e

empresa sustentável: da teoria à prática, São Paulo: Saraiva.

Barros, N. C. C. de. (2009). Por que as destinações turísticas no Nordeste do Brasil não

declinam? – uma interpretação geográfica, Recife: Editora da UFPE.

Benson, A. (2005). Research tourism: professional travel for useful discoveries. In: Novelli, M. Niche tourism: contemporary issues, trends and cases. Butterworth Heinemann, Burlington, MA, pp. 133-142.

Bramwell, B. (2003). Maltese responses to tourism. Annals of Tourism Research, 30(3), pp. 581-605.

Butler, R. W. (Org.). (2006). The tourism area life cycle, vol. 1: Applications and modifications. Clevedon, U.K.: Channel View.

Camêlo, A. R. S. (2016). Percepção das comunidades locais sobre a turistificação da Rota Ecológica em Alagoas. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). 238f.

Campos, J. R. V. (2005). Introdução ao universo da hospitalidade. Série Hospitalidade. Campinas: Papirus, 2005.

Carvalho, R. K. A. de. (2014). Pousadas de charme como uma alternativa para o

turismo sustentável em São Miguel dos Milagres – AL. (Trabalho de Conclusão de

Curso (Graduação em Geografia Bacharelado), do Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente, da Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2014. 63f.

Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. (1994). Entering the field of qualitative research. In: Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. (Orgs.). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks, California: Sage.

Dias, R. (2006). Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo:

Atlas.

Duda, J. I. de M.; Araujo, L. M. de. (2014). Polos de turismo do Nordeste do Brasil: crescimento, desenvolvimento e escassez de conhecimento. Caderno Virtual de Turismo, 14(3): 204-2018.

Hall, C. M. (1994). Tourism and politics: policy, power and place. Chichester, U.K: Wiley.

Hoerner, Jean-Michel. (2011). Geopolítica do turismo. São Paulo: Senac.

Krippendorff, J. (2006). Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. Série Turismo. São Paulo: Aleph.

Kaspary, M. G. de A. R. (2019). Estudo das transformações socioespaciais de povoados costeiros da Costa dos Corais, Alagoas, e Costa Brava, Catalunha. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). 466f.

Körössy, N. (2008). Do “turismo predatório” ao “turismo sustentável”: uma revisão sobre a origem e a consolidação do discurso da sustentabilidade na atividade turística. Caderno Virtual de Turismo, 8(2):56-68.

Leite, A. R.; Oliveira, J. B.; Padilha, A. C. M.; Sá, M. M.; Pereira, A. S. (2019). Dinâmica da cooperação e intercooperação em roteiros de turismo rural. Brazilian Journal of Development, 5(8):12821-12845.

Neuman, W. L. (1997). Social research methods: qualitative and quantitative approaches. 3 ed. USA: Aliyn and Bacon.

Oliveira, M. (2007). Revista Anuário Exame Turismo 2007-2008, São Paulo, 19-22,

(abr.).

Pearce, D. G. (2003). Geografia do turismo: fluxos e regiões no mercado de viagens, São Paulo: Aleph.

Rangel, M. G. Destinação turística Maceió: ciclo de vida e perspectivas de crescimento nos próximos anos. (2010). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Alagoas. 165f.

Rudio, F. V. (1999). Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes.

Silva, T. R. P. da. (2016). Territorialização turística das pousadas da Rota Ecológica, litoral norte de Alagoas. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). 167f.

Silva, K. de O. (2010). Políticas públicas e a promoção do turismo no Rio Grande do Norte. Mercator, 9(18):71-79.

Tachizawa, T. (2006). Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa -

estratégias de negócios focadas na realidade brasileira, São Paulo: Atlas.

Timms, B. F.; Conway, D. (2012). Slow tourism at the Caribbean’s geographical margins. Tourism Geographies, 14(3):396-418.

Vasconcelos, D. A. L. de. (2017). Sol, praia e a “destinação” da cidade: Compreendendo a turistificação de Maceió-Alagoas-Brasil. Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). 166f.

Veiga, José Eli da. (2005). Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond.

Yázigi, E. (1999). Turismo: uma esperança condicional. São Paulo: Global Universitária.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-615

Refbacks

  • There are currently no refbacks.