Importância da fisioterapia frente a pandemia provocada pelo novo Coronavírus / importance of physiotherapy in front of the pandemic caused by new Coronavírus

Érica Rezende Pereira, Beatriz Regina Fernandes Rodrigues, Estefanny Santos Gomes, Fabiana Santos Franco, Luciana Aparecida Guerra Silveira, Mariane Cremonese, Vanessa Chiaparin Martin Coelho Pires, Walkyria Silva Ferreira

Abstract


O novo coronavírus (SARS-CoV-2) faz parte de uma família de vírus conhecida, que inclui outros vírus capazes de provocar doenças no ser humano. A infecção pelo vírus causa a COVID 19, que tem como principais sintomas febre, fadiga e tosse seca, podendo evoluir para dispneia ou, em casos mais graves, síndrome respiratória aguda grave e óbito.  Para a melhoria desses sintomas, é importante o monitoramento realizado pelo fisioterapeuta. Este profissional atua na recuperação de tais habilidades, tendo como principal ferramenta de trabalho, o exercício terapêutico e o suporte ventilatório. Na terapia intensiva, o fisioterapeuta está na linha de frente dos cuidados respiratórios avançados, respaldado pelas melhores evidências científicas através de técnicas que  preconizam reduzir o acúmulo de secreção nos brônquios, melhorar a relação entre ventilação e perfusão, reexpandir áreas pulmonares, evitar e diminuir os efeitos do imobilismo prolongado que geram déficit funcional, reduzindo o tempo de hospitalização, os custos e os óbitos.  Diante de tais observações justifica-se a realização deste trabalho como objetivo evidenciar a importância do profissional fisioterapeuta na linha de frente da pandemia provocada pelo COVID 19. A coleta de dados foi feita buscando artigos relacionados na base de dados Scielo, Lilacs, Pubmed, em publicações realizadas no ano de 2020. Ao final da pesquisa pode-se concluir que a pandemia evidenciou a importância do fisioterapeuta dentro e fora do ambiente hospitalar, pois estes profissionais se mostraram indispensáveis tanto no início do tratamento quanto na recuperação de pacientes que contraíram esta doença. A necessidade de promover o retorno à plena funcionalidade de pacientes curados da COVID-19, bem como a recuperação física da população em isolamento, prometem ser demandas crescentes, para estes profissionais.


Keywords


Infecções por coronavírus, Fisioterapia, Reabilitação.

References


ASSOBRAFIR. Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva. COVID-19. 2020. Disponível em: https://assobrafir.com.br/ covidassobrf.

BRANDÃO, S. C. S. et al. COVID-19 grave: entenda o papel da imunidade, do endotélio e da coagulação na prática clínica. Jornal Vascular Brasileiro. v.19, p.1-11, nov,2020.

BRASIL. Coronavírus COVID-2019: diretrizes para diagnóstico e tratamento da COVID-19. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2020.

CAVALCANTE, J. R. et al. COVID-19 no Brasil: evolução da epidemia até a semana epidemiológica 20 de 2020. Epidemiologia e Serviços de Saúde. v. 29, n. 4, p. 15-19, ago. 2020.

CHEN J. Pathogenicity and transmissibility of 2019-nCoV - A quick overview and comparison with other emerging viruses. Microbes and Infection. v. 22 n. 2. p. 69-71, mar. 2020.

FERREIRA, L.L.G.; ANDRICOPULO, A.D. Medicamentos e tratamentos para a COVID 19. Estudos Avançados. v.34, n.100, p.7-27, set/dez, 2020.

FREITAS, A.R.R.; NAPIMOGA, M.; DONALISIO, M.R. Análise da gravidade da pandemia de Covid-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde. v.29, n.2, p. 1-5, abr, 2020.

GUÉRIN, C. et al. Prone position in patients with ARDS: why, when, how and for whom. Intensive Care Med. v.46, p.2385-2396, nov,2020.

KARSTEN, M.; MATE, D.L.; ANDRADE, F.M.D. A pandemia da COVID-19 trouxe desafios e novas possibilidades para a Fisioterapia no Brasil: estamos preparados? Revista Pesquisa em Fisioterapia. v.10, n.2, p.142-145, 2020.

LOEFFELHOLZ, M.J.; TANG, Y.W. Laboratory diagnosis of emerging human coronavirus infections-the state of the art. Emerg Microbes Infect. v.9, n.1, p. 747-756, Dez. 2020.

MAGNO, L. et al. Desafios e propostas para ampliação da testagem e diagnóstico para COVID-19 no Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v.25, n.9, p. 3355-3364, ago,2020.

MARTINEZ, A. et al. Papel do fisioterapeuta em diferentes cenários de atuação à COVID-19. ASSOBRAFIR Ciência. v.11, n.1 p.27-30, ago, 2020.

MOREIRA, R.S. Covid-19: unidades de terapia intensiva, ventiladores mecânicos e perfis latentes de mortalidade associada à letalidade no Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 5, p. 1-12, maio. 2020.

PETRONE, P.; BRATHWAITE, C.E.M.; JOSEPH, A. Prone ventilation as treatment of acute respiratory distress syndrome related to COVID-19. European Journal of Trauma and Emergency Surgery. v.24, n.1, p.1-6, out,2020.

PROMPETCHARA, E.; KETLOY, C.; PALAGA, T. Immune responses in COVID-19 and potential vaccines: Lessons learned from SARS and MERS epidemic. Asian Pac J Allergy Immunol . v.38, n.1, p.1-9, mar, 2020.

RODRIGUES, A. Z et al. Intervenções cirúrgicas em tempos de coronavírus: Revisão de literatura. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n. 6, p.38104-38121, jun. 2020.

SALES, E. M. P. et al. Fisioterapia, funcionalidade e COVID-19: revisão integrativa. Cadernos ESP-Revista Científica da Escola de Saúde Pública do Ceará. v.14, n.1 p. 68–73, Jan-Jun, 2020.

SILVA, R.M.V.; SOUSA, A.V.C. Fase crônica da COVID-19: desafios do fisioterapeuta diante das disfunções musculoesqueléticas. Fisioterapia em Movimento. v.33, mai, 2020.

THOMAS, P. et al. Physiotherapy management for COVID-19 in the acute hospital setting: recommendations to guide clinical practice. Journal of Physiotherapy. v.66, n.2, p.73-82, abr, 2020.

VAN DOREMALEN, N. et al. Aerosol and Surface Stability of SARS-CoV-2 as Compared with SARS-CoV-1. New England Journal of Medicine. v. 382, p. 1564–1567, abr. 2020.

VELAVAN, T.P.; MEYER, C.G. The COVID-19 epidemic. Trop Med Int Health. v.25, n.3, p.278-280, mar. 2020.

World Health Organization (WHO). Coronavirus disease 2019 (COVID-19). Situation Report. 88. Genebra: WHO; 2020.

ZHU N. et al. A novel coronavirus from patients with pneumonia in China, 2019. New England Journal of Medicine. v. 382, p.727-733, fev. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-612

Refbacks

  • There are currently no refbacks.