Protótipo de uma tornozeleira sensorial inteligente: independência e autonomia às pessoas com deficiência visual / Prototype of an intelligent sensory ankle bracelet: independence and autonomy for visually impaired people

João Coelho de Alvarenga E Melo, Ana Maria Bastos Firmino, Cássia do Carmo Pires Fernandes, Edson Batista de Sena, Felippe Moreira Faêda, Luciano Vilas Boas Esperidião

Abstract


Com o advento das tecnologias da informação e comunicação, mudanças significativas ocorreram na relação do indivíduo com o meio em que convive: a comunicação tornou-se eficiente e instantânea, os processos industriais estão cada vez mais automatizados, os smartphones possuem recursos ilimitados, e nós, seres humanos, dependemos constantemente do uso de tais tecnologias no nosso cotidiano. Apesar de tais transformações estarem presentes no cotidiano, muitas pessoas encontram-se distantes deste cenário de transformação, vivem em um universo paralelo a estas mudanças. É o caso das pessoas com deficiência visual que, em muitas das vezes, têm seus direitos mais básicos cerceados, como o direito de ir e vir, de deslocar de um ponto a outro. Em grande parte dos casos, as cidades não são planejadas para atender estas pessoas, dificultando o seu deslocamento. O dia a dia da espécie humana é marcado pela extrema necessidade de enxergar, entretanto, pessoas com deficiência visual passam por percalços diários para conseguirem se adaptar ao meio social, visto que, para esse grupo, é necessário que existam adaptações tanto físicas, quanto comportamentais, com o intuito de oferecer acessibilidade ao grupo, porém o Brasil é um país pouco acessívele que não oferece estrutura adequada nas ruas para os cegos e pessoas com deficiência visual. Esse fato é um grande desafio para o grupo no dia a dia, principalmente, nas cidades periféricas a grandes capitais brasileiras. Portanto, torna-se difícil que pessoas com deficiência visual se sintam seguras ao caminhar pelas ruas, necessitando sempre de alguma orientação de outras pessoas.Neste contexto, este trabalho tem como objetivo principalapresentar um protótipo funcional de uma tornozeleira sensorial inteligente para atender pessoas com deficiência visual, sendo ela capaz de detectar objetos e emitir alertas vibratórios quando obstáculos estiverem a frente da pessoa em deslocamento.Em testes iniciais, o protótipo desenvolvido funcionou plenamente, sendo capaz de emitir alertas vibratórios toda vez que um objeto se aproximava do seu raio de cobertura. Um ponto a ser explorado em trabalhos futuros é a necessidade de realizar testes com sensores capazes de detectar objetos acima da cintura, uma vez que o protótipo desenvolvido só funcionou corretamente com obstáculos que estavam abaixo dessa região.  A necessidade de produzir alguma solução que atenda os anseios do público alvo em questão é de extrema importância no contexto de falta de acessibilidade nas ruas brasileiras, onde existem aproximadamente 6,5 milhões de cegos e deficientes visuais, à soberba da falta de atenção e cuidado, portanto a pesquisa possui o intuito de, com base em trabalhos já desenvolvidos, apresentar contribuições relevantes para a comunidade de pessoas com deficiência visual.


Keywords


Pessoa com deficiência visual, Tecnologia assistiva, Sensor de obstáculo, Tornozeleira sensorial.

References


BERSCH, Rita. Introdução à tecnologia assistiva. Porto Alegre: CEDI, v. 21, 2008.

BRASIL. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. DiárioOficial da União, 1999.

BROWN, Tim; WYATT, Jocelyn. Design thinking for social innovation. Development Outreach, v. 12, n. 1, p. 29-43, 2010.

COOK, Albert M.; POLGAR, Jan Miller. Cook and Hussey's Assistive Technologies: Principles and Practice. 3. ed. St. Louis: Mosby, 2005. 571 p.

CUNHA, Ana Cristina Barros da; ENUMO, Sónia Regina Fiorim. Desenvolvimento da criança com deficiência visual (DV) e interacção mãe-criança: algumas considerações. Psicologia, saúde&doenças, v. 4, n. 1, p. 33-46, 2003.

D.SCHOOL, INSTITUTE OF DESIGN AT STANFORD. An Introduction to Design Thinking: Process Guide. 2010.

FREITAS, H. ESTADÃO, 2016. Comportamento Brasileiro. Disponivel em: . Acesso em: 15 jun. 2020.

GONZATTO, Alfredo et al. Óculos sonar para deficientes Visuais. XIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação–Universidade do Vale do Paraíba, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2020

IBGE 2010, Rio de Janeiro. Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. 2015 p. Disponível em: Acesso em: 22 mar. 2020

MARQUES, Maria; LIMA, Atos; SANTOS, Marcelo. Protótipo de Bengala Inteligente de Baixo Custo para o Auxílio de Deficientes Visuais. Anais dos Workshops do V Congresso Brasileiro de Informática na Educação (cbie 2016), [s.l.], p.1344-1353, 10 nov. 2016. Sociedade Brasileira de Computação - SBC. http://dx.doi.org/10.5753/cbie.wcbie.2016.1344. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2020.

NBR, ABNT. 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Associação Brasileiras de Normas Técnicas, Rio de Janeiro, 2004.

ONU, B. R. Pobreza segue caindo na América Latina mas ainda afeta 167 milhões de pessoas. 2013.

RAHIM, Taliha Hoffmann et al. Desenvolvimento de um protótipo para auxílio no deslocamento de deficientes visuais. 2017.

RIBEIRO FILHO, J. S. R. et al. ARGOS: Auxílio à locomoção de deficientes visuais a partir de pulseira microcontrolada. 2011. Computer onthe Beach: Anais. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/acotb/article/view/6321/3558. Acesso em 15 mar. 2020.

SUNU. Sunu Shop. 2020. Disponível em:




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-584

Refbacks

  • There are currently no refbacks.