Questões epistemológicas: Para uma compreensão do turista híbrido / Epistemological issues: For an understanding of the hybrid tourist

Hélio Fernando Lôbo Nogueira da Gama

Abstract


O objeto de estudos é uma necessária demarcação epistemológica para o desenvolvimento de uma teoria social do turismo sob um enfoque sócio-histórico. Contextualizar o perfil de um turista contemporâneo é o nosso problema do conhecimento. Conceituamos turismo como um fenômeno social que se realiza com a viagem de turistas a lugares, expressão da era industrial capitalista moderna que envolve a oferta de serviços econômicos de hospitalidade, cuja racionalidade impacta dimensões espaciais, ambientais, socioculturais, morais e (geo)políticas de países e comunidades hospedeiras. No plano teórico apontamos o recorrente e confuso uso inadequado dos temos turismo e Turismologia, para afirmamos que está em curso uma transição de paradigmas em que turismo deixa de ser definido e passa a ser conceituado como objeto de estudos construído de uma área de conhecimento científico. Em seguida fazemos a distinção dos termos deslocamento, viagem, turista e turismo, precisando e oferecendo significados como conceitos, assim como a distinção e associação dos conceitos de viajantes e peregrinos como os de hospitalidade e acolhimento. Para tal fim fizemos uso de uma variante idealista, materialista e histórica do método dialético, uma pesquisa teórica histórica-sociológica para contribuir com a Turismologia. Sociedade e turismo interagem e transformam-se dialeticamente. O século XXI, complexo contexto de superposição de modernidade e pós-modernidade engendra, no capitalismo tardio da revolução científica, tecnológica, organizacional e informacional, o turista híbrido, aquele que manipula sua identidade, quer como turista convencional no turismo de massa fordista, quer como um novo viajante com maior grau de autonomia e capital cultural no turismo flexível toyotista. Elevar o termo turista híbrido ao estatuto de conceito científico precisando-lhe um significado original, numa perspectiva histórica-sociológica, é o principal resultado de nossa investigação. Concluímos que a diversificação do principal personagem torna o fenômeno social turismo ainda mais complexo do ponto de vista sociológico, humanista e civilizatório.


Keywords


Epistemologia, Sociologia, Turismologia, Turista Híbrido.

References


BARBOSA, Y. M. História das viagens e do turismo. São Paulo: Aleph, 2002.

BARRETO, M. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 7a ed. Campinas: Papirus, 1995.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 3a ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 2000.

BOYER, M. História do turismo de massa. Bauru: EDUSC, 2003.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista: A degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

CORBIN, A. L’avènement del loisirs, 1850-1960. Paris: Aubier, 1995.

DE MASI. D. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

DUMAZEDIER, J. Vers une civilization du loisir? Paris: Seuil, 1962.

FERRARA, L. D’A. O turismo dos deslocamentos virtuais. In: YÁZIGI, E., CARLOS, A. F. A.; CRUZ, R. C. A. (Orgs.). Turismo: Espaço, paisagem e cultura. São Paulo: Hucitec, 2002.

FIGUEIREDO, A. F. A. de. A casa e o acolhimento como ação descolonial. In: BRUSADIN, L. B. (Org.). Hospitalidade e dádiva: A alma dos lugares e a cultura do acolhimento. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

FOUREZ, G. A construção das ciências: Introdução à filosofia e à ética das ciências. São Paulo: UNESP, 1995.

GAMA, H. F. L. N. da. Ecocapitalismo e Sustentabilidade: Empresas no Brasil e ISO 14001. Curitiba: Editora Collaborativa, 2020a.

______. Escolhas Teórico-Metodológicas: A Perspectiva Fenomenológica e Dialética no Percurso da Investigação Sociológica do Turismo. Marketing & Tourism Review, v.4, N. 2. 34 pp. Belo Horizonte: UFMG, 2020b.

Disponível em: https://revistas.face.ufmg.br/index.php/mtr/issue/view/357

HUBERMAN, L. História da riqueza do homem. 21a ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

IGNARRA, L. R. Fundamentos do turismo. São Paulo: Pioneira, 1999.

JAMESON, F. Pós-modernismo: A lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1986.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 4a ed. São Paulo: Perspectiva, 1996.

KOSIK, K. Dialética do concreto. 2a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

KRIPPENDORF, J. Sociologia do turismo: Para uma nova compreensão do lazer e das viagens. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

LACAN, J. Écrits. Vol. I. Paris: Seuil, 1966.

LOPES, A. R. O abc do turismo: noções básicas. Brasília: A. R. Lopes, 1994.

MARX, K. O capital. Vol. III. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003. (Obra original publicada em 1925).

PAIVA, M. G. M. Sociologia do turismo. 3a ed. Campinas: Papirus, 1995.

PAVAM, R. A viagem ideológica. Carta Capital, pp. 46-47. 19/agosto. 2015.

PANOSSO NETTO, A. O que é turismo. 2a ed. São Paulo, Brasiliense, 2013.

PERROTTET, T. Férias pagãs: Na trilha dos antigos turistas romanos. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

SIQUEIRA, D. História social do turismo. Rio de Janeiro: Garamound, 2005.

TRIGO, L. G. G. A sociedade pós-industrial e o profissional em turismo. Campinas: Papirus, 1998.

YASOSHIMA, J. R.; OLIVEIRA, N. S. Antecedentes das viagens e do turismo. In: REJOWSKi, M. (Org.). Turismo no percurso do tempo. São Paulo: Aleph, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-579

Refbacks

  • There are currently no refbacks.