Processo de trabalho no cuidado em saúde às mulheres em situação de rua / Work process in health care for women in street situation

Amanda Pinheiro Magalhães Rocha, Maria Yaná Guimarães Silva Freitas, Dailey Oliveira Carvalho, Vivian Ranyelle Soares de Almeida, Diana Cardeal do Nascimento, Jenny Caroline Vieira Moura, Juliana Macêdo dos Santos Silva, Raquel Vieira Farias, Denise Rios de Oliveira, Jamille Soares Dias

Abstract


Objetivo: descrever o processo de trabalho das equipes do Consultório na Rua no atendimento às mulheres em situação de rua. Metodologia: estudo qualitativo, de caráter descritivo e exploratório, realizado na base operacional da equipe do Consultório na Rua, de uma cidade do interior da Bahia. Participaram da pesquisa cinco profissionais de saúde. Os dados foram coletados no período de janeiro a fevereiro de 2020, por meio da entrevista semiestruturada e da observação passiva realizada nos espaços urbanos, e analisados através da técnica de Bardin. Resultados: Após a análise dos dados, emergiram as categorias temáticas trabalho em equipe e parceria com a rede de assistência; vínculo e acolhimento no processo de trabalho. Conclusão: o processo de trabalho permite planejamento e assistência mais qualificada através de diferentes perspectivas, nas quais cada profissional irá se atentar para uma questão específica de acordo com sua prática, definindo prioridades a partir da situação encontrada.


Keywords


População em situação de rua, Mulheres em situação de rua, Cuidado em Saúde, Consultório na rua.

References


Caravaca-Morera JA, Padilha MI. Entre Batalhas e Pedras: Histórias de vida de Moradores de Rua, Usuários De Crack. Hacia promoc. Salud. 2015; 20(1): 49-66.

Peduzzi M. Mudanças tecnológicas e seu impacto no processo de trabalho em saúde. Trabalho, educação e saúde. 2003; 1(1).

Peduzzi M, schraiber LB. Processo de trabalho em saúde. Dicionário da educação profissional em saúde, 2012.

Cruz MM, Souza RBC, Torres RMC, Abreu DMF, Reis AC, Gonçalves AL. Usos do planejamento e auto avaliação nos processos de trabalho das equipes de Saúde da Família na Atenção Básica. Saúde Debate. 2014; 38: 124-139.

Moreira KS, Lima CA, Vieira MA, Costa SM. Educação permanente e qualificação profissional para Atenção Básica. Revista Saúde e Pesquisa. 2017. 10 (1): 01-109.

Rosario GO. Análise das condições e modos de vida de mulheres em situação de rua em Porto Alegre - RS. Dissertação (Mestrado em Curso de Serviço Social) - Programa de Pós Graduação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2015.

Biscotto PR, Jesus MCP, Silva MH, Oliveira DM, Merighi MAB. Compreensão da vivência de mulheres em situação de rua. Rev Esc Enferm. 2016; 50(5): 750-756.

Delfin L, Almeida LAM, Imbrizi JM. A rua como palco: Arte e (in)visibilidade social. Psicol. Soc. 2017; 29: e158583.

Ministério da Saúde. Governo Federal. Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de Rua. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de Setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Ministério da Saúde. Portaria nº 122, de 25 de janeiro de 2011. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Minayo MCS. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. 1. reimpressão. Petrópolis: Ed. Vozes, 2016.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. São Paulo: Atlas; 2019.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

Ministério da Saúde. Resolução 466/12 de Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e Normas Regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html. Acesso em 10 de novembro de 2020.

Ministério da Saúde. Resolução 510/16 do Conselho Nacional de Saúde. Dispõe de normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. Disponível em: https://www.unaerp.br/documentos/3023-resolucao-510-2016-conep/file. Acesso em 10 de novembro de 2020.

Kami MTM, Larocca LM, Chaves MMN, Lowen IMV, Souza VMP, Goto DYN. Trabalho no consultório na rua: uso do software IRAMUTEQ no apoio à pesquisa qualitativa. Esc. Anna Nery. 2016; 20 (3):e20160069.

Previato GF, Baldissera VDA. Retratos da prática interprofissional colaborativa nas equipes da atenção primária à saúde. Rev. Gaúcha Enferm. 2018; 39:1-9.

Peruzzo HE, Bega AG, Lopes APAT, Haddad MCFL, Peres AM, Marcon SS. Os desafios de se trabalhar em equipe na estratégia saúde da família. Esc. Anna Nery. 2018; 22(4).

Oliveira APC, Gabriel M, Poz MRD, Dussault G. Desafios para assegurar a disponibilidade e acessibilidade à assistência médica no Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva. 2017; 22(4):1165-1180.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual sobre o cuidado à saúde junto a população em situação de rua [internet]. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/manual_cuidado_populalcao_rua.pdf. Acesso em: 15 de novembro de 2020.

Duarte AHC. O Acolhimento em saúde no espaço da rua: estratégias de cuidado do Consultório na Rua. 2019; 18(2):1-14.

Silva CC, Cruz MM, Vargas EP. Práticas de cuidado e população em situação de rua: o caso do Consultório na Rua. SAÚDE DEBATE. 2015; 39: 246-256.

Engstrom EM, Teixeira MB. Equipe “Consultório na Rua” de Manguinhos, Rio de Janeiro, Brasil: práticas de cuidado e promoção da saúde em um território vulnerável. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(6): 1839-1848.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-565

Refbacks

  • There are currently no refbacks.