O uso do terrário na sala de aula como ferramenta didática no ensino de biologia para aluno do ensino médio, no instituto federal de educação do Piauí, Campus Floriano (PI) / The use of terrary in the classroom as a teaching tool in biology teaching for high school students, at the federal institute of education in Piauí, Campus Floriano (PI)

Odivette Maria Soares Felix, Caio Martins Avelino, Felipe Martins Avelino

Abstract


Este trabalho apresenta uma estratégia de ensino baseada na construção de terrários como recurso didático, isso porque os terrários são modelos de ecossistema terrestre em escala muito pequena proporcionando uma contextualização do conteúdo. O ensino de Ciências vislumbra um conjunto de vários conhecimentos importantes para os estudantes, a proposta do terrário visa proporcionar o envolvimento dos mesmos através da observação, experimentação e exploração de atividades diferenciadas que possibilite uma melhor compreensão de conceitos pertinentes ao ensino de ciências através da interação com conteúdo. A área de conhecimento aplicada com os alunos foi a botânica, parte da biologia responsável por estudar as plantas, dividindo-se em diversas subáreas, como, Sistemática, Fisiologia, Organografia, Anatomia, Ecologia Vegetal, dentre outras. Os conteúdos estudados na área da botânica possuem muita recusa por parte dos alunos, sendo uma relação muito difícil, inclusive o conteúdo que foi abordado na aula, o de Briófitas e Pteridófitas (plantas vasculares sem semente). A metodologia consistiu em uma aula dialogada-expositiva utilizando o terrário e exsicatas, seguida de uma oficina para construção de terrários. Tendo como objetivo, a utilização de terrários como ferramenta didática no ensino de biologia, proporcionando o aumento de interesse pela botânica e conteúdos relacionados, além da construção de terrários em garrafa pet pelos alunos. As atividades desenvolvidas procuraram proporcionar uma aula diferenciada e interessante, fazendo os alunos entrarem em contato com algumas plantas, introduzindo conhecimentos de maneira mais atrativa para fazer com que os alunos participassem.  O trabalho foi realizado no IFPI - Instituto Federal do Piauí (IFPI), Campus, Floriano (PI), com os 21 alunos do 2º ano do ensino médio. A utilização de metodologias como o terrário, permitiram o surgimento de vários pontos positivos, podendo destacar principalmente a participação, entusiasmo e curiosidade, conseguindo resultados que favoreceram aos alunos, uma mudança de atitude e perspectiva em relação ao estudo de biologia vegetal.

 

 


Keywords


Terrário, Ferramenta didática, Ensino.

References


CACHAPUZ, A.; PRAIA, J.; JORGE, M. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: Um repensar epistemológico. Ciência & Educação, 2004.

CAPRA, F. Meio ambiente no século 21: 21 especialista falam de questão ambiental nas suas áreas de conhecimento. 5º. Ed. Campinas: armazém do ipê (autores associados), 2008.

COLLETTI, M. Terrários: Como criar, plantar e manter belos jardins em vidros. São Paulo: Publifolha, 2017.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, Coleção Docência em formação, 2002.

GEHLEN, S. T.; MALDANER, O. A.; DELIZOICOV, D. Momentos pedagógicos e as etapas da situação de estudo: Complementaridades e contribuições para a educação em ciências. Ciência & Educação, Bauru, 2012.

KRASILCHIK, M. Pratica de ensino de biologia. 4. ed., SP: EDUSP, São Paulo, 2008.

MAGALHÃES, V. A. EXPERIMENTAÇÃO: A construção de terrários como atividade prática investigativa no ensino de ciências da natureza. Cruzeiro do Oeste,2016.

MARTINS-DA-SILVA, R. C. V.; SILVA, A. S. L.; FERNANDES, M. M.; MARGALHO, L. F. Noções morfológicas e taxonômicas para identificação botânica. Embrapa, Brasília, DF, 2014.

MATTA, I. Aprender vivendo: As experiências de vida no desenvolvimento e na aprendizagem. Anais Psicológica, Lisboa, 2004.

MORAN, J. M. Mudar a Forma de Ensinar e de Aprender. Revista Interações, São Paulo, 2000.

MOURA, L. N.; SENRA, R. E. F.; LUCENA, I. C.; GEISON, J. M. O terrário como temática no ensino de ciências na educação do campo. REMOA, Santa Maria, 2015.

PACHECO, J. B.; BRANDÃO, J. C. M.; LOUZADA, C. O.; BRANDÃO, C. A. P.; BULCÃO, G. V.; SANTOS, A. N. A.; BRANDÃO, C. S.; FIGUEIREDO, E. F.; CURSINO, W. S.; BRITO, E.P. Terrário: Uma metodologia que interdisciplina a geografia com outros componentes curriculares na educação básica. In: XI Congreso Iberoamericano de Extensión Universitaria, Santa fé, 2011.

RAMOS, L. B. C.; ROSA, P. R. S. O ensino de ciências: fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, [S.l.], 2008.

RAVEN, P. H.; EVERT, R. F.; EICHHORN, S. E. Biologia Vegetal. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

SALATINO, A. BUCKERIDGE, M. Mas de que te serve saber botânica. Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

SAWITZKI, M. C.; PEREIRA, A. P. A construção de um terrário como recurso à interdisciplinaridade no ensino de ciências: uma proposta fundamentada nos momentos pedagógicos e na situação de estudo. In: IX ENPEC, Águas de Lindóia, 2013.

THIESEN, J. S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, 2008.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. 2º ed., São Paulo: Martins fontes, 2004.

WANDERSEE, J. H.; SCHUSSLER, E. E. Toward a theory of plant blindness. Plant

Science Bulletin, [S.l.] , 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-531

Refbacks

  • There are currently no refbacks.