Assistência de enfermagem no processo de imunização: revisão da literatura / Nursing care in the immunization process: literature review

Grazielly Caldeira de Abreu Oliveira, Cátia Imperador, Anna Rebeka Oliveira Ferreira, Wanderson Rocha Oliveira, Camila Wohlenberg Camparoto, Waylla Albuquerque de Jesus, Reginéa de Souza Machado, Marcio Fraiberg Machado

Abstract


No ano de 2016 foi registrado a pior taxa de imunização dos últimos dozes anos; 84% no total, contra meta de 95% recomentada pela Organização Mundial de Saúde, que contribui para o aumento da mortalidade e o ressurgimento de doenças erradicas. O objetivo deste estudo é analisar a produção científica com relação a assistência de enfermagem no processo de imunização. Esta é uma pesquisa de revisão bibliográfica, realizada com artigos encontrados nas bases de dados Biblioteca Eletrônica Cientifica Online (SCIELO) e Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), publicados em português, no período de 2008 a 2018 com as seguintes palavras chaves: imunização, enfermagem e cuidados. Foram selecionados treze artigos e agrupados em duas categorias, a fim de facilitar a compreensão do tema. Os resultados mostram que a enfermagem é a profissão mais envolvida no processo de imunização, realizando o armazenamento e conservação dos imunobiológicos e orientando o paciente quanto aos efeitos adversos. Sendo responsabilidade do enfermeiro orientar, avaliar e capacitar a equipe para que o processo de imunização se torne claro e aceitável ao paciente. O processo de vacinação é essencial para o desenvolvimento da humanidade, tornando de suma importância a execução correta do papel do enfermeiro, de forma, que o mesmo precisa possuir o embasamento técnico-cientifico para a realização dessa assistência com qualidade.


Keywords


Imunização, Enfermagem, Cuidados.

References


BALLALI I, BRAVO F. Imunização: Tudo o que você sempre quis saber. Rio de Janeiro: RMCOM.2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coberturas Vacinais no Brasil. Período: 2010-2014. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: https://www.siteal.iiep.unesco.org/sites/default/f iles/sit_accion_files/br_5113.pdf

BRASIL. Ministério da saúde. Manual de normas e procedimentos para vacinação. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes /manual_procedimentos_vacinacao.pdf

CABRAL IC, et al. Conhecimento de mães de crianças com câncer sobre vacinação especial. Rev. enferm. UERJ, 2011; 19(4): 552-557. Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/bra sil/resource/pt/lil-645054.

CABRERA EMS, MEREGE CEDS. Inquérito vacinal de alunos da graduação em medicina e enfermagem da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (SP, Brasil) nos anos de 2006 e 2007 e suas possíveis implicações na atuação discente. Ciência & Saúde Coletiva, 2011; 16 (1): 547-552. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S 1413-81232011000200018.

CARVALHO IVRL, et al. Conhecimento das Mães a Respeito das Vacinas Administradas no Primeiro Ano de Vida. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, 2016; 19(3): 205-210. Disponível em: DOI:10.4034/RBCS.2015.19.03.06.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Resolução Nº 302 de 16 de março de 2005: aborda a responsabilidade técnica do enfermeiro. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Enfermagem, 2005

COSTA NMN, LEÃO AMM. Casos notificados de eventos adversos pós-vacinação: contribuição para o cuidar em enfermagem. Revista Enfermagem UERJ, 2015; 23(3): 297-303. Disponível em: https://doi.org/10.12957/reuerj.2015.14850.

DE ARAÚJO TME, et al. Cobertura vacinal e fatores relacionados à vacinação dos adolescentes residentes na área norte de Teresina/PI. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2010; 12(3): p. 502-10. Disponível em: https://doi.org/10.5216/ree.v12i3.6934.

DEMIRIS G, OLIVER DP, WASHINGTON KT. Defining and Analyzing the Problem. Behavioral Intervention Research in Hospice and Palliative Care, p. 27-39, 2019.

DE OLIVEIRA VC, et al. Educação para o trabalho em sala de vacina: percepção dos profissionais de enfermagem. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 2016; 6 (3): 2331-2341. Disponível em: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v6i3.1180.

FORTES MRS. Enfermagem na promoção dos cuidados primários na saúde pública. São Paulo: Everest Editora, 2002.

LINHEIRA-BISETTO LH, et al. Ocorrência de eventos adversos pós-vacinação em idosos. Cogitare Enfermagem, 2016; 21(4): 1-10. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo .oa?id=483653833003.

LUNA GLM, et al. Aspectos relacionados à administração e conservação de vacinas em centros de saúde no Nordeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 2011; 16(1): 513-521. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000200014.

NEVES NB, et al. A atuação da equipe de enfermagem na vacina do idoso institucionalizado: o caso de um município da região do vale do aço. Revista Mineira de Enfermagem, 2009; 13(3): 416-422. Disponível em: DOI: http://www.dx.doi.org/S1415-27622009000300014.

Nóvoa TDA, et al. Cobertura vacinal do programa nacional de imunizações (PNI). Brazilian Journal of Health Review, 2020; 3(4): 7863-7873. Disponível em: https://doi.org/10.3411 9/bjhrv3n4-053

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS – Brasil). Dados preliminares da OMS apontam que casos de sarampo em 2019 quase triplicaram em relação ao ano passado, 2019. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6006:dados -preliminares-da-oms-apontam-que-casos-de-sarampo-em-2019-quase-triplicaram-em-relacao-ao-ano-passado&Itemid=820

PEREIRA DR, et al. Cobertura vacinal em crianças de 12 a 23 meses de idade: estudo exploratório tipo Survey. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2009; 11(2): 360-367. Disponível em: https://doi.org/10.5216/ree.v11.47017.

QUEIROZ SA, et al. Atuação da equipe de enfermagem na sala de vacinação e suas condições de funcionamento. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 2009; 10(4): 126-135. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/4537/1/2009_art_ncoliveira.pdf.

SANTOS PR, et al. Enfermagem e atenção à saúde do trabalhador: a experiência da ação de imunização na Fiocruz/Manguinhos. Ciência & Saúde Coletiva, 2011; 16(1): 553-565. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000200019.

SILVA TASM, CARREIROI MA. Diagnóstico situacional do preparo e administração de imunobiológicos. Rev. enferm. UERJ, 2012; 20(4): 451-456. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/4767.

ZORZETTO R. As razões da queda na vacina. Revista pesquisa FAPESP, 2018; 19(270): 19-24. Disponível em: http://revistapesquisa.fapesp.br/2018/10/26/as-razoes-da-queda-na-vacinac ao-2/.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-499

Refbacks

  • There are currently no refbacks.