A sala de aula de invertida como espaço de construção do conhecimento científico no ensino médio integrado / Inverted classroom as a space for building scientific knowledge in integrated secondary education

Fábio Alexandre Araújo dos Santos, Hildenir Lima de Freitas, Itala Kelley Melo Napoliao Gurgel, Maria Neide de Moura Targino, Samuel de Carvalho Lima

Abstract


O objetivo, artigo é discutir o uso da sala de aula invertida como uma ferramenta para a educação científica dos alunos de curso técnico de nível médio integrado. Fundamenta-se na concepção da sala de aula invertida como uma metodologia ativa a serviço da aprendizagem, relacionando-a com o uso das tecnologias enquanto instrumentos de mediação pedagógica e com a pesquisa no cotidiano escolar. Metodologicamente, intelectual-se uma pesquisa bibliográfica acerca da importância do trabalho científico, no sentido de provocar uma reflexão sobre o significado da pesquisa no Ensino Médio Integrado, compreendendo em que medida a sala de aula invertida contribui para a construção do conhecimento científico. A reflexão evidencia a sala de aula invertida como uma ferramenta de aprendizagem, especialmente se o professor for capaz de criar um ambiente favorável, em que haja participação e participação dos alunos. Conclui-se que cabe ao professor instigar a curiosidade dos alunos, adotando, para isso, uma disposição flexível que compreende as diversas formas de aprender de seus alunos, valorizando as escolhas pessoais, para que as pesquisas possam ocupar seu lugar como fonte de conhecimento significativo.

 


Keywords


Sala de aula invertida, Educação Científica, Ensino Médio Integrado.

References


BAGNO, Marcos. Pesquisa na escola: o que é como se faz. 22 ed., São Paulo: Edições Loyola, 1998.

BARBOSA, Cláudia Maria A.M. A aprendizagem mediada por TIC: interação e cognição em perspectiva. Associação Brasileira de Educação à Distância 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 abr 2019.

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011. Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/10326>. Acesso em: 18 abr. 2019.

BERNÁRDEZ, Paula R. A.; MONEREO, Carles. A avaliação das competências por meio das ferramentas digitais. Pátio Ensino Médio. Ano 6, nº 23. Dez/2014/fev2015.

CCL PROJECT. CCL Guide: learning story flipped classroom. Braga: Universidade do Minho, 2013. Disponível em:

DEMO, Pedro. Educação Científica. B. Téc. Senac: a R. Educ. Prof., Rio de Janeiro, v. 36, n.1, jan./abr. 2010.

DEL PINO, José Claudio; STRACK, Ricardo. O desafio da cientificidade na sala de aula. Revista Pátio: Ensino Médio Profissional e Tecnológico. Porto Alegre. Ano IV. Nº 12. P. 10-13. Março/Maio, 2012.

JOYE, Cassandra Ribeiro. Teorias da aprendizagem da juventude e da idade adulta. Fortaleza: SETEC/IFCE, 2013.

MARANGON, Cristiane. Aprendizes de pesquisadores. Revista Pátio: Ensino Médio Profissional e Tecnológico. Porto Alegre. Ano IV. Nº 12. P. 38-41. Março/Maio, 2012.

MELO, Alessandro de. Epistemologia: construção do conhecimento. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2012.

MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias. Informática na Educação: Teoria & Prática. V.3 nº 1, setembro, 2000. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/InfEducTeoriaPratica/article/view/6474/3862 >. Acesso em: 13 abr 2019.

PORTILHO, Evelise Maria Labatut; ALMEIDA, Siderly do Carmo Dahle. Avaliando a aprendizagem e o ensino com pesquisa no Ensino Médio. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 16, n. 60, p. 469-488, jul./set. 2008.

MORALES, O. E. T. (Org.). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens, v. 2. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. (Coleção Mídias Contemporâneas). Disponível em: < http://www.youblisher.com/p/1121724-Colecao-Midias-Contemporaneas-Convergencias-Midiaticas-Educacao-e-Cidadania-aproximacoes-jovens-Volume-II/ >. Acesso em: 18 abr. 2019.

MORAN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A.; TORRES-MORALES, O. E. (Orgs.). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: UEPG, 2015. (Mídias Contemporâneas, v. 2). p. 15-33. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2019

MORAN, J. M. Nova personalidade. Entrevista concedida a Olivia Meireles. Correio Braziliense, Brasília, 25 out. 2014. Disponível em:

PINTO, Antonio Sávio da Silva. et al. O Laboratório de Metodologias Inovadoras e sua pesquisa sobre o uso de metodologias ativas pelos cursos de licenciatura do UNISAL, Lorena: estendendo o conhecimento para além da sala de aula. Revista de Ciências da Educação, São Paulo, v. 2, n. 29, p. 67-79, jun./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 abr 2019.

POZO, Juan Ignacio; ALDAMA, Carlos de. A mudança nas formas de ensinar e aprender na Era Digital. Pátio Ensino Médio. Ano 5, nº 19. Dez/2013/fev2014.

RIBEIRO, Thiago V.; GENOVESE, Luiz G. R; COLHERINHAS, Guilherme. O Ensino por pesquisa no Ensino Médio: Discussão de questões CTSA em uma alfabetização Científico-Tecnológica. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0610-1.pdf. Acesso em 03 de abril de 2019.

RAMAL, Andrea. É hora de dar um reset no Ensino Médio. Pátio Ensino Médio. Ano 5, nº 19. Dez/2013/fev2014.

SCHNEIDER, Elton Ivan et. al. Sala de aula invertida em EAD: uma proposta de Blended Learning. Revista Intersaberes. Vol.8, n.16, p.68-81. Jul-dez/ 2013. Disponível em:< https://www.uninter.com/intersaberes/index.php/revista/article/view/499/316 >. Acesso em: 13 abr 2019.

SCHNEIDERS, Luís Antônio. O método da sala de aula invertida (flipped classroom). 1, ed. Lajeado: Univates, 2018. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2019.

SCHMITZ, Elieser Xisto da Silva. Sala de Aula Invertida: uma abordagem para combinar metodologias ativas e engajar alunos no processo de ensino-aprendizagem. 2016. Dissertação (Mestrado em Tecnologias Educacionais em Rede) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2019

STAKER, Heather; HORN, Michael B. Classifying K-12 blended learning. Mountain View: Innosight Institute, 2012. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2019.

VALENTE, José Armando; ALMEIDA, Maria Elizabeth B. de; GERALDINI, Alexandra F. S. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, vol. 17, núm. 52, octubre-diciembre, 2017, pp. 455-478.Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Paraná, Brasil. Disponível em: < http:// www.redalyc.org/pdf/1891/189154955008.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2019.

VALENTE, José Armando. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, n. 4, 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000800079&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 19 abr. 2019.

TAJRA, Sanmya Feitosa. Informática na Educação: novas ferramentas pedagógicas para o professor na atualidade. 8.ed.rev. e ampl. São Paulo: Érica, 2008.

TARNOPOLSKY, Oleg. Constructivist blended learning approach to teaching english for specific purposes. Berlin: De Gruyter Open, 2012. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-490

Refbacks

  • There are currently no refbacks.