Fatores que influenciam as escolhas alimentares entre adolescentes: sob a lente teórica do materialismo histórico dialético/ Factors that influence food choices among adolescescents: under the theoretical lens of historical materialism dialectic

Vanessa Barros Pinho, Álvaro Itaúna Schalcher Pereira, Francisco Adelton Alves Ribeiro, Perla Almeida Rodrigues Freire

Abstract


As recomendações nutricionais para uma alimentação saudável propostas por instituições nacionais e internacionais de pesquisa e pela Organização Mundial de Saúde aconselham uma ingestão diária de pelo menos 400g de frutas, verduras e legumes, o que equivale a cinco porções por dia (cada uma contendo 80g). De preferência, pelo menos duas porções de frutas e três porções de vegetais ao dia. Sabe-se que uma alimentação baseada em uma maior quantidade de ingestão desses alimentos tem efeitos positivos na prevenção das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) e obesidade. Entretanto, observa-se, em geral, em diversos estudos, um baixo consumo desses alimentos entre os adolescentes. Nesse sentido, são fortemente estimuladas ações de estratégias para desenvolver intervenções de promoção de consumo de frutas, verduras e legumes, tornando-se mais eficiente o seu consumo entre crianças e adolescentes quando se compreendem os fatores que influenciam as escolhas alimentares. Assim posto, o presente texto faz parte de uma pesquisa em curso sobre práticas e percepções do consumo de frutas, verduras e legumes, tendo por objetivo identificar os principais fatores sociais e históricos que interferem de forma decisiva nas escolhas alimentares. Assim, o presente estudo verificou por meio de revisão de literatura, na esteira do materialismo histórico dialético, quais são os fatores determinantes que influenciam nas escolhas alimentares de adolescentes no consumo de frutas, verduras e legumes na contemporaneidade. Desse modo, os resultados indicaram um considerável consumo de alimentos que não promovem a saúde entre adolescentes, e identificamos que os fatores associados às escolhas alimentares são determinados de acordo com a organização social da sociedade capitalista. As mudanças no padrão alimentar ocorrido nas últimas décadas fazem parte da estrutura e funcionamento da sociedade capitalista na qual o consumo é mais importante do que qualquer coisa, pois será o consumo exacerbado que promoverá mais lucro como meta final do trabalho humano. Nesse sentido, precisamos traçar novas estratégias sociais e políticas públicas que visem a conscientizar e amenizar os problemas de saúde

Keywords


Preferências alimentares, Ingestão de frutas, verduras e legumes, Hábitos alimentares na adolescência.

Full Text:

PDF

References


BANDONI, D. H. et al. Eating out or in from home: analyzing the quality of meal according eating locations. Revista de Nutrição. Campinas, v. 26, n. 6, p. 625-632, 2013.

BATISTA FILHO, Malaquias; RISSIN, Anete. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cadernos de SaúdePública, v. 19, n. Supl1, p. 181-191, 2003.

BLANCHETTE, Lyne; BRUG, Johannes.Determinantsoffruitandvegetableconsumptionamong 6–12‐year‐old childrenandeffectiveinterventionstoincreaseconsumption.Journalofhumannutritionanddietetics, v. 18, n. 6, p. 431-443, 2005.

BLEIL, Susana Inez. O padrão alimentar ocidental: considerações sobre a mudança de hábitos no Brasil. Cadernos de Debate, v. 6, n. 1, p. 1-25, 1998.

BRAGA, Vivian. Cultura alimentar: contribuições da antropologia da alimentação.Saúde em revista, v. 6, n. 13, p. 37-44, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica: carências de micronutrientes, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília [DF]: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. Ministério da Saúde, 2014.

CASOTTI, Leticia et al. Consumo de alimentos e nutrição: dificuldades práticas e teóricas.Cadernos de debate, v. 6, p. 26-39, 1998.

CASTRO, Josué de. Geografia da Fome. 5.ed., São Paulo: Ed. Brasiliense, 1957.

CAVALCANTI, Ana Paula Rodrigues; DIAS, Mardonio Rique; COSTA, Maria José de Carvalho. Psicologia e nutrição: predizendo a intenção comportamental de aderir a dietas de redução de peso entre obesos de baixa renda.Estudos de Psicologia, Natal, v. 10, n. 1, p. 121-129, 2005.

CHIAVENATO, Júlio José. O Massacre da Natureza. 2.ed., São Paulo: Ed. Moderna, 2005.

CORREIA, P. et al. Obesidade e excesso de peso: caracterização de uma população escolar do conselho de Lisboa. Acta Pediatr. Port, v. 35, n. 5, p. 407-10, 2004.

COON, K. A; TUCKER, K. L. Televisão e padrões de consumo infantil. Minerva Pediatr, v. 54, n. 5, p. 423-36, 2002.

DA CONCEIÇÃO SANTOS, Cíntia et al. A influência da televisão nos hábitos, costumes e comportamento alimentar.Cogitare Enfermagem, v. 17, n. 1, 2012.

DA SILVA, JulyanaGall; DE OLIVEIRA TEIXEIRA, Maria Luiza; DE ASSUNÇÃO FERREIRA, Márcia. Alimentação na adolescência e as relações com a saúde do adolescente. Texto & Contexto Enfermagem, v. 23, n. 4, p. 1095-1103, 2014.

DE GARINE, Igor. Los aspectos sócioculturales de La nutrición. In:Alimentación y cultura:necesidades, gustos y costumbres. Servicio de Publicaciones, 1995. p. 129-170.

DAUCHET, Luc et al. Fruitandvegetableconsumptionandriskofcoronaryheartdisease: a meta-analysisofcohortstudies. The Journalofnutrition, v. 136, n. 10, p. 2588-2593, 2006.

EERTMANS, Audrey; BAEYENS, Frank; VAN DEN BERGH, Omer. Foodlikesandtheirrelativeimportance in humaneatingbehavior: reviewandpreliminarysuggestions for healthpromotion.Health educationresearch, v. 16, n. 4, p. 443-456, 2001.

ESTIMA, Camilla de ChermontPróchnik. Por que os adolecentes comem o que comem? Determinantes do consumo alimentar. 2012. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FALK, Laura Winter et al. Gerenciando uma alimentação saudável: definições, classificações e estratégias. Educação e comportamento em saúde, v. 28, n. 4, p. 425-439, 2001.

FERREIRA, A. B. de H.; ANJOS, Margarida.Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 1986.

FURST, Taniset al. Foodchoice: a conceptual modelotheprocess.Appetite, v. 26, n. 3, p. 247-266, 1996.

GARCIA, Giorgia Christina Barbosa; GAMBARDELLA, Ana Maria Dianezi; FRUTUOSO, Maria Fernanda Petrole. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes de um centro de juventude da cidade de São Paulo.Revista de Nutrição, v. 16, n. 1, p. 41-50, 2003.

GOLAN, Moria; CROW, Scott. Parents are key players in thepreventionandtreatment of weight-related problems. Nutritionreviews, v. 62, n. 1, p. 39-50, 2004.

GORGULHO, Bartira Mendes; FISBERG, Regina Mara; MARCHIONI, Dirce Maria Lobo. Nutritional quality of major meals consumed away from home in Brazil and its association with the overall diet quality. Preventive medicine, v. 57, n. 2, p. 98-101, 2013.

HENDY, Helen M.; WILLIAMS, Keith E.; CAMISE, Thomas S. “KidsChoice” schoollunchprogramincreaseschildren'sfruitandvegetableacceptance.Appetite, v. 45, n. 3, p. 250-263, 2005.

HOLM‐DENOMA, J. M. et al. Parents' reportsofthebodyshapeand feed in gabitsof 36‐ month‐oldchildren: Aninvestigationofgenderdifferences. InternationalJournalofEatingDisorders, v. 38, n. 3, p. 228-235, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011. Disponívelem:http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2008_ 2009_analise_consumo/pofanalise_2008_2009.pdf. Acesso em: 20 nov. 2020.

IBGE.Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

JOMORI, Manuela Mika; PROENÇA, Rossana Pacheco da Costa; CALVO, Maria Cristina Marino. Determinantes de escolha alimentar. Revista de Nutrição, v. 21, n. 1, p. 63-73, 2008.

KNAI, Cécileet al. Gettingchildrentoeat more fruitandvegetables: a systematiccreview. Preventivemedicine, v. 42, n. 2, p. 85-95, 2006.

LEONTIEV, Alexei Nicolaevich. O desenvolvimento do psiquismo. 2. Ed. São Paulo: Centauro, 2004.

LEVY-COSTA, Renata Bertazziet al. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Revista de Saúde Pública, v. 39, p. 530-540, 2005.

LEVY, Renata Bertazziet al. Consumo e comportamento alimentar entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2009. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 3085-3097, 2010.

LOPES, Patrícia Carriel Silvério; PRADO, Sônia Regina Leite de Almeida; COLOMBO, Patrícia. Fatores de risco associados à obesidade e sobrepeso em crianças em idade escolar.Revista brasileira de enfermagem, v. 63, n. 1, p. 73-78, 2010.

LOUZADA, Maria Laura da Costa et al. Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Revista de Saúde Pública, v. 49, 2015.

MAESTRO, V.; SILVA, M. V. A participação dos alimentos industrializados na dieta de alunos de escolas públicas brasileiras.Cadernos de debates, v. 11, p. 98-111, 2004.

MARTINS, Ana Paula Bortolettoet al. Increasedcontributionofultra-processedfoodproducts in theBrazilian diet (1987-2009). Revista de saúde publica, v. 47, p. 656-665, 2013.

MAY, A. L. et al. Parent–adolescentrelationshipsandthedevelopmentfweightconcernsfromearlyto late adolescence.InternationalJournalofEatingDisorders, v. 39, n. 8, p. 729-740, 2006.

MONTEIRO, C. A.et al.A new classificationoffoodsbasedontheextentandpurposeoftheirprocessing. Cadernos de Saúde Pública, v. 26, p. 2039-2049, 2010.

MONTEIRO, Jacqueline Pontes; CAMELO JÚNIOR, José Simon; VANNUCCHI, Helio. Caminhos da Nutrição e Terapia Nutricional: da concepção à adolescência, 2007.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica. São Paulo: Cortez, p. 71-122, 2006.

NEUMARK-SZTAINER, D. et al. Factorsinfluencingfoodchoicesofadolescents: findingsfromfocus-groupdiscussionswithadolescents. Journalofthe American dieteticassociation, v. 99, n. 8, p. 929-937, 1999.

O'DONNELL, Sharon I. et al. Nutrient quality of fast food kids meals. The American journalofclinicalnutrition, v. 88, n. 5, p. 1388-1395, 2008.

PAYAB, Moloudet al. Associação do consumo de junkfood com pressão alta e obesidade em crianças e adolescentes iranianos: o estudo CASPIAN-IV. Jornal de pediatria, v. 91, n. 2, p. 196-205, 2015.

POLLAN, M. O. Dilema do Onívoro: uma história natural de quatro refeições. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2007.

PRYNNE, Celia J. et al. Fruitandvegetable in takesandbone mineral status: a cross-sectionalstudy in 5 age and sex cohorts. The American jornal ofclinicalnutrition, v. 83, n. 6, p. 1420-1428, 2006.

RAMALHO, Alanderson Alves; DALAMARIA, Tatiane; SOUZA, OrivaldoFlorencio de. Consumo regular de frutas e hortaliças por estudantes universitários em Rio Branco, Acre, Brasil: prevalência e fatores associados. Cadernos de SaúdePública, v. 28, p. 1405-1413, 2012.

SANTOS, Graziela Maria GorlaCampiolo dos et al. Barreiras percebidas para o consumo de frutas e de verduras ou legumes em adultos brasileiros.Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 2461-2470, 2019.

SANTOS, Victor Hugo Araújo; DO NASCIMENTO, Wellington Ferreira; LIBERALI, Rafaela. O treinamento de resistência muscular localizada como intervenção no emagrecimento. RBONE-Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, v. 2, n. 7, 2008.

SCHMIDT, Maria Inês et al. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet, v. 377, n. 9781, p. 1949-1961, 2011.

SILVA, Adelina L.; PEREIRA, Claudia M. Aprender a ser saudável: um desafio à autorregulação dos comportamentos de saúde.Veiga Simão, AMV; Frison, LMB; Abrahão, MHMB Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas: epistemologia e práticas.Natal: EDUFRN, p. 287-320, 2012.

SINGH, Meharban. Role ofmicronutrients for physicalgrowthand mental development.The Indianjournalofpediatrics, v. 71, n. 1, p. 59-62, 2004.

SIMONCIN, João Batista Villas Boas; DE OLIVEIRA MAIA, Haline Aparecida; MAZETTO, Francisco de Assis Penteado. Fome oculta. Revista de Geografia-PPGEO-UFJF, v. 1, n. 1, 2011.

SLOANE, D. C. et al. Melhorar o ambiente de recursos nutricionais para uma vida saudável por meio de pesquisa participativa baseada na comunidade. Journalof General Internal Medicine, v. 18, n.7, p. 568-575, 2003.

SOUZA, Sergio de. Por que a Junkfood realmente vicia. Hypescience, 6 de jul. de 2009. Disponível em: https://hypescience.com/17986-junk-food-realmente-vicia/. Acesso em: 23 de Nov. de 2020.

TEO, C. R. P. A. et al. Atitude e prática no consumo de frutas e hortaliças entre adolescentes em vulnerabilidade social. Scientiamedica, v. 24, n. 3, p. 237-244, 2014.

TORAL, Natacha et al. Comportamento alimentar de adolescentes em relação ao consumo de frutas e verduras.RevNutr, v. 19, n. 3, p. 331-40, 2006.

TORAL, Natacha; CONTI, Maria Aparecida; SLATER, Betzabeth. A alimentação saudável na ótica dos adolescentes: percepções e barreiras à sua implementação e características esperadas em materiais educativos. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 11, p. 2386-2394, 2009.

VALENTE, F.L.S. Do combate à fome à Segurança Alimentar e Nutricional: o Direito Humano à Alimentação Adequada. In: Direito Humano à Alimentação Adequada: desafios e conquistas. São Paulo: Cortez Editora, 2002; p.40-43.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. A formação social da mente. Tradução de José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. 1998.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases: report of a joint WHO/FAO expert consultation. Geneva: WHO; 2003.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Prevenção de doenças crônicas: um investimento vital.Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005a.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION.Fruit and vegetables for health: report of the Joint FAO. 2005b.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-487

Refbacks

  • There are currently no refbacks.