Reestruturação curricular com base em competências: vivências iniciais em um curso de Engenharia/ Competence-based curriculum restructuring: initial experiences in an Engineering course

Carolina Castilho Garcia, Daiane Cristina Lenhard, Elciane Regina Zanatta, Fábio Avelino Bublitz Ferreira, Ilton José Baraldi

Abstract


O presente trabalho tem como objetivo apresentar as experiências de cinco professores da Universidade Tecnológica Federal do Paraná nas etapas iniciais da construção do currículo baseado em competências para o curso de Engenharia de Alimentos do Câmpus Medianeira. Nessa vivência inicial, trabalhando com oito competências e sessenta e cinco elementos de competência a serem mapeados ao longo do curso, verificou-se a necessidade de aninhar/agrupar competências e elementos de competências, pois, além do sombreamento existente, seu número excessivo resultaria no aumento da carga horária do curso. Também foi constatada a necessidade de inserção de disciplinas da área de humanidades. Por fim, optou-se por trabalhar com seis competências com, no máximo, seis elementos de competência cada.


Keywords


Autonomia,Protagonismo, Motivação para Aprendizagem.

References


Anderson, L. W. & Krathwohl, D. R. (2001). A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revison of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Addison Wesley Longman.

Andrade, J. P. & Sartori, J. (2018). O professor autor e experiências significativas na educação do século XXI: estratégias ativas baseadas na metodologia da contextualização da aprendizagem. In L. Bacich & J. Morán (Eds.), Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática [recurso eletrônico] (pp. 4610-5222). Penso.

BRASIL (2019). Resolução n°2 de 24 de abril de 2019. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior. http://abmes.org.br/arquivos/legislacoes/Resolucao-CNE-CES-002-2019-04-24.pdf

BRASIL (2019a). Parecer CNE/CES n° 1 de 23 de abril 2019. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=109871-pces001-19-1&category_slug=marco-2019-pdf&Itemid=30192

Carvalho, L. de A. & Tonini, A. M. (2017). Uma análise comparativa entre as competências requeridas na atuação profissional do engenheiro contemporâneo e aquelas previstas nas diretrizes curriculares nacionais dos cursos de Engenharia. Gestão da Produção, 24(4), 829-841.

CFQ (2014). Resolução Normativa n° 257 de 29 de outubro de 2014. Conselho Federal de Química. http://cfq.org.br/wp-content/uploads/2018/12/Resolu%C3%A7%C3%A3o-Normativa-n%C2%BA-257-de-29-de-outubro-de-2014.pdf

CONFEA (1973). Resolução n° 218 de 29 de junho de 1973. Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. https://normativos.confea.org.br/downloads/0218-73.pdf

Grave, M. T. Q., Saldanha, O. M. de F. L., Koetz, L. C. E., Rosa, L. de R., Nunes, M. T. & Dhein, G. (2019). Currículo integrado em saúde: construção coletiva a partir de fóruns de qualificação docente. Brazilian Journal of Development, 5(2), 996-1009.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Superior 2018. Brasília: INEP, 2019. http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior

Lima, V.V., Komatsu, R.S., & Padilha, R.Q. (2003). Desafios ao desenvolvimento de um currículo inovador: a experiência da Faculdade de Medicina de Marília. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 7(12), 175-84.

Morán, J. (2015). Mudando a educação com metodologias ativas. In C. A. de Souza & O. E.T. Morales (Orgs.) Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. (v.II, pp. 15-33). PG: Foca Foto-PROEX/UEPG.

Nose, M. M. & Rebelatto, D. A. do N. (2001). O perfil do engenheiro segundo as empresas. Anais do XXIX COBENGE. Porto Alegre, Brasil, DTC-25-DTC-30.

OECD (2014), PISA 2012 Results: Creative Problem Solving: Students’ Skills in Tackling Real-Life Problems (Volume V), PISA, OECD Publishing. http://www. oecd.org/pisa/keyfindings/pisa-2012-results-overview.pdf

Pandoja, L.M. (2012) ¿Evaluación en competencias? Estudios Pedagógicos, XXXVIII(1), 353-366.

Pinheiro, A.C. da F.B. & Burini, E.R.V. (2006). Curso de Engenharia por Competências – Uma Proposta Pedagógica para Ambientes Globalizados. Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo, Brasil, 1.56-1.65.

Prince, M. (2004). Does Active Learning Work? A Review of the Research. Journal of Engineering Education, 93(3), 223-231, 2004.

PUC-PR (2019). Plano de Desenvolvimento da Graduação, PUC/Paraná. https://www.pucpr.br/estatico/pdg/#!/profissionais-competentes.

Santos, F.C.A. (2003). Potencialidades de mudanças na graduação em Engenharia de Produção geradas pelas diretrizes curriculares. Revista Produção, 13(1), 26-39.

Sena, T. V. (2019). Gamificação: estratégia de ensino e aprendizagem em currículo por competências. Ensinarmode, 3(2), 025 – 040.

Souza, Z. R. & Biella, J. (2010). Currículo Baseado em Competências. Projeto SESI – Curso Currículo Contextualizado. http://lagarto.ufs.br/uploads/content_attach/path/11338/curriculo_baseado_em_competencias_0.pdf

Taille, Y. de L., Oliveira, M. K. de & Dantas, H. (1992). Piaget, Vygotsky e Wallon, Teorias psicogenéticas em discussão. Summus.

UTFPR (2108). Resolução nº 90/2018 – COGEP. Diretrizes Curriculares dos Curso de Graduação Regulares da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. http://portal.utfpr.edu.br/documentos/conselhos/cogep/resolucoes/resolucoes-2018/resolucao-no-90-2018-cogep-diretrizes-para-os-cursos-de-graduacao-regulares-da-utfpr.pdf

UTFPR-MD (2019). Bacharelado em Engenharia de Alimentos. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Medianeira. http://portal.utfpr.edu.br/cursos/coordenacoes/graduacao/medianeira/md-engenharia-de-alimentos/documentos/ppc-engenharia-de-alimentos-md-junho-2016.pdf/view.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-484

Refbacks

  • There are currently no refbacks.