A instrumentalização do estado em favor do mercado na produção do espaço urbano: do planejamento estratégico ao “modelo Odebrecht” de inserção nas operações urbanas consorciadas, Rio de Janeiro – Salvador / The instrumentalisation of the state in favor of the market in the production of the urban space: from strategic planning to the "Odebrecht model" of insertion in the consortium urban operations, Rio de Janeiro - Salvador

Piero Carapiá Lima Baptista

Abstract


O imbricamento entre o Estado e as empresas privadas é um fato bastante conhecido no Brasil, chegando mesmo às vias do fisiologismo. Entende-se que não se trata mais de um desvio de percurso, derivada da insuficiência de ferramentas anticorrupção; tem em verdade definido o mais recente modelo de produção do espaço urbano brasileiro. Assim, este trabalho propõe apresentar como o Estado adapta-se em favor dos interesses do mercado nesta produção, processo próprio ao capitalismo e que no Brasil estaria tomando forma por meio de um “modelo Odebrecht” de captura, planejamento, prática, gestão e inserção na coisa pública. Este processo será retratado na forma proativa, mas nem sempre explicita, em que a empreiteira se inseriu na recente criação de Operações Urbanas Consorciadas no Rio de Janeiro e em Salvador.

Keywords


produção do espaço urbano no Brasil; modelo Odebrecht; Operações Urbanas Consorciadas

References


A FALÁCIA do Porto Maravilha: PPPs, CEPACs e o ônus para o poder público. Observatório das Metrópoles, 30 mar. 2017. Disponível em: , acesso:17 jun. 2017.

ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

ARANTES, O. Urbanismo em fim de linha; E outros estudos sobre o colapso da modernização arquitetônica. São Paulo: Edusp, 1998. 224p.

AS QUATRO irmãs. Pública - Agência de Reportagem e Jornalismo Investigativo, 30 jun. 2014. Disponível em: , acesso: 17 jun. 2017.

BAHIA. Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia - CONDER. Diretoria do Centro Antigo de Salvador - DIRCAS. Centro Antigo de Salvador; Plano de Reabilitação Participativo:Avanços. Salvador: CONDER/DIRCAS, 2014.

BAPTISTA, P. C. L. A Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 em Salvador: os possíveis impactos do megaevento, com ênfase no Centro Antigo de Salvador. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

BAPTISTA, P. C. L; HUAPAYA ESPINOZA, J. C. Beyond the Jornadas de Junho: from the street demonstrations to the voice of the multitude – reflections on political exercises in public spaces in the era of networks. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v.18-n.2, maio/agosto de 2016.

BORJA, J; CASTELLS, M. As cidades como atores políticos. Novos Estudos, CEBRAP, nº 45, jul. 1996, p. 152-166.

CHESNAIS, F. A globalização e o curso do capitalismo de fim-de-século. Economia e Sociedade, Campinas, (5): 1-30, dez. 1995.

FRESNEDA, P. S. V. Transformando organizações públicas: a tecnologia da informação como fator propulsor de mudanças. RSP, ano 49, número 1, 1998, p. 71-92. Disponível em: . Acesso: 28 abr. 2014.

GAFFNEY, C. Forjando os anéis: a paisagem imobiliária pré-olímpica no Rio de Janeiro. E-Metropolis, ano 4, número 15, dezembro 2013, p. 6-20.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005

HISSA, M; ARAUJO, C. Operações Urbanas Consorciadas no Brasil e o caso de Fortaleza. In: XVII Encontro Nacional da ANPUR. Anais ... – São Paulo, maio de 2017.

MARICATO, E. É a questão urbana, estúpido! In: MARICATO et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2013, p. 19-26.

MATIAS-PEREIRA, J. A governança corporativa aplicada no setor público brasileiro. APGS, Viçosa, v.2, n.1, pp. 109-134, jan./mar. 2010.

METADE dos estádios da Copa tem suspeitas de irregularidades, segundo delações da Odebrecht. Globo.com, 15 abr. 2017. Disponível em: , acesso: 16 jun. 2017.

OLIVEIRA, N. G. O Poder dos Jogos e os Jogos de Poder: os interesses em campo na produção de uma cidade para o espetáculo esportivo. Tese (Doutorado em Planejamento Urbano e Regional) -Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, 2012.

OSBORNE, D. & GAEBLER, T. Reinventando o Governo: Como o Espírito Empreendedor está transformando o Setor Público. Brasília, DF: Editora MH Comunicação, 1992

PEREIRA, L. C. B. Uma reforma gerencial da Administração Pública no Brasil. RSP, ano 49, n. 1, 1998, p. 5-42. Disponível:. Acesso: 28 abr. 2014.

PIQUET, R. Cidade-empresa: presença na paisagem urbana brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998. 166p.

SALVADOR, Prefeitura Municipal de. Lei nº 9.069 /2016. Dispõe sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano do Município do Salvador – PDDU 2016 e dá outras providências. Salvador: Prefeitura Municipal de Salvador, 2016. Disponível em: < http://www.sucom.ba.gov.br/wp-content/uploads/2016/07/LEI-n.-9.069-PDDU-2016.pdf>. Acesso: 28 abr. 2017.

SAMPAIO, A. H. L. 10 necessárias falas: cidade, arquitetura e urbanismo. Salvador: EDUFBA, 2010.

SANTOS, M. Ensaios sobre a Urbanização Latino-americana. São Paulo: Edusp, 2010. 200p.

TODOS os municípios com mais de 100 mil habitantes possuem Plano Diretor. Portal Federativo, 28 abr. 2016. Disponível em: . Acesso: 15 jun. 2017.

TOPALOV, C. La urbanización capitalista: algunos elementos para su analisis. México: Edicol, 1979.

VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p. 75-103.

VAINER, C. Cidade de exceção: reflexões a partir do Rio de Janeiro. Apresentação Mesa Redonda “Política Urbana / Planejamento territorial”. Anais XIV ENANPUR – Rio de Janeiro, maio de 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n5-234

Refbacks

  • There are currently no refbacks.