TMAO e a relação com doença cardiovascular: idoso e seus aspectos fisiológicos/ TMAO and the relationship with cardiovascular disease: the elderly and their physiological aspects

Raquel Santiago Hairrman, Claudia Gonçalves Gouveia, Ângela Hermínia Sichinel, Leticia Szulczewski Antunes da Silva, Thaís de Sousa da Silva Oliveira, Marcella Nogueira Farias, Munique Manuela da Silva Trindade, Natali Camposano Calças, Luciane Perez da Costa

Abstract


Introdução: O N-óxido-trimetilamina (TMAO) é uma toxina urêmica estimulada após fermentação da colina, fosfatidilcolina e L-carnitina que acorre na microbiota intestinal (MI). Os aspectos do MI no idoso, arriscam-se a estar relacionado ao processo de envelhecimento, visto que demonstra uma microbiota altamente versátil. O processo de envelhecimento, envolve retrocesso fisiológico gradual que acomete a maioria dos sistemas biológicos. Atualmente, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e infarto agudo do miocárdio (IAM), são os principais agravante da mortalidade em todo o mundo, responsável por grande parte das internações em idosos e adultos.Objetivo: o objetivo desse estudo é descrito um relacionado ao caso, em que se avaliou uma correlação entre a doença cardiovascular, uma elevada concentração de TMAO e os aspectos fisiológicos do idoso. Métodos: Foi realizado um relato de caso em que se aborda a descrição do caso e usada. Resultados e discussão: O diagnóstico nutricional apontou eutrofia, com massa muscular preservada apesar da idade, entretanto, ao avaliar CB e exame físico foi possível detectar possível perda de peso involuntária, devido ao excesso de gordura abdominal e excesso de gordura em PCT. O paciente apresenta nível baixo de TMAO na admissão hospitalar de reabilitação, porém nível elevado após o período de trinta e cinco dias de intervenção dietética.A intervenção com fibra mix (solúvel e insolúvel) não regule o TMAO na corrente sanguínea, sendo divergente a outros que afirmam que a microbiota intestinal é modulada por meio de prébioticos e consequentemente ocorre a toxinas urêmicas que elevam ou TMAO sanguíneo.


Keywords


N-óxido-trimetilamina, Microbiota intestinal do idoso, Nutrição.

References


AL-RUBAYE, Hussein et al. The Role of Microbiota in Cardiovascular Risk: Focus on Trimethylamine Oxide. he End-to-end Journal, (2018),doi:10.1016/j.cpcardiol.2018.06.005

AROVINI, Arduino; ZAMMIT, Victor A; BONOMINI, Mario. Identification of trimethylamine N-oxide (TMAO)-producer phenotype is interesting, but is it helpful?. 12 December 2018. doi:10.1136/gutjnl-2018-318000.

BRASIL. Resolução N° 599, de 25 de Fevereiro de 2018. Código de Ética e Conduta do Nutricionista. Disponível em: http://www.crn3.org.br/uploads/repositorio/2018_10_23/01.pdf. Acesso em: 04.set.2019.

BRASIL. Resolução Nº 466, de 12 de Dezembro de 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

. Acesso em: 20.ago.2019.

BROCKHURST, Michael A; KOSKELLA, Britt. Experimental coevolution of species interactions. Trends in Ecology & Evolution, v. 28, n. 6, p. 367 – 375, 2013.

CALDER, P C et al. A consideration of biomarkers to be used for evaluation of inflammation in human nutritional studies. British Journal of Nutrition, v. 109, n. 1, p. 1 – 34, jan, 2013.

CARNEIRO, Jair Almeida et al. Prevalência e fatores associados a fragilidade em idosos não institucionalizados. Revista Brasileira de Enfermagem, Montes Claros/MG, v. 69, n. 3, p. 435 – 442, mai – jun, 2016.

CONRADO, Bruna Ágata et al. Disbiose Intestinal em idosos e aplicabilidade dos probióticos e prebióticos. Cadernos UniFOA, Volta Redonda, n. 36, p. 71 - 78, abr. 2018.

CUPPARI, Lilian. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar da EPM- UNIFESP. 4.ed. Barueri: Manole, 2019. 593 p.

JIA, Qiujin et al. Endocrine organs of cardiovascular diseases: Gut microbiota. National Natural Science Foundation of China, v. 2019, n. 23, p. 2314 – 2323, set – dez, 2018.

LANDEIRO, Joana Almeida Vilão Raposo. Impacto da microbiota intestinal na saúde mental. 2016. 81f. Dissertação (Mestrado em ciências farmacêuticas) – Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz, Almada, Portugal, 2016.

MANIVA, Samia Jardelle Costa de Freitas et al. Tecnologias educativas para educação em saúde no acidente vascular cerebral: revisão integrativa. Rev Bras Enferm, v. 71, n. 4, p. 1824 – 1832, mar, 2017.

MORAES, Ana Carolina Franco et al. Microbiota intestinal e risco cardiometabólico: mecanismos e modulação dietética. Arq Bras Endocrinol Metab, v. 58, n. 4, p. 317 – 327, jan, 2014.

MOREIRA, Thais Rodrigues. Efeito do consumo de probióticos em fatores associados com progressão da doença renal crônica e risco cardiovascular. 2018. 51f. Tese (Ciências Médicas, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós- Graduação em Medicina: Ciências Médicas).

ROCHA, Ivone Almeida Paradela et al. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em usuários da unidade básica de saúde do bairro canaã do município de ipatinga, mg. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research, v. 15, n. 1, p. 23 – 28, jun – ago, 2016.

SILVA, Leticia Szulczewski Antunes et al. Frequência de Diarreia em Pacientes em Nutrição Enteral de uma Unidade de Cuidados Continuados Integrados.

Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 9, p.71352-71365, set, 2020.

STORINO, Grabriela Filgueiras et al. Mortalidade Cardiovascular em pacientes Renais Crônicos: o papel das toxinas Urêmicas. Internacional Journal of Cardiovascular Sciences, Niteroi/RJ, v. 28, n. 4, p. 327 – 334, mar – jun, 2015.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e prevenção a Aterosclerose – 2017. Rio de Janeiro/RJ, 1-76p.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular – 2019. Rio de Janeiro/RJ, 787 – 891.

TORRES, Jaqueline DPaula Ribeiro Vieira et al. Microbiota intestinal e associações com desordens clínicas em função da faixa etária de idosos: um estudo analítico transversal. Estud. Interdiscipl. Envelhec., Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 263 – 281, ago, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-472

Refbacks

  • There are currently no refbacks.