Qualidade físico-química de leites integrais UAT comercializados em Teresina, Piauí / Physical-chemical quality of whole milk UAT commercialized in Teresina, Piauí

Jefferson Messias Borges, Diêgo Sávio Vasconcelos de Oliveira, Lívia Oliveira da Silva Bonfim, Rayanne Araújo Pessoa

Abstract


O leite é um alimento consumido por grande parte da população. Embora perecível, a aplicação de tratamento térmico, como o UAT (Ultra Alta Temperatura), estende a sua conservação, variando de três a seis meses.  Neste estudo avaliou-se a qualidade do leite integral UAT comercializado em supermercados de Teresina, PI. Os parâmetros físico-químicos verificados foram densidade, gordura, proteína, extrato seco desengordurado, crioscopia e condutividade, determinadas por método rápido utilizando o aparelho de ultrassom Ekomilk®, e também acidez e pH, segundo metodologia oficial. As análises mostraram que 45% das marcas de leite integrais UAT estavam dentro dos padrões oficiais. Em relação aos parâmetros de pH, densidade e proteína, os resultados encontravam-se dentro do exigido na legislação, enquanto o teor de gordura e acidez não. Isso evidencia a necessidade de maior fiscalização do leite integral UAT, a fim de que este produto comercializado esteja dentro do padrão de qualidade exigido.


Keywords


processamento, leite, legislação, fraude.

References


BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (RIISPOA). Aprovado pelo Decreto nº. 30.691 de 29/03/1952, alterado pelos Decretos nº. 1.255 de 25/06/1962, nº. 1.236 de 02/09/1994, nº. 1.812 de 08/02/1996, nº. 2.244 de 04/06/1997 e nº. 6385 de 27/02/2008. Brasília, 2008. 241p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria n.º 146 de 7 de março de 1996. Aprova os Regulamentos Técnicos de Identidade e Qualidade dos Produtos Lácteos. Diário Oficial da União, 11 de março de 1996, Seção 1, p. 3977.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria N°370, de 08 de setembro de 1997. Aprova a Inclusão do Citrato de Sódio no Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade do Leite U.H.T (U.A.T). Diário Oficial da União, 08 de setembro de 1997, Seção 1, p. 19700.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa n.º 51 de 18 de setembro de 2002. Aprova os Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do Leite Cru Refrigerado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel. Diário Oficial da União, 20 de setembro de 2002, Seção 1, p. 13.

CARDOSO, L.; ARAÚJO, W. M. C. Parâmetros de qualidade em leites comercializados no Distrito Federal, no período 1997-2001. Revista Higiene Alimentar, São Paulo, v. 17, n. 114/115, p. 34-40, 2003.

EGITO, A. S. et al. Método eletroforético rápido para detecção da adulteração do leite caprino com leite bovino. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 58, n.5, p.932-939, 2006.

EL-NAGGAR, M. A. Una reacción sencilla para el diagnóstico de la mastitis bovina. Noticias Medicina Veterinária, vol. 3, n.1, p. 219-225, 1973.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA. Qualidade do Leite. Disponívelem:

FERREIRA, M. A. Controle de qualidade físico-químico em leite fluido. Brasília: SBRT/CDT/UnB, 2007. 18p. (Dossiê técnico).

GOFF, D. Dairy Science and Technology: University of Guelph education series. Disponível em:. Acesso em: 07 de Dezembro de 2020.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos químicos e físicos para análises de alimentos. Brasília, 2005. 1018p.

MACHADO, S. C. Fatores que Afetam a Estabilidade do Leite Bovino. 2010. 189 f. Tese (Doutorado em Zootecnia Área de Produção Animal) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

MARTINS, A. M. C. V. et al. Efeito do processamento UAT (Ultra Alta Temperatura) sobre as características físico-químicas do leite. Ciência e Tecnologia de Alimentos, vol. 28, n. 2, p. 295-298, 2008.

NIELEN, M. et al. Electrical conductivity of milk: measurement, modifiers, and meta analysis of mastitis detection performance. Journal of Dairy Science, v. 75, n.2, p. 606-614, 1992.

ORDÓÑEZ, J. A. et al. Tecnologia de Alimentos - Alimentos de Origem Animal. Porto Alegre: Artmed, 2005. 279 p.

PRATA, L. F. Fundamentos da Ciência do Leite. Jaboticabal: FUNEP/UNESP, 2001. 287p.

ŠPAKAUSKAS, V., I. KLIMIENö, A. M. A comparison of indirect methods for diagnosis of subclinical mastitis in lactating dairy cows. Veterinarski Arhiv, v. 76, n.2, p. 101-109, 2006.

TEIXEIRA, L. V.; FONSECA, L. M.; MENEZES, L. D. M. Avaliação da qualidade de soro de queijos minas padrão e mozarela produzidas em quatro regiões do estado de Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 59, n.1, p.264-267, 2007.

ZAFALON L. F. et al. Comportamento da condutividade elétrica e do conteúdo de cloretos do leite como métodos auxiliares de diagnóstico na mastite subclínica bovina. Pesquisa Veterinária Brasileira, v. 25, n.3, p. 159-163, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-454

Refbacks

  • There are currently no refbacks.