Teores de clorofila da rúcula em função de diferentes ambientes e doses de esterco caprino / Archula's chlorophyl contents as a result of different environments and caprine stump doses

Arão de Moura Neto, Bruno Santos de Moura, Laila Lucia Sousa e Silva, Walliane do Nascimento Portela, Edivania de Araujo Lima, Ângelo da Silva Gonçalves Júnior, Laís Samara Rodrigues, José Gabriel Junior de Holanda Rocha

Abstract


A rúcula é uma hortaliça de grande relevância na alimentação humana, sendo uma das mais nutritivas, rica em minerais e vitaminas. É uma cultura que apresenta viabilidade de produção na região Nordeste do Brasil. Nesse sentido, o uso de técnicas como utilização de telas de sombreamento nos cultivos buscando diminuir a incidência da radiação solar, contribui na melhoria do desempenho da cultura, além do uso de uma adubação adequada. Diante disso, objetivou-se com o presente trabalho avaliar os teores de clorofila a e b, massa fresca e massa seca da rúcula com diferentes doses de esterco caprino em ambientes protegido e não protegido (pleno sol), sob as condições climáticas de Bom Jesus – PI. O experimento foi conduzido na área experimental da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Campus Professora Cinobelina Elvas, na cidade de Bom Jesus – Piauí (9º05’20,4’’S; 44º20’55,1’’W; 283 m), entre 13 de dezembro de 2018 a 23 de janeiro de 2019. O delineamento experimental adotado foi o inteiramente casualizado, com esquema fatorial 2 x 6, sendo dois ambientes diferentes (estufa e pleno sol) x 5 proporções de esterco caprino incorporados ao solo (0,2; 0,4; 0,6; 0,8; 1 kg/vaso) e a testemunha (solo sem esterco). A cultivar de rúcula utilizada foi a “Cultivada”, e os resultados obtidos, evidenciaram que a clorofila a e b, massa seca e fresca foram influenciadas diretamente pelos ambientes, enquanto que a clorofila a, massa seca e fresca foram influenciadas pelas doses de esterco.

 

 


Keywords


pleno sol, estufa, adubação orgânica

References


ALMEIDA, L.P ALVARENGA, A.A.; CASTRO, E.M.; ZANELA, S.M.; VIEIRA, C.V. Crescimento inicial de plantas de Cryptocaria aschersoniana Mez. submetidas a níveis de radiação solar. Ciência Rural, v.34, n.1, p. 83-88, 2004. Disponível em:. Acesso em: 17 jul. 2019.

Borrmann, D. Efeito do déficit hídrico em características químicas e bioquímicas da soja e na degradação da clorofila, com ênfase na formação de metabólitos incolores. 2009. 125 f. Tese (Doutorado em Ciências dos Alimentos) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

CORREIA, G.K.; FERNANDES, D.P.; GHEY, H.R.; NOBRE, R.G.; SILVA, T.S. Crescimento, produção e características de fluorescência da clorofila a em amendoim sob condições de salinidade. Ciência Agronômica, v. 40, n. 4, p. 514-521, 2009.

FILGUEIRA, F.A.R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção de hortaliças. Viçosa-MG: UFV, 2007. 421p

FILGUEIRA, F.A.R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV,2000. 402 p.

FONTES, P.C.R.; DIAS, E.N.; SILVA, D.J.H. Dinâmica do crescimento, distribuição de matéria seca e produção de pimentão em ambiente protegido. Horticultura Brasileira, v. 23, n. 1, p. 94-99, 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2019.

INMET. Normal climatológica 2018. Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisClimatologicas

MARQUES, L. F. Produção e qualidade de beterraba em função de diferentes dosagens de esterco bovino. 2006. 37f. Monografia (Graduação em Agronomia) – Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, 2006

MARTINAZZO, E. G.; ANESE, S.; WANDSCHEER, A. C. D.; PASTORINI, L. H. Efeito do Sombreamento sobre o Crescimento Inicial e Teor de Clorofila Foliar de Eugenia uniflora Linn (Pitanga) – Família Myrtaceae. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, supl. 2, p. 162-164, 2007.

PEREIRA, V. C. et al. Graus-dias acumulados e índice de área foliar para a cultura do melão em Mossoró-RN. In: XVI Congresso Brasileiro De Meteorologia, 2010, Belém - PA, 2010. 5p.

PORTO, R. D. A. et al. Adubação potássica em plantas de rúcula : produção e eficiência no uso da água. Revista Agro@mbiente On-line, v. 7, n. 1, p. 28–35, 2013.

R Core Team. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em: 2014.

ROCHA, R. C.; CAMPOS, C. O.; OLIVEIRA, G. M.; GOTO, R.; LEITÃO, M. M. V. B. R; VIEIRA, J. P. S.; SILVA, L. B.; CARVALHO, T. G. Características de crescimento de 5 híbridos de tomateiro em ambiente protegido e a campo aberto na região do Submédio do São Francisco. Revista Sodebras, v. 10, n. 112, p.130-135, abril/ 2015.

RODRIGUES, G. S. et al. Quantidade de esterco bovino no desempenho agronômico da rúcula (Eruca sativa L.), cultivar cultivada. Revista Caatinga, v. 21, n. 1, 2008

SILVA, A. V. L. Uso de manipueira como biofertilizante na cultura da rúcula (Eruca sativa Miller) cultivada em estufa. 2010

SILVA, T.O. et al. Adubação orgânica da batata com esterco e, ou, Crotalaria juncea. I - Produtividade vegetal e estoque de nutrientes no solo em longo prazo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 39, p. 39-49, 2007. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2019.

TAIZ, L.; ZEIGER, E.; MOLLER, I.M.; MURPHY, A. Fisiologia e Desenvolvimento Vegetal. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017. 888 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-441

Refbacks

  • There are currently no refbacks.