Herança expressionista no horror contemporâneo: A materialização do trauma em Babadook / Expressionist heritage in contemporary horror: the materialization of trauma in Babadook

Gabriel Perrone

Abstract


A presente pesquisa trata dos diálogos intertextuais entre a obra Babadook ( The babadook, 2014) da australiana Jennifer Kent e o movimento cinematográfico expressionista alemão. Utilizando os conceitos propostos por Eco e Bakhtin sobre dialogismos e intertextualidades, o Expressionismo relido abre-se ao diálogo e atualiza-se no território multifacetado do filme. Pode ser visto como uma obra que trata da materialização do sofrimento pela ótica, considerando o protagonista, se manifestando externamente como uma doença somatizada pela interiorização da dor. Assim, o filme retoma uma das características mais importantes do movimento: a abstração, que nasce da inquietação do sujeito que ao aterrorizar-se com fenômenos do mundo físico, acaba por reformulá-los em sua mente, atribuindo-lhes outro visual e contexto. Badbadook, portanto, oferece ao espectador camadas de leitura com um monstro que é ameaçado e, ao mesmo tempo, fruto das camadas da psique humana.

 


Keywords


Horror, Babadook, Expressionismo, Dialogismo.

Full Text:

PDF

References


BAKHTIN, Mikhail; VOLOSHINOV, Valentin N. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1997.

CÁNEPA, Laura. Expressionismo alemão. In: Mascarello, Fernando (org.). História do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2008.

CARDINAL, Roger. O expressionismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

ECO, Umberto. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

______. Os limites da interpretação. São Paulo: Perspectiva, 2000.

EISNER, Lotte. A tela demoníaca: As influências de Max Reinhardt e do Expressionismo, São Paulo: Brasiliense, 1985.

MARZYNSKI, Georg. Die methode des expressionismus: studien zu seiner psychologie. Berlin: Klinkhardt & Biermann, 1984.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-428

Refbacks

  • There are currently no refbacks.