Uso de jogos no ensino de contabilidade: Percepções de estudantes de graduação de uma universidade pública sobre o Deborah Game / The use of games in the teaching of accounting: Perceptions about the Deborah Game by undergraduate studentes of a public university

Cristiane Garcia, Nelma T Zubek Valente, Jocimar Donizeti do Prado

Abstract


São apresentados, neste artigo, os resultados preliminares de ampla pesquisa, ainda em desenvolvimento, sobre o uso de jogos no ensino de contabilidade. No presente estudo buscou-se levantar as percepções de estudantes de graduação em Ciências Contábeis sobre o jogo educacional denominado Deborah Game. Os dados obtidos de relatos por escrito de acadêmicos de graduação em Ciências Contábeis, com os feedbacks de suas experiências jogando o Deborah Game, permitiram identificar aspectos relevantes sobre a usabilidade do game. Os resultados foram categorizados em: aspectos positivos e negativos do game, dificuldades encontradas para jogar, o que gostaram e o que não gostaram do jogo, aprendizados obtidos e ainda críticas e sugestões para a melhoria do game. Tais resultados são relevantes na medida em que podem servir de base para a promoção de melhorias nas novas versões desse importante game educacional.

Keywords


Jogos Educativos, Jogos no Ensino de Contabilidade, Deborah Game.

References


ABNT NBR 9241-11, de agosto de 2002. Requisitos Ergonômicos para Trabalho de Escritórios com Computadores Parte 11 – Orientações sobre Usabilidade. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Abt, C. (1987). Serious Games. Lanham: University Press Of America. Recuperado de: https://books.google.com.br/books?id=axUs9HA-hF8C.

Adams, E. (2014). Fundamentals of game design. (3rd ed.). New Riders. Recuperado de https://books.google.com.br/books?id=Lm1jAgAAQBAJ&pg=PA1&hl=ptBR&source=gbs_toc_r&cad=3#v=onepage&q&f=false.

Anderson, L. W. et. al. (2001). A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revison of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Nova York: Addison Wesley Longman.

Andrade, M. M. (2002). Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas. 5.ed. São Paulo: Atlas.

Aurélio. (2018). Dicionário do Aurélio Online. Recuperado de https://dicionariodoaurelio.com

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo: Persona.

______. (2016). Análise de conteúdo. (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). São Paulo: Edições 70.

Cezarotto, M.A; & Battaiola A.L. (2015). Jogabilidade em jogos educacionais para crianças com discalculia. Recuperado de https://openaccess.blucher.com.br/download-pdf/386/20955.

Cornachione Jr., E. B. (2007). Tecnologia da educação e cursos de Ciências Contábeis: modelos colaborativos virtuais. Tese (Livre-Docência), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/livredocencia/12/tde-12092007-124732/pt-br.php

Davis, F. D. (1989). Perceived usefulness, perceived ease of use, and user acceptance of information technology. MIS Quarterly, 13(3), 319–340.

______.; Bagozzi, R. P., & Warshaw, P. R. (1989). User acceptance of computer technology: A comparison of two theoretical models. Management Science, 35(8), 982–1003.

DEBORAH Game. (2019). DEBORAH – Double entry bookkeeping or accounting history. Recuperado em 19 jan. 2019 de: http://deborahahg.wixsite.com/deborah/about.

Dias, M.S.C. (2015). Jogos sérios para saúde. (Dissertação de Mestrado. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Recuperado de https://run.unl.pt/bitstream/10362/14923/1/Serious%20Games%20For%20Health%20-%20Miguel%20Dias%20-%20Mar2015.pdf

Figueiredo, C. (1913). Novo Diccionário da Língua Portuguesa. Recuperado de http://dicionario-aberto.net/dict.pdf.

Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas em Pesquisa Social. 5 ed. São Paulo: Atlas

Gomes, A. S.; & Padovani, S. (2005). Usabilidade no ciclo de desenvolvimento de software educativo. SBIE Simpósio Brasileiro de Informática na Educação. Juiz de Fora, (MG). Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/228971486_Usabilidade_no_ciclo_de_desenvolvimento_de_software_educativo

Guimarães, A.L; Leal, A.C.M.D; Argento, H.A; & Lemos, N.L . (2016, setembro).Uma reflexão sobre aprendizagem baseada em jogos digitais educativos em ead. SIE. Simpósio internacional de educação a distancia. EnPED. Encontro de pesquisadores em educação a distancia. Recuperado de http://www.sied-enped2016.ead.ufscar.br/ojs/index.php/2016/article/view/1779.

Gurgel, I.; Arcoverde, R. L.; Almeida, E. W. M.; Sultanum, N.B. & Tedesco, P. (2016). A importância de avaliar a usabilidade dos jogos: a experiência do Virtual Team. Centro de Informática, UFPE, Brasil. Recuperado de http://cin.ufpe.br/~sbgames/proceedings/aprovados/23657.pdf

Herpich, F; Nunes, F.B; Voss, G.B; Jardim. R.R; Silva, R.F; & Medina. R.D. (2013). Jogos Sérios na Educação: Uma Abordagem para Ensino Aprendizagem de Redes de Computadores. Nuevas Ideasen Informática Educativa TISE. Recuperado de http://www.tise.cl/volumen9/TISE2013/617-620.pdf

ISO/IEC 25010 de 2011. Systems and software engineering -- Systems and software Quality Requirements and Evaluation (SQuaRE) -- System and software quality models. Recuperado de https://pdfs.semanticscholar.org/57a5/b99eceff9da205e244337c9f4678b5b23d25.pdf

Lemes, D.O. (2014, agosto, 27). Serious games - jogos e educação. O futuro do livro na educação Abre Livros. ABRE LIVROS na BIENAL 2014. ANHEMBI. SP. Recuperado de http://www.abrelivros.org.br/home/index.php/bienal-2014/resumos-e-fotos/5647-primeiro-resumo.

Kiya, M.C.S. (2014). O uso de jogos e de atividades lúdicas como recurso pedagógico facilitador da aprendizagem. Caderno pedagógico. Ortigueira. Recuperado de http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_uepg_ped_pdp_marcia_cristina_da_silveira_kiya.pdf

Machado, L.S; Moraes, R.M; Nunes, F.L.S; & Costa, R.M.E.M. (2011). Serious Games Baseados em Realidade Virtual para Educação Médica. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA, 35 (2), pp. 254-262. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbem/v35n2/15.pdf

Malaquias, R.F; Malaquias, F.F.O; Borges, D.M.,Jr; & Zambra, P. (2018, jan). The use of a serious game and academic performance of undergraduate accounting students: an empirical analysis. Turkish Online Journal of Distance Education-TOJDE. 19(2). Recuperado de https://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ1175515.pdf

Malaquias, R.F; Malaquias, F.F.O; & Hwang, Y. (2018). Understanding technology acceptance features in learning through a serious game. Computers in Human Behavior, Recuperado de journal homepage: www.elsevier.com/locate/comphumbeh.

Marconi, M.A; Lakatos, E.M. (1990). Técnica de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas,amostragens e técnicas de pesquisa,elaboração, análise e interpretação de dados. (2a ed). São Paulo: Atlas

Michaelis. (2015). Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos.

Nielsen, J., (1994). Usability Engineering. Londres: Academic Press, 380p.

Nunes, T.C.S. (2016). A revelação do mito da neutralidade contábil. (Tese de Doutorado), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. São Paulo. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-28072016-164139/publico/CorrigidoTania.pdf

Oliveira, G. C.(2018). Gamificando no ensino da contabilidade: uma prática com o jogo deborah. (CBIE) VII congresso brasileiro de informática na educação.

Ponte, N.F.V. (2013). Um jogo sério sobre realidade econômica/financeira de Portugal. (Dissertação de Mestrado), Engenharia Informática e de Computadores. Técnico Lisboa. Recuperado de https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/395145925717/disserta%E7%E3o.pdf.

Prensky, M. (2001, outubro). Digital Natives, Digital Immigrants. Horizon, MCB University Press, 9(5). Recuperado de https://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20-%20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf

_______. (2002, march). The motivation of gameplay: The real twenty‐first century learning revolution. On The Horizon. 10 (1): 5-11. https://doi.org/10.1108/10748120210431349

Rocha, E.A; & Lima, T.S.A. (2015, maio). Importância dos games no processo de ensino-aprendizagem: uma análise do game “uma cidade interativa”. I Congresso de Inovação Pedagógica Arapiraca. VII Seminário de Estagio. Perspectiva atuais dos profissionais. Alagoas. Recuperado de http://www.seer.ufal.br/index.php/cipar/article/view/1969/1470

Savi, R; & Ulbricht, V. R. (2008,dezembro). Jogos digitais educacionais: benefícios e desafios. CINTED-UFRGS Novas Tecnologias na Educação. Recuperado de https://seer.ufrgs.br/renote/article/viewFile/14405/8310

Schollmeyer, J. (2006). Games get serious. Bulletin of the Atomic Scientists, (62), pp. 34-39. Recuperado de https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/00963402.2006.11461001?needAccess=true

Silva, R.N.,Jr. (2011). Construção de game educativo e o game em sala de aula: uma perspectiva da linguagem. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Recuperado de http://www.latec.ufrj.br/monografias/rogerio_final.pdf




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-412

Refbacks

  • There are currently no refbacks.