A categoria desenvolvimento e os impactos das políticas públicas sobre comunidades tradicionais / The category development and the impacts of public policies on traditional communities

Luíza Helena Salviano dos Santos Almeida, Umberto Euzebio

Abstract


O presente artigo analisa as associações entre a categoria desenvolvimento e o conceito de comunidades tradicionais com o objetivo de verificar o impacto da ação pública sobre a integração e a marginalização desses grupos sociais. Assim, buscou-se apresentar uma revisão de literatura que permitisse compreender a categoria desenvolvimento e as políticas públicas como instrumentos de integração ou de marginalização de grupos sociais, como as comunidades tradicionais. Chega-se, assim, à perspectiva decolonial para a qual os instrumentos, métodos e metodologias não são neutros e possibilitam à ação pública o direcionamento da sociedade em determinado sentido. Conclui-se que os instrumentos das políticas públicas que impactam comunidades tradicionais acabam por submetê-las à lógica eurocêntrica em favor do pensamento hegemônico, devido principalmente à não consideração das temporalidades e linguagem dessas comunidades, o que limita a sua ação num sentido contra-hegemônico. No entanto, verificou-se que há espaço para o surgimento de pensamentos fronteiriços no encontro entre a “teorização civilizada” e a experiência de quem habita e vivencia a situação de comunidades subalternizadas, afastando-se da ideia de totalidade e criando a ideia de redes, o que permite reconfigurar o que nos une enquanto sociedade.


Keywords


desenvolvimento, decolonialidade, política pública, impacto, comunidades tradicionais.

References


ANAIS VI CONINTER – TRABALHOS COMPLETOS. CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES, 6, 2017, João Pessoa. Anais VI CONINTER - Trabalhos Completos. João Pessoa, 1 a 4 de novembro de 2017. [ISSN 2316-266X. n. 6, v.1].

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

ARRIGHI, Giovanni. O longo século XX: dinheiro, poder e as origens de nosso tempo. São Paulo: Editora UNESP, 1996.

BALLESTRIN, Luciana. O giro decolonial e a américa latina. In: O lugar da América Latina nas Ciências Sociais. Rumo a uma nova divisão global? (MESA REDONDA). 36o Encontro Anual da Anpocs, 2012.

_______. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. Brasília, n. 11, 2013.

BRASIL, Presidência da República. Decreto n. 5051, de 19 de abril de 2004. Promulga a Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas e Tribais. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decreto/2004/decreto-5051-19-abril-2004-531736-norma-pe.html. Acesso em: 09 jan. 2021.

_______, Presidência da República. Decreto nº 6040 de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: ttps://www2.camara.leg.br/legin/fed/decreto/2007/decreto-6040-7-fevereiro-2007-550693-norma-pe.html. Acesso em: 09 jan. 2021.

_______, Presidência da República. Decreto nº 6040 de 07 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: ttps://www2.camara.leg.br/legin/fed/decreto/2007/decreto-6261-20-novembro-2007-563585-norma-pe.html. Acesso em: 09 jan. 2021.

_______. Fundação Nacional de Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

_______. Ministério do Meio Ambiente. Portaria Interministerial nº 60 de 24 de março de 2015. Estabelece procedimentos administrativos que disciplinam a atuação dos órgãos e entidades da administração pública federal em processos de licenciamento ambiental de competência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama. Disponível em: www.lex.com.br.legis_26632223_portaria_interminsterial_n_60_24_março_2015_aspex. Acesso em: 09 jan. 2021.

BRAUDEL, Fernand. La dynamique du capitalisme. Paris: Arthaud, 1985.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 89 p.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais. São Paulo: Loyola, 2000.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Soc. estado. v, 31, n. 1, p. 25-49, 2016.

HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993.

HALL, P.A.; TAYLOR, R.C.R. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova, v.58, p. 193-224, 2003.

LAMONTAGNE, Annie. Impactos discursivos: conflitos socioambientais e o licenciamento da UHE Estreito. Curitiba: CRV, 2012.

LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. Sociologia da ação pública. Maceió: Edufal, 2012a.

LASCOUMES, P.; LE GALÈS, P. A ação pública abordada pelos seus instrumentos. Revista Pós Ciências Sociais, v. 9, n. 18, p. 19 – 43, 2012b.

LATOUCHE, Serge. Farewell to growth. Cambridge: Polity Press, 2009.

LATOUR, B. Reagregando o social. Salvador/Bauru: Edufba/Edusc, 2012.

LECHAPTOIS, F. Trabajo Social, descolonización de las políticas públicas y saberes no hegemónicos. R. Katál. Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 87-94, jan./jun. 2014.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Soc. estado. v. 31, n. 1, p.75-97, 2016.

MIGNOLO, W. Histórias globais projetos locais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

NAYYAR, Deepak. A corrida pelo crescimento: países em desenvolvimento na economia mundial. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

NDLOVU-GATSHENI. S. Why decoloniality in the 21th century? In The thinker, South Africa, 2013.

PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. Campus: Rio de Janeiro, 2000.

SANDES, Cyntia. LUCIO, Magda. A polissemia do conceito de desenvolvimento no seio da formulação estratégica nacional sobre ciência, tecnologia e inovação. Guaju. Matinhos - PR, v. 2, n.2, p.26-58, jul./dez. 2016.

SEBASTIANI. L. La colonialidad del poder y del saber en las políticas públicas de la Unión Europea: reflexiones a partir de una investigación sobre “inmigración” e “integración”. Revista de Antropología Experimental. Universidad de Jaén (España), n. 15, 2015.

SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão de literatura. Sociologias, v. 8, n. 16, p. 20 – 45, 2006.

SOUZA, Marcelo José Lopes. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Iná Elias Castro et ali (Org.). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995, (p. 77-99.

STEINBERGER, Marília. Território, estado e políticas públicas espaciais. Brasília: Ler, 2013.

WALLERSTEIN, Immanuel. The end of the world as we know it: social science for the twenty-first century. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1999.

_______. Cultures in Conflict? Who are We? Who are the Others? Journal of the Interdisciplinary Crossroads. v. 1, n. 3, p. 505-521, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-409

Refbacks

  • There are currently no refbacks.