Fatores psicossociais relacionados à dependência de internet: estudo quanti-qualitativo com estudantes do ensino médio / Psychosocial factors related to internet dependence: quanti-qualitative study with high school students

Estéphany Rodrigues Zanonato, Aline Bogoni Costa, Ana Paula Risson

Abstract


Este estudo objetivou identificar o grau de dependência de internet e os fatores psicossociais relacionados a este fenômeno, em estudantes com idades entre 15 a 19 anos, do último ano do Ensino Médio, matriculados em duas escolas públicas de um município da região Oeste do Estado de Santa Catarina. O método adotado neste estudo foi o quantitativo-qualitativo. Na primeira etapa, 171 estudantes responderam a um questionário elaborado pelas autoras e contendo o instrumento Internet Addiction Test (IAT). Identificou-se que 9,4% dos estudantes apresentavam grau moderado de dependência de internet. Na segunda etapa, foram realizados grupos focais com oito estudantes que apresentaram os maiores índices de dependência na primeira etapa, identificando-se seis fatores psicossociais relacionados ao comportamento dependente deste público. Evidenciou-se que o uso da internet serve como estratégia de libertação das normas sociais e de expressão de pensamentos, sentimentos e emoções, principalmente devido à falta de habilidades sociais ou inibição social destes jovens.


Keywords


dependência não química, internet, estudantes de Ensino Médio, fatores psicossociais.

References


Abe, V., & Cunha, M. V. da (2011). A busca de informação na Internet: um estudo do comportamento de bibliotecários e estudantes de ensino médio. Transinformação, 23(2), 95-111. Recuperado em 23 setembro, 2018, de https://dx.doi.org/10.1590/S0103-37862011000200002

Amaral, O. B., & Junqueira, L. S. (2016). A construção do cérebro dependente: uma análise da mídia brasileira e da literatura científica sobre adição a tecnologias. Revista da Biologia, 15(1), 39-49. Recuperado em 26 setembro, 2018, de http://www.ib.usp.br/revista/node/209

American Psychiatric Association (2014). Manual diagnóstico e estatístico de Saúde Mental - DSM-5. Porto Alegre: Artmed.

Arruda, E. C. de, Rosa, A. L. M., & Milani, R. G. (2014). O comportamento de uso, o consumo e os impactos das tecnologias digitais: uma revisão teórica. CIENTEC - Revista de Ciência, Tecnologia e Humanidades do IFPE, 6(2), 10-21.

Bardin, L. (2000). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Conti, M. A., Jardim, A. P., Hearst, N., Cordás, T. A., Tavares, H., & Abreu, C. N. de (2012). Avaliação da equivalência semântica e consistência interna de uma versão em português do Internet Addiction Test (IAT). Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 39(3), 106-110. Recuperado em 20 março, 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832012000300007

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

Feitosa, I. P., Rivera, G. A., Camboim, A. A., & Santos, M. S. (2012). Repensando o sentimento da vergonha: contribuições psicossociológicas. Fractal: Revista de Psicologia, 2(1), 203-210. Recuperado em 23 setembro, 2018, de http://www.scielo.br/pdf/fractal/v24n1/v24n1a14.pdf

Ferreira, D., Santos, A. J., Ribeiro, O., Freitas, M., Correia, J. V., & Rubin, K. (2013). Isolamento social e sentimento de solidão em jovens adolescentes. Análise Psicológica, 31(2), 117-127. Recuperado em 23 março, 2018, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312013000200001&lng=pt&tlng=pt

Fortim, I., & Araújo, C. A. de (2013). Aspectos psicológicos do uso patológico de internet. Boletim - Academia Paulista de Psicologia, 33(85), 292-311. Recuperado em 27 setembro, 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2013000200007&lng=pt&tlng=pt.

Goffman, E. (1985). A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes.

Internet Live Stats (2019). Internet Usage & Social Media Statistics. Recuperado em 23 julho, 2019, de https://www.internetlivestats.com

Ito, L. M., Roso, M. C., Tiwari, S., Kendall, P. C., & Asbahr, F. R. (2008). Terapia cognitivo-comportamental da fobia social. Brazilian Journal of Psychiatry, 30(Supl. 2), s96-s101. Recuperado em 29 julho, 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462008000600007

Jorente, M. J. V. (2014). Design da Informação, linguagens convergentes e complexidade na rede social e ambiente digital do Facebook. Informação & Tecnologia (ITEC): Marília/João Pessoa, 1(1): 116-XX. Recuperado em 23 setembro, 2018, de http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/itec/article/view/19631/10976

King, A. L. S., Nardi, A. E., & Cardoso, A. (Orgs) (2014). Nomofobia - Dependência do Computador e/ou Internet?. São Paulo: Atheneu.

Kuhlthau, C. C. (1991). Inside the search process: information seeking from the user’s perspective. Journal of the American Society for Information Science, 42(5), 361-371. Recuperado em 21 setembro, 2018, de https://doi.org/10.1002/(SICI)1097-4571(199106)42:5%3C361::AID-ASI6%3E3.0.CO;2-%23

Lira, A., Cerqueira, E. C., & Gomes, C. A. (2016). As relações interpessoais entre adolescentes: o teste sociométrico como recurso para superar conflitos e violências escolares. Revista Brasileira de Psicodrama, 24(1), 24-33. Recuperado em 26 setembro, 2018, de https://dx.doi.org/10.15329/0104-5393.20160004

Marcelo, A. S. (2001). Internet e Novas Formas de Sociabilidade. (Tese de Mestrado) - Ciências da Comunicação. Universidade da Beira Interior Covilhã, Portugal. Recuperado em 23 setembro, 2018, de http://www.bocc.ubi.pt/pag/marcelo-ana-sofia-internet-sociabilidade.pdf

Marchi, C. F. (2012). O Design da Página “Feed de Notícias” do Facebook e o Comportamento FOMO. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste. Ouro Preto, Minas Gerais, junho de 2012. Recuperado em 22 setembro, 2018, de www.intercom.org.br/papers/regionais/sudeste2012/resumos/R33-0669-1.pdf

Moromizato, M. S.; Ferreira, D. B.B.; Souza, L. S. M.; Leite, R. F.; Macedo, F. M.; Pimentel, D. (2017). O Uso de Internet e Redes Sociais e a Relação com Indícios de Ansiedade e Depressão em Estudantes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, 41(4), 497-504. Recuperado em 29 julho, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/rbem/v41n4/0100-5502-rbem-41-04-0497.pdf

Oliveira, M. R. de, & Santos, W. D. V. dos (2018). Timidez infantil no contexto familiar e escolar: suas consequências. Psicologia.pt (online). Recuperado em 29 julho, 2019, de http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1177.pdf

Pereira, M. (2016). Éthos compartilhado e o consumo da reputação do outro no Facebook. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação - XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo, setembro de 2016. Recuperado em 23 setembro, 2018, de http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-1235-1.pdf

Pereira, T. B., & Branco, V. L. R. (2016). As estratégias de coping na promoção à saúde mental de pacientes oncológicos: uma revisão bibliográfica. Revista Psicologia e Saúde, 8(1), 24-31. Recuperado em 25 julho, 2019, de https://dx.doi.org/10.20435/2177093X2016104

Peruzzo, A. S., Jung, B. M. G., Soares, T., & Scarparo, H. B. K. (2007). A expressão e a elaboração do luto por adolescentes e adultos jovens através da internet. Estudos e Pesquisas Em Psicologia, 7(3), 90-102. Recuperado em 28 julho, 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v7n3/v7n3a08.pdf

Pirocca, C. (2012). Dependência de internet, definição e tratamentos: revisão sistemática da literatura. (Monografia) - Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recuperado em 22 setembro, 2018, de http://hdl.handle.net/10183/40120

Prioste, C. D. (2013). O adolescente e a internet: laços e embaraços no mundo virtual. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado em 23 setembro, 2018, de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-21052013-113556/publico/CLAUDIA_DIAS_PRIOSTE_rev.pdf

Recuero, R. (2014). Curtir, compartilhar, comentar: trabalho de face, conversação e redes sociais no Facebook. Verso e Reverso, 28(68). Recuperado em 22 setembro, 2018, de http://www.revistas.unisinos.br/index.php/versoereverso/article/viewFile/7323/4187

Rodrigues, M. C., Dias, J. P., & Freitas, M. F. R. L. de (2010). Resolução de problemas interpessoais: promovendo o desenvolvimento sociocognitivo na escola. Psicologia em Estudo (Maringá), 15(4), 831-839. Recuperado em 22 setembro, 2018, de http://www.scielo.br/pdf/pe/v15n4/v15n4a18

Santos, M. S. G. (2014). Sou curtido, logo existo: Vivendo sob a pressão do ‘curtir’. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste. João Pessoa, Paraíba, maio de 2014. Recuperado em 22 setembro, 2018, de http://www.portalintercom.org.br/anais/nordeste2014/resumos/R42-0465-1.pdf

Souza, C. A. de, Donadel, Tamara Biasi, & Kunz, Elenor (2017). Sobre como tolhemos a curiosidade das crianças. Motrivivência, v. 29(51),192-204. Recuperado em 29 julho, 2019, de https://doi.org/10.5007/2175-8042.2017v29n51p192

Terres-Trindade, M., & Mosmann, C. P. (2016). Conflitos Familiares e Práticas Educativas Parentais como Preditores de Dependência de Internet. Psico-USF, 21(3), 623-633. Recuperado em em 22 setembro, 2018, de https://dx.doi.org/10.1590/1413-82712016210315

Terroso, L. B., & Argimon, I. I. L. (2016). Dependência de internet e habilidades sociais em adolescentes. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 16(1), 200-219. Recuperado em 22 setembro, 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812016000100012&lng=pt&tlng=pt.

Tumeleiro, L. F., Costa, A. B., Halmenschlager, G. D., Garlet, M., & Schmitt, J. (2018). Dependência de internet: estudo com jovens do último ano do ensino médio. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 11(2), 279-293. Recuperado em 22 outubro, 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v11n2/07.pdf

Turkle, S. (2011). Alone Together: Why We Expect More from Technology and Less from Each Other. New York: Basic Books.

Veloso, Í. A. P. (2016). Dependência da Internet, a perceção de saúde e os estilos de vida: um estudo exploratório. (Dissertação de Mestrado) - XVII Curso de Mestrado em Saúde Pública. Universidade Nova de Lisboa, Escola Nacional de Saúde Pública, Portugal. Recuperado em 23 setembro, 2018, de https://run.unl.pt/bitstream/10362/20052/1/RUN%20-%20Disserta%C3%A7%C3%A3o%20de%20Mestrado%20-%20%C3%8Dtala%20Veloso.pdf

Xavier, A., Beatriz, H., Oliveira, L., Bernardazzi, R., & Carrera, F. (2016). Aprovação social na ponta dos dedos: representação do eu e gerenciamento de impressões no Tinder. IX Simpósio Nacional da ABCiber – PUC: Cibercultura, democracia e liberdade no Brasil. São Paulo, dezembro de 2016. Recuperado em 23 setembro, 2018, de http://abciber.org.br/publicacoes/livro3/textos/aprovacao_social_na_ponta_dos_dedos_representacao_do_eu_e_gerenciamento_de_impressoes_no_tinder_fernanda_ariane_silva_carrera.pdf

Winocur, R. (2011). O lugar da intimidade nas práticas de sociabilidade dos jovens. Matrizes, 5(1), 179-193. Recuperado em 23 setembro, 2018, de https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/download/38316/41164/

Young, K. S., & Abreu, C. N. de (Cols). (2011). Dependência de internet: manual e guia de avaliação e tratamento. Porto Alegre: Artmed.

Young, K. S. (2009) Internet addiction. American Behavioral Scientist, 4, 402- 415.

Young, K. S., & Rodgers, R. C. (1998). Internet Addiction: Personality Traits Associated with Its Development. University of Pittsburgh at Bradford. Paper presented at the 69th Annual Meeting of the Eastern Psychological Association. 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-393

Refbacks

  • There are currently no refbacks.