O Crescimento Econômico Brasileiro no Governo do Partido dos Trabalhadores / The Brazilian Economic Growth in Government of the Workers' Party

João André Nascimento Ribas, Maria Lucia Figueiredo Gomes Meza

Abstract


Considerando o Produto Interno Bruto – PIB, a experiência do Brasil com a adoção do neoliberalismo nos anos de 1990 não trouxe crescimento equiparado ao período do nacional desenvolvimentismo, presente no país desde 1930. Contudo, com a ascensão de um partido ideologicamente heterodoxo às políticas econômicas neoliberais ao Poder Executivo Federal em 2003, o Partido dos Trabalhadores – PT, questiona-se se houve adoção de modelo alternativo e se esse resultou em crescimento econômico mais favorável ao país. Por isso, por uma pesquisa web-bibliográfica, o artigo apresenta a política econômica do governo PT e seus indicadores, compreendendo o período de 2003 a 2015, com intuito de responder tais questionamentos. Verificou-se que, embora apresentem momentos de macroeconomia favorável mediante adoção de uma política econômica híbrida, especialmente no segundo governo de Lula, os resultados da estratégia partidária adotada não foram satisfatórios em relação ao PIB quando comparados às médias históricas nacionais desde 1890. Assim, faz-se necessária a adoção de estratégia alternativa às políticas econômicas implementadas desde a redemocratização do Brasil, tanto ao neoliberalismo quanto à política híbrida do governo PT, para que o país conquiste um crescimento econômico mais favorável e aliado ao equilíbrio financeiro. Esse método de crescimento, na atual conjuntura, demanda o fortalecimento de políticas de desenvolvimento social, de infraestrutura e de capital humano, a serem implementadas mediante um trabalho conjunto entre Estado e setor privado.


Keywords


Partido dos Trabalhadores, Crescimento Econômico, PIB.

References


ADVANCED FINANCIAL NETWORK. Disponível em: br.advfn.com. Acesso em: 25 mai. 2016.

AMANN, E.; BAER, W. Brazil as an emerging economy: a new economic miracle? Brazilian Journal of Political Economy, vol. 32, nº 3 (128), pp. 412-423, July-September/2012.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A construção política do Brasil: sociedade, economia e Estado desde a independência. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 2014.

CARLEIAL, M. F. Política econômica, mercado de trabalho e democracia: o segundo governo de Dilma Rousseff. Revista Estudos Avançados, 29 (85), 2015.

CASTELO, R. O novo desenvolvimentismo e a decadência ideológica do pensamento econômico brasileiro. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 12, p. 613-636, out./dez. 2012.

G1. Contas do setor público têm primeiro déficit da história em 2014. Disponível em: http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/01/contas-do-setor-publico-tem-primeiro-deficit-da-historia-em-2014.html Acesso em 25 mai. 2016.

GIAMBIAGI, F. et al. Economia brasileira contemporânea: 1945-2010. 2ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

GONÇALVES, R. Governo Dilma e o desempenho da economia brasileira: Mediocridade esférica. Disponível em: http://corecon-rj.aggoraegov.com.br/documents/11827/478924/Governo+Dilma+e+o+desempenho+da+economia+brasileira/c64ee77f-7be2-42b5-aca7-1273cd594286. Acesso em: 20 mai. 2016.

IPEADATA. Taxa de câmbio nominal. Disponível em: http://ipeadata.gov.br/ExibeSerie.aspx?serid=38389 . Acesso em 25 mai. 2016.

MORAIS, L.; SAAD-FILHO, A. Da economia política à política econômica: o novo-desenvolvimentismo e o governo Lula. Revista de Economia Política, vol. 31, nº 4 (124), pp. 507-527, outubro-dezembro/2011.

PINTO, E. C. et al. A economia política dos governos Dilma: acumulação, bloco de poder e crise. Rio de Janeiro: Instituto de Economia – UFRJ, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-368

Refbacks

  • There are currently no refbacks.