O protagonismo juvenil nas produções do tipo dissertativo-argumentativo: Um viés de letramento e retextualização / The youth protagonism in the dissertation-argumentative type of productions: A bias of literacy and retextualization

Elisângela Campos Damasceno Sarmento, Fernanda Viana de Castro, Josélia Paes Ribeiro de Souza

Abstract


O letramento e a retextualização configuram-se como ferramentas pedagógicas indispensáveis à proficiência escritora da Educação Básica e à competência linguística do tipo dissertativo-argumentativo, quando os estudantes do 3º ano do Ensino Médio se lançam à preparação redacional para o ENEM. Este resumo apresenta como objetivo analisar o (re) fazer do tipo dissertativo-argumentativo dos alunos do 3º ano do Curso Técnico Integrado ao Médio em Mineração do IFPI – Campus Paulistana, durante o ano letivo de 2019, num viés de letramento e retextualização. A presente pesquisa caracteriza-se como um estudo de caso, de cunho qualitativo, a partir das categorias temáticas, expostas por Bardin (2011). Nesse sentido, os principais resultados sinalizaram que, com as práticas de letramento e retextualização, ocorreu um processo de evolução na produção do tipo dissertativo-argumentativo dos alunos do 3º ano do Curso Técnico Integrado ao Médio em Mineração do IFPI – Campus Paulistana, elevando a qualidade dos níveis de coesão e coerência; informatividade (progressão de ideias em defesa de um ponto de vista) e intertextualidade (a habilidade de recorrer às diversas áreas do conhecimento), visando ao fortalecimento da argumentação. Ademais, observou-se a ascendência da linguagem formal e a melhoria de aspectos gramaticais, contribuindo para o aumento na nota da redação do ENEM, constatando, assim, que, com protagonismo, os estudantes podem alcançar uma qualidade textual que os coloque num patamar de competência escritora.

Keywords


Tipo dissertativo-argumentativo, Letramento, Retextualização, Protagonismo juvenil, Ensino Médio.

References


ABAURRE, Maria Bernadete M. et al. Considerações sobre a utilização de um paradigma indiciário na análise de refacção textual. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, 1995.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BEAUGRANDE, Robert Alain de; DRESSLER, Wolfgang Ulrich. Introduction to text linguistics. London: Longman, 1981.

COLARES, Virgínia. Estratégia de retextualização: um estudo de caso da TD Nº 0201/FO2A. Interlocuções, Recife, v. 1, n. 2, p. 100240, jul. – dez. 2001.

COSTA VAL, M. da. Redação e textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

DELL’ ISOLA, Regina Lúcia. Retextualização de gêneros escritos. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.

HABERMAS, Jürgen. Comentários à Ética do Discurso. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça; TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A coerência textual. 5ª ed. São Paulo: Contexto, 1993.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Atividades de (re)textualização em práticas acadêmicas: Um estudo do resumo. Scripta , Belo Horizonte, v. 6, n. 11, 2002.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento, 2° ed. São Paulo: Contexto, 2004.

_______. Letramento: Um Tema em Três Gêneros. 4. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-362

Refbacks

  • There are currently no refbacks.