O impacto dos grandes projetos de integração da Amazônia sobre a população rural do Oeste do Pará / The impact of the big Amazon integration projects on the rural population of the West of Pará

Camila Gama dos Santos, Filipe de Alcantara Furtado, Vitoria Maria Repolho da Silva, Maria Francisca de Miranda Adad

Abstract


Os Brasileiros, em sua grande maioria, conhecem a Amazônia através da mídia, que quase sempre destaca a beleza e a exuberância ou as ameaças relacionadas ao desmatamento e a degradação da floresta. Nas últimas quatro décadas tem sido rentável o debate sobre a relação entre os grandes projetos e o desenvolvimento regional do Norte do país. A região Oeste do estado do Pará é exemplo das transformações causadas por esses grandes investimentos. Da exploração do solo que envolve a extração do minério aos grandes empreendimentos agrários as margens da rodovia Santarém-Cuiabá, assim como utilização dos recursos hídricos para geração de energia, são motores que movimentam em grande parte o desenvolvimento econômico da região e que ao mesmo tempo sufocam (atingem) os pequenos empreendedores da agricultura familiar. O tráfego por terra e pelo meio aquático com a construção de portos e implantação de rodovias é fundamental para o escoamento de grãos. O presente estudo busca através de uma revisão bibliográfica estabelecer uma perspectiva histórica, socioambiental e econômica acerca dos megaprojetos na Amazônia, especificadamente na região oeste do Pará, e assim determinar as possíveis soluções para que grandes projetos deixem de ser o único método de desenvolver e impulsionar a região, que a cada ano vem sendo sufocada e obrigada a crescer de forma desordenada em decorrência a esses projetos.


Keywords


Região, Agronegócio, Agricultura, Transformações, Soluções.

References


AMAZÔNIA LATITUDE, 2019. Em Santarém, projeto de porto da Embraps ameaça Lago do Maicá. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

BARRETO, A. M. POSSE E PROPRIEDADE DE TERRAS NAS ÁREAS DE EXPANSÃO DA SOJA EM SANTARÉM E MUNICIPIOS DO ENTORNO, NO PARÁ. 2009. Artigo. Universidade Federal do Pará - Campus Universitário de Abaetetuba, Abaetetuba, 2009.

BECKER, Bertha K. Geopolítica da Amazônia. DOSSIÊ AMAZÔNIA BRASILEIRA I. vol.19 no.53 São Paulo Jan./Apr. 2005.

BRANDÃO, Antônio Salazar Pessoa; REZENDE, Gervásio Castro de; MARQUES, Roberta Wanderley da Costa. Crescimento agrícola no período 1999/2004: a explosão da soja e da pecuária bovina e seu impacto sobre o meio ambiente. Economia Aplicada, 2006, 10.2: 249-266.

CAMAROTTO, Murillo. Obra de Belo Monte custou R$ 3,2 bi a mais. Valor Econômico, 2016.

CORREA, Vivian Helena Capacle; RAMOS, Pedro. A precariedade do transporte rodoviário brasileiro para o escoamento da produção de soja do Centro-Oeste: situação e perspectivas. Revista de Economia e Sociologia Rural, 2010, 48.2: 447-472.

DANIEL, Anne Rapp Py. A Floresta Amazônica vai se tornar uma commodity?. Dez. 2018. Entrevista concedida a Marcos Colón.

DELGADO, Nelson Giordano. Agronegócio e agricultura familiar no Brasil: desafios para a transformação democrática do meio rural. Novos cadernos NAEA, 2012, 15.1.

EMBRAPS, 2016. Empresa Brasileira de Portos de Santarém. Relatório De Impacto Ambiental. Disponível em: https://docplayer.com.br/15890185-Relatorio-de-impacto-ambiental-terminal-da-embraps-terminal-embraps.html. Acessado em dez de 2019.

FELIPE WERNECK - Ascom/Ibama. Instituto Socioambiental. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

FERNANDES, F. R. C. Banco de Dados Recursos Minerais e Comunidade: impactos humanos, socioambientais e econômicos. In: Jornada do Programa de Capacitação Interna do CETEM, 3., Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: CETEM/MCTI, 2013.

FIRMINO, R. Desmatamento na Amazônia. Disponível em: . Acessado em vez de 2019.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Amazônia, amazônias. Editora Contexto, 2005.

GONÇALVES, M.C.V., 2017, O Agronegócio e a Mecanização do Trabalho no Campo: Entre Lucro, Precarização e Exclusão.

GREENPEACE BRASIL. Hidrelétricas na Amazônia: um mau negócio para o Brasil e para o mundo. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

GUILHOTO, Joaquim JM, et al. A importância do agronegócio familiar no Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, 2006, 44.3: 355-382.

GUILLEN, Isabel. 111-Seca e migração no nordeste: Reflexões sobre o processo de banalização de sua dimensão histórica. Textos para Discussão-TPD, 2001.

IBGE, 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

INPE. Monitoramento do Desmatamento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

LOCATELLI, P; 2016. Brasil de Fato. Maicá (PA): O quilombo que parou um porto. Disponível em: https:/www.brasildefato.com.br/2016/06/20/o-quilombo-que-parou-um-porto/>. Acessado em dez de 2019.

MARGARIT, E. OS INTERESSES EM TORNO DA PAVIMENTAÇÃO DA BR-163: TRAMAS POLÍTICAS ENVOLVIDAS NA CONSOLIDAÇÃO DE UM NOVO CORREDOR LOGÍSTICO NA AMAZÔNIA. Revista Mato-Grossense de Geografia. - Cuiabá - n. 16 - p. 168 - 197 - jan/jun 2013.

MINERAÇÃO RIO DO NORTE. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, 2007. Plano BR-163. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

MONTEIRO, M. A. Meio século de mineração industrial na Amazônia e suas implicações para o desenvolvimento regional. DOSSIÊ AMAZÔNIA BRASILEIRA I, São Paulo, vol.19 no.53, abr. 2005.

MORAES, W. L. J. Conflitos e impactos ambientais na exploração dos recursos minerais na Amazônia. In: Conflitos e Movimentos Sociais Populares em Área de Mineração na Amazônia. Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

MUNDO EDUCAÇÃO, 2020. Impactos ambientais da Mineração. Disponível em: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/impactos-ambientais-mineracao. htm >. Acessado em jan de 2020.

OLIVEIRA SILVA, Jéssica de. A produção do espaço rural brasileiro: ciclos do café e borracha, precarização e êxodo rural. Ciência & Desenvolvimento-Revista Eletrônica da FAINOR, 2015, 8.1.

PEIXOTO. F, 2009. BBC NEWS BRASIL. Linha do tempo: Entenda como ocorreu a ocupação da Amazônia. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

PENA, R. F. Impactos ambientais da mineração, 2016. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

PINTO, Lúcio Flávio. De Tucuruí a Belo Monte: a história avança mesmo?. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, v. 7, n. 3, p. 777-782, 2012.

REAL, Luciana Correia Villa; SCHNEIDER, Sergio. O uso de programas públicos de alimentação na reaproximação do pequeno produtor com o consumidor: o caso do programa de alimentação escolar. Revista Estudo & Debate, 2011, 18.2.

SANTOS, A. M. Distância de rodovias e cidades como preditor de perda e fragmentação de habitats na vegetação de caatinga brasileira. Braz. J. Biol. 2002, vol.62, n.4b.

SCAPIN, P. J. Estudo dos principais Impactos Ambientais no Módulo Fantasminha do Parque Cinturão Verde - Município de Cianorte-PR. 2012. 41 f. Artigo. CEEBJA. Cianorte, 2012.

SIMINERAL, 2019. Sindicato das Industrias Minerais do Estado do Pará; Mineração no Pará, Brasil e Mundo; Disponível em: . Acessado em jan de 2020.

TERRA DE DIREITOS, Complexo Hidrelétrico Tapajós. 2013. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

TERRA DE DIREITOS. Portos do Maicá. 2017. Disponível em: . Acessado em dez de 2019.

TRINDADE JÚNIOR, Saint-Clair Cordeiro da; ROCHA, Gilberto de Miranda. Cidade e empresa na Amazônia: gestão do território e desenvolvimento local. Belém: Paka-Tatu, p. 59-110, 2002.

UNESCO, 2017; Organização das Nações Unidas para Educação Ciência e Cultura; DhESCA Brasil – Plataforma Brasileira de Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais; Disponível em: http://www.unesco.org/new/pt/brasilia/about-thisoffice /networks / specialize dcommu nities/specialized- communities- shs /dhesca- brasil/; acessado em dez 2019.

WATANABE, Ana Beatriz de Lima. A interferência do complexo hidroelétrico da bacia do rio Tapajós nas comunidades quilombolas-PA (2002-2017). 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-358

Refbacks

  • There are currently no refbacks.