Avaliação de extratos de Phyllanthus acuminatus Vahl (Phyllantaceae) na mortalidade de larvas de Aedes aegypti Linnaeus, 1762 (Culicidae) / Evaluation of Phyllanthus acuminatus Vahl (Phyllantaceae) extracts in the mortality of Aedes aegypti Linnaeus larvae, 1762 (Culicidae)

Juliana Nascimento Andrade, Eraldo Medeiros Costa Neto, Hugo Neves Brandão, Angélica Maria Lucchese, Eduardo Brito Nascimento Neto, Thais Moreira Peixoto

Abstract


Dengue, Chikungunya e Zica são endemias disseminadas por Aedes aegypti Linnaeus, 1762 quando infectado por vírus. A larva deste mosquito demonstra grande resistência aos larvicidas químicos comumente usados nas ações de controle do vetor e, portanto, algumas espécies de plantas são alvo de estudos para descoberta de substâncias promissoras presentes em seus extratos que possam ser aproveitados ou até transformados em inseticidas naturais. O objetivo desse estudo foi analisar alternativas naturais para o controle do A. aegypti por meio da prospecção de substâncias com efeito larvicida, utilizando extratos do material vegetal fresco e seco de Phyllanthus acuminatus Vahl. Metodologia: Realizou-se um estudo experimental in vitro com Phyllanthus acuminatus Vahl, coletada no município de Maragogipe, Bahia, sobre larvas da espécie A. aegypti cedidas pela Biofábrica Moscamed, Juazeiro, Bahia, local onde foram conduzidos os bioensaios. As folhas foram pesadas e divididas em duas porções, sendo uma utilizada no processo de extração com o material fresco (1 mL, 0,50 mL, 0,25 mL e 12,5 mL), e a outra, encaminhada para sala de secagem, onde permaneceu por um período de 48 horas sob a temperatura de 25°C. Logo após, as folhas e caules secos também foram triturados e submetidos ao processo de obtenção do extrato bruto e suas partições, e com delineamento experimental inteiramente casualizado com quatro tratamentos (1.000 µg/mL, 500 µg/mL, 250 µg/mL, 125 µg/mL) mais o controle com três repetições, sendo todos testados em larvas de terceiro instar. As larvas foram acondicionadas em bandejas brancas em laboratório específico com temperatura de 25º ± 1ºC e 12 horas de fotofase em câmara B.O.D. Os dados obtidos foram submetidos ao teste de Tukey em nível de 5% de probabilidade e também foi utilizado o programa GraphPad Prism. Resultados: Foi verificada taxa de mortalidade em 24 e 48 horas de ensaio caracterizando sua ação como agente bioinseticida. Os melhores valores do bioensaio foram com o material vegetal fresco (1 mL) e do extrato acetato de etila, caule e folhas (250 µg/mL e 500 µg/mL). Conclusão: Com esse estudo foi possível perceber que o vegetal utilizado possui efeito sobre larvas de Aedes aegypti e pode contribuir para o rompimento no ciclo de vida do mosquito colaborando para a diminuição no uso indiscriminado de larvicidas sintéticos que apresentam alto poder de toxidade.


Keywords


Larvicida, Phyllanthus acuminatus Vahl, Dengue, Epidemia, Aedes aegypti.

References


ALBUQUERQUE, M.R.J.R. et al. Chemical composition and larvicidal activity of the essential oils from Eupatorium betonicaeforme (D.C.) Baker (Asteraceae). J. Agric. Food Chem. v. 52, n.22, p. 6708- 6711. 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1021/jf0352881. Acesso em: 10 nov. 2016.

ALVES, J.R.C; ALENCAR, J.; COSTA, J.M. Ocorrência de larvas de Aedes albopictus (Skuse) (Diptera, Culicidae), em recipiente artificial, na ilha de Marambaia, Mangaratiba, RJ, Brasil. Rev. Patol.Ttrop. v. 37, n. 2, p. 177-180. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.5216/rpt.v37i2.5049. Acesso em: 10 nov. 2018.

CHASE, M. W.; CHRISTENHUSZ, M. J. M.; FAY, M. F.; BYNG, J. W.; JUDD, W. S.; SOLTIS, D. E.; MABBERLEY, D. J.; SENNIKOV, A. N.; SOLTIS, P. S.; STEVENS, P. F. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Bot. J. Linn. Soc. v. 61, p. 105-121, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1111/boj.12385. Acesso em: 12 out. 2016.

ARAÚJO, C.B.F. Síntese de derivados solúveis de β escina e algumas avaliações físico-químicas e biológicas. 2008. Dissertação (Mestrado em Tecnologia Químico- Farmacêutica)- Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008. Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.9.2008.tde-21052008-140653. Acesso em: 15 mar. 2017.

AUGUSTIN, J.M, et al. Molecular activities, biosynthesis and evolution of triterpenoid saponins. Phytochemistry. v. 72, p. 435-457, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.phytochem.2011.01.015. Acesso em: 12 out. 2016.

AZEVEDO, F.R. et al. Efficiency of natural products to control Bemisia tabaci biotype b (Hemiptera: Aleyrodidae) on melon plant. Arq. Inst. Biol. v. 72, n. 1, p. 73-79, 2005. Acesso em: 08 jun. 2019.

BARBOSA, P.R.M.; RODRIGUES, W.C. & CABRAL, M.M.O. Incidência das formas imaturas de Aedes albopictus (Skuse) e Aedes aegypti (Linnaeus) no município de Miguel Pereira, RJ, Brasil. Entomo Brasilis. v. 3, n. 2, p. 55-58, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.12741/ebrasilis.v3i2.80. Acesso em: 27 out. 2017.

BRAGA, I.A et al. Aedes aegypti resistance to temephos during 2001 in several municipalities in the states of Rio de Janeiro, Sergipe and Alagoas, Brazil. Mem. Inst. Oswaldo Cruz. v. 99, n.2, p. 199 -203. 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0074-02762004000200015. Acesso em: 02 ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Preparação e resposta à introdução do vírus Chikungunya no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2014. 100 p. Acesso em: 12 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 8. ed. rev. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010. 448 p. Acesso em: 13 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Dengue: instruções para pessoal de combate ao vetor: manual de normas técnicas. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pncd_2002.pdf. Acesso em: 02 set. 2019.

CÁRDENAS-LÓPEZ, D.; MARÍN CORBA, C.A & SUÁREZ SUÁREZ, L.S. Plantas útiles de Lagarto Cocha y Serranía de Churumbelo en el departamento de Putumayo. Bogotá, D.C. Colombia: Instituto Amazónico de Investigaciones Científicas, 2002. 40p. Acesso em: 16 jun. 2019.

CHARIANDY, C.M et al. Screening of medicinal plants from Trinidad and Tobago for antimicrobial and insecticidal properties. J. Ethnopharmacol. v. 64, p. 265-270, 1999. Disponível em: DOI: 10.1016 / s0378-8741 (98) 00130-5. Acesso em: 15 ago. 2017.

CHEEKE, P.R. Actual and potential applications of Yucca schidigera and Quillaja saponaria: saponins in human and animal nutrition. In: Anais do II Simpósio sobre Ingredientes na Alimentação Animal, 217-237, Uberlândia, Campinas: CBNA, Brasil, 2002. Acesso: 14 jun. 2019.

CHUN, J. et al. Pentaclethra macroloba seed effect on larval growth cell viability and midgut enzyme activity of Helicoperva zea. J. Econ. Entomol. v. 87, p. 1754 -1760, 1994. Disponível em: https://doi.org/10.1093 / jee / 87.6.1754. Acesso em: 20 ago. 2017.

COELHO, A.A.M.; DE PAULA, J.E; ESPINDOLA, L,S. Inseticidal activity of Cerrado plant extracts on Rhodnius milesi Carvavallo, Rocha, Galvão & Jurberg (Hemiptera: Reduviidae), under laboratory conditions. Neotrop. Entomol. v. 35, p. 133-138, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1519-566X2006000100018. Acesso em: 20 ago. 2019.

CORRÊA, R.S. Toxicidade de extratos de Lonchocarpus floribundus Benth (Timbó) sobre Toxoptera citricidus Kirkaldy (pulgão-preto do Citrus (Sternorrhyncha: Aphilidae). 2006. Manaus. 68 p. Dissertação (Mestrado em Agricultura no Trópico Úmido), Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. Manaus. Disponível em: https://bdtd.inpa.gov.br/handle/tede/1344. Acesso em: 02 ago. 2020.

DEGALLIER, N. et al. Toward an early warning system for dengue prevention: modeling climate impact on dengue transmission. Climatic Change. 98: 581 – 592, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1007 / s10584-009-9747-3. Acesso em: 18 jun. 2015.

DONALÍSIO, M.R & GLASSER, C.M. Vigilância entomológica e controle de vetores do dengue. Rev. Bras. Epidemiol. 5: 259 – 272, 2002. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2002000300005. Acesso em: 18 fev. 2020.

FRANCIS, G. et al. The biological action of saponins in animal systems: a review. Br. J. Nutr. v.88; n. 6, p. 587 – 605, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1079 / BJN2002725. Acesso em: 18 fev. 2020.

GERMANO, K. de O. Comportamento antropofílico de mosquitos do gênero Aedes no Campus Bom Conselho. 2019. Taubaté-SP. Monografia (Graduação) – Universidade de Taubaté, Departamento de Ciências Biológicas, 2019. Taubaté-SP. Disponível em: http://repositorio.unitau.br/jspui/bitstream/20.500.11874/3707/1/KELLY-%2520TG-%2520FINALIZADO.pdf. Acesso em: 14 jan. 2020.

GOBBO-NETO, L. & LOPES, N.P. Plantas medicinais: fatores de influência no conteúdo de metabólitos secundários. Quím. Nova. v. 30, n.2. p. 374 -381, São Paulo. Mar./Apr. 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-40422007000200026. Acesso em: 20 fev. 2018.

GUZMÁN, M.G & KOURI, G. Dengue: an update. Lancet Infect. Dis. v.2, n.1, p.33-42, 2001. Disponível em: doi: 10.1016 / s1473-3099 (01) 00171-2. Acesso em: 21 fev. 2018.

ISMAN, M.B. Botanical insecticides, deterrents, and repellents in modern agriculture and an increasingly regulated world. Ann. Rev. Entomol. v.51, n. 1, p. 45-66, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1146 / annurev.ento.51.110104.151146. Acesso em:

KALINOWSKA, M. et al. The formation of sugar chains in triterpenoid saponins and glycoalkaloids. Phytochemistry. v. 4, p. 237-257, 2005. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s11101-005-1422-3. Acesso em: 23 mar. 2020.

KAO, ST et al. The Chinese medicine Bu-Zhong-Yi-Qi-Tang inhibited proliferation of hepatoma cell lines by inducing apoptosis via G0/G1 arrest. Life Sci. v. 69, n. 13, p. 1485-1496, 2001.Disponível em: https://doi.org/10.1016/s0024-3205 (01) 01226-7. Acesso em: 21 fev. 2018.

LUNA, J.D et al. Susceptibility of Aedes aegypti to temephos and cypermethrin insecticides, Brazil. Rev. Saúde Públ. v. 38, n.6, p. 1- 2, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000600013. Acesso em: 2 dez. 2019.

MOREIRA, E. A. Marcha sistemática de análise fitoquímica. Trib. Farm., Curitiba, v. 47, n. 1, p. 1-19, 1979. Acesso em: 17 abr. 2017.

NAKASHIMA, T. Étude phitochimique, evaluation des activités antifongiques et antivirales de trios Verbenaceae: Lippia alba N.E. Brown, Lippia multiflora Mold. Citharexylum myrianthum Cham. 1993. Tese (Doutorado) - Institut National Polytechnique de Toulouse, França, 1993. Acesso em: 21 fev. 2018.

PELAH, D.; ABRAMOVICH, Z. & WIESMAN, M.K. The use of commercial saponin from Quillaga saponaria bark as a natural larvicidal agent against Aedes aegypti and Culex pipiens. J. Ethnopharmacol. v. 81, n. 3, p. 407- 409. 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1016 / S0378-8741 (02) 00138-1. Acesso em: 21 fev. 2018.

PEREIRA, J.R & FAMADAS, K.M. Evaluation "in vitro" of the efficiency of timbo root extract (Dahlstedtia pentaphylla) (Leguminosae, Papilionoidae, Millettiedae) on Boophilus microplus (Canestrini, 1887) in the Paraiba Valley region - São Paulo, Brazil. Arq. Inst. Biol. v.71, n.4,p. 443 – 450, 2004. Acesso em: 5 fev. 2018.

RIBEIRO, B.D. Estratégias de processamento verde de saponinas da biodiversidade brasileira. 2012. Rio de Janeiro. 187 p. Tese (Doutorado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos), Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Disponível em: https://document.onl/documents/estratgias-de-processamento-verde-de-saponinas-da-tpqbequfrjbrdownloadprocessamento-verde-de-.html. Acesso em: 16 mai. 2018.

SAMUEL, R. et al. Molecular phylogenetics of Phyllanthaceae: evidence from plastid MATK and nuclear PHYC sequences. Am. J. Bot. v. 92, n. 1, p. 132- 141, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.3732 / ajb.92.1.132. Acesso em: 17 mai. 2015.

SANTIAGO, G.M.P. et al. Avaliação da atividade larvicida de saponinas triterpênicas isoladas de Pentaclethra macroloba (Willd.) Kuntze (Fabaceae) e Cordia piauhiensis Fresen (Boraginaceae) sobre Aedes aegypti. Rev. Bras. Farmacogn. v.15, n. 3, p. 187-190. 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-695X2005000300003. Acesso em: 3 fev. 2019.

SECCO, R.S et al. An overview of recent taxonomic studies on Euphorbiaceae s.l. in Brazil. Rodriguésia. v. 63, n. 1, p. 227-242, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rod/v63n1/a14v63n1.pdf. Acesso em: 21 fev. 2018.

SHI, W. et al. Investigation of ginsenosides in different parts and ages of Panax ginseng. Food Chem. v. 102, ed. 3. p. 664 -668, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2006.05.053. Acesso em: 6 fev. 2018.

SILVA, H.H.G. et al. Adaptação do Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) em criadouros artificiais com água poluída. Entomol. vectores. v.6, p. 383-391, 1999. Acesso em: 19 set. 2019.

SILVA, H.H.G. et al. Atividade larvicida de taninos isolados de Magonia pubescens St. Hil. (Sapindaceae) sobre Aedes aegypti (Diptera, Culicidae). Rev. Soc. Bras. Med. Trop. v.37, n.5, p. 396 – 399, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0037-86822004000500005. Acesso em: 6 fev. 2018.

SILVA, H.H.G.; SILVA, I.G. Influência do período de quiescência dos ovos sobre o ciclo evolutivo de Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera, Culicidae) em condições de laboratório. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. v.32, n.4, p. 349 – 355, 1999. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0037-86821999000400003. Acesso em: 21 fev. 2018.

SILVA, I.G, et al. Efeito larvicida e toxicológico do extrato bruto etanólico da casca do caule de Magonia pubescens sobre Aedes aegypti (Diptera, Culicidae), em criadouros artificiais. Rev. Patol. Trop. v.32, p. 73-86, 2003. Acesso em: 15 mar. 2018.

SPARGH, S.G; LIGHT, M.E.; VAN STADEN, J. Biological activities and distribution of plant saponins. J. Ethnopharmacol. v. 94, n.2-3, p. 219 – 243, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1016 / j.jep.2004.05.016. Acesso em: 21 fev. 2018.

TAKAGI, B. A.; SOUZA, T. G. B. DE; OLIVEIRA, M. D. DE; BERNARDES; L. G.; ODA; J. Y.; MACHADO, A. R. DA S. R.; MACHADO, A. M. Efeito larvicida e ovocida de extratos de Crotalaria pallida sobre o vetor Aedes aegypti. Braz. J. of Develop.,Curitiba, v. 6, n.5, p.23060-23074, May. 2020. Disponível em: https://doi.org/ 10.34117/bjdv6n5-019. Acesso em: 07 jan. 2020.

VINCKEN, J.P et al. Saponins, classification and occurrence in plant kingdom. Phytochemistry. v. 68, n.3, p. 275- 297, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1016 / j.phytochem.2006.10.008. Acesso em: 14 ago. 2019.

WURDACK, K.J; HOFFMANN, P. & CHASE, M.W. Molecular phylogenetic analysis of uniovulate Euphorbiaceae (Euphorbiaceae s.s.) using plastid rbcL and trnL-F DNA sequences. Am. J. Bot. v.92, n.8, p.1397-1420, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.3732 / ajb.92.8.1397. Acesso em: 13 out. 2018.

YANG, Y.C. et al. A piperidine amide extracted from Piper longum L. fruit shows activity against Aedes aegypti mosquito larvae. J. Agric. Food. Chem. v.50, n.13, p. 3765- 3767, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1021 / jf011708f. Acesso em: 21 fev. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-357

Refbacks

  • There are currently no refbacks.