Utilidades e a importância econômica da Copernicia prunifera para o Rio Grande do Norte: uma espécie em extinção / Utilities and economic importance of Copernicia prunifera for Rio Grande do Norte: an endangered species

Andréa Celina Ferreira Demartelaere, Hailson Alves Ferreira Preston, Maria Natali Pereira do Nascimento, Kênia Karolayne Firmino Gomes, Maria Eduarda Araújo da Silva, Jaltiery Bezerra de Souza, Damiana Cleuma de Medeiros, Patrícia Clemente Abraão, Leoclécio Luís de Paiva, Murilo dos Santos Ferreira, Luiz Eduardo Santos Lazzarini, Kissia Alana Silva Cordeiro, Larissa Alves da Silva, Rosemberg Ferreira Senhor

Abstract


A carnaubeira Copernicia prunifera é uma espécie de palmeira nativa do Brasil que pertence a família Aracaceae. Essa palmeira ocorre no Nordeste Brasileiro nos vales dos rios da região da caatinga, principalmente do Parnaíba e seus afluentes, do Jaguaribe, do Acaraú, do Apodi e do médio São Francisco. Portanto, a presente revisão teve como objetivo explanar as utilidades e a importância econômica da Copernicia prunifera para o Estado do Rio Grande do Norte e o risco de extinção. A economia da carnaúba consiste no conjunto de atividades que utilizam as folhas, o caule, o talo, a fibra, o fruto e as raízes dessa palmeira para a fabricação de inúmeros produtos artesanais e industriais. De suas folhas é retirado o pó cerífero utilizado para a produção de cera, que é o seu principal produto, obtida através de processos artesanais ou industriais. Extima-se que nos estados do Rio Grande do Norte, Piauí e Ceará, 200 mil pessoas sejam ocupadas direta ou indiretamente pela atividade de obtenção pó de carnaúba para a produção de cera no período de safra (verão). A Copernicia prunifera apresenta-se como uma importante fonte econômica para o Nordeste brasileiro, devido a sua vasta gama de produtos e subprodutos, gerando empregos e renda não só no meio rural, mas também nos grandea centroa urbanos, porém, vem sendo explorada de forma errônea, com grandes indícios de extinção da presente espécie.


Keywords


Carnaúba, Uso, Economia, Desmatamento.

References


ALVES, M. O.; COÊLHO, J. D. O extrativismo da carnaúba no Nordeste. 2019. p. 12-53.

ALVES, J. A. Família Aracaceae (palmeiras) no município de Lavras. Carne, v.16, n. 2, p. 163-170, 2010.

ARAÚJO, J. P. R.; ALMEIDA, F. W. M.; FERREIRA, J. J. Vale do Açu: Aspectos de preservação das matas de carnaubal. Ceres, v. 1, n. 2, p. 262 - 264, 2015.

BARBOSA, F.; COSTA, A. M. B.; SILVA, F. M. Cooperativa Carnaúba Viva: preservação e valorização da caatinga para o desenvolvimento sustentável do semiárido brasileiro. Sociedade e Território, v. 21, n. 1 – 2 (Edição Especial), p. 68 - 80, 2009.

BRAGA, R. Plantas do Nordeste Especialmente do Ceará. Fundação Guimarães Duque. Coleção Mossoroense, Série C. v. 1204, 2011.

CARVALHO, J. N. F. Pobreza e tecnológias no extrativismo da carnaúba. Teresina. 2008. p. 41-104.

CARVALHO, J. N. F. Novas dinâmicas nas relações de trabalho no extrativismo da palha de carnaúba, Copernicia prunifera (Miller) H. E. Moore, à luz do trabalho decente. p. 106-188. 2017.

CARVALHO, J. N. F.; GOMES, J. M. A. Dinâmica Econômica do sistema agroindustribal da cera de carnauba no Piauí. Igepec, v. 21, n. 1, p. 48-65, 2017.

CARVALHO, J. B. de M. Ensaios sobre a carnaubeira. 2. ed. Natal: EMPARN, 1982.

CAVALCANTI, S. L. L. Caracterização do óleo de carnaúba para uso como biolubrificante. 2014. 77 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Materiais; Projetos Mecânicos; Termociências) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

COSTA, V. L. S.; GOMES, J. M. A. Crédito e conservação ambiental no extrativismo da carnaúba (Copernicia prunifera (Mill.) H. E. Moore) no nordeste brasileiro no período de 2007 a 2012. Interações, v. 17, n. 1, p. 4-14, 2016.

COUTINHO, A. Artesanato em palha de carnaúba cria nova solução tecnológica: imaginário pernambucano. 12 set. 2006. Disponível em: . Acesso em: 11 Dez. 2006.

DUQUE, J. G. Solo e Água no Polígono das Secas. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2004, 6ª. Edição.

FERREIRA, C. S. Comportamento de populações de carnaubeira em diferentes estádios de desenvolvimento no município de União–Piauí. 2009. 60 f. Dissertação (Mestrado em Agronomia: Área de concentração em Produção Vegetal) - Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2009.

FREITAS, C. A. S.; VIEIRA, I. G.; SOUSA, P. H.; MUNIZ, C. R.; GONZAGA, M. L.; GUEDES, M. I. F. Carnauba wax p-methoxycinnamic diesters: Characterisation, antioxidant activity and simulated gastrointestinal digestion followed by in vitro bioaccessibility. Food Chemistry, v. 196, p. 1293–1300, 2016.

GOMES, J. A. F.; LEITE, E. R.; CAVALCANTE, A. C. R.; CÂNDIDO, M. J. D.; LEMPP, B.; BOMFIM, M. A. D.; ROGÉRIO, M. C. P. Resíduo agroindustrial da carnaúba como fonte de volumoso para terminação de ovinos. Pesquisa Agropecuária Brasileira. v. 44, n. 1, p. 58- 67, 2009.

GUIMARÃES, P. P.; BOTREL. R. T.; NOGUEIRA N. W.; CASTRO, V. G.; AGUIAR, G. P.; CARMO, F. C. A. Produtos florestais não madeireiros do nordeste brasileiro: carnaúba. Nativa, v. 6, n. 2, p. 213-218, 2018.

IBGE- Em 2019, a pesquisa mostrou que foram produzidos, no estado, 10,9 mil toneladas de pó de carnaúba, o que representa 56,4% do volume total do produto no país. Disponível em: Aceso em: 27 Dez. 2020.

IPECE. Instituto de Pesquisas e Estratégias Econômica do Ceará. Perfil básico municipal Sobral. Fortaleza: Disponível em: <_ HYPERLINK "http://www.ipece.ce.gov.br" __www.ipece.ce.gov.br_>. Acesso em 15 de out. 2015.

LIMA, A. S; ARAÚJO, J. L. L. Geoambientes e as atividades agropecuárias consorciados e associados nas áreas dos carnaubais. In: GOMES, Jaíra Maria Alcobaça (org.) Cadeia produtiva da cera de carnaúba: diagnósticos e cenários. Teresina: EDUFPI, 2006. p. 35-47.

MARQUES J. S. Uso do pó da palha de carnaúba em compósitos de quitosana. Natal/RN. 2012. p. 15-74.

MELO, R. S.; CARNEIRO, J. G. M. Aproveitamento de frutos verdes de carnaúba na elaboração de macarrão tipo talharim. Teresina, Comunicado Técnico. Universidade Federal do Piauí, n. 8, 3 p. 2016.

MESQUITA, R. C. M. Seleção de genótipos superiores de carnaubeira (Copernicia sp.). Formulário de projeto de pesquisa apresentado ao FUNDECI-ETENE-BNB, Fortaleza, CE, jan. 2005.

NASCIMENTO, E. B.; SILVA, J. L. M.; ALMEIDA, L. V.; LEÇA, R. A. A Cera de Carnaúba: Origem, Produção e Mercados.VIIIEPA. 2013.

NETO, O. A. R. Carnaubeira. Disponível em: Acesso em: 19 fev. 2014.

NOGUEIRA, D. H. Qualidade e potencial de utilização de frutos de genótipos de carnaubeira (Copernicia prunifera) oriundos do estado do Ceará. 2019. 111 f. Tese (Doutorado emAgronomia: Área de concentração em Agricultura Tropical – Fisiologia Pós-colheita de Frutos e Hortaliças) - Universidade Federal da Paraíba, Areia-PB, 2019.

PROTÁSIO, T. P.; ALVES, I. C. N.; TRUGILHO, P. F.; SILVA, V. O.; BALIZA, A. R. R. Compactação de biomassa vegetal visando à produção de biocombustíveis sólidos. Pesquisa Florestal Brasileira, v. 31, n. 68, p. 273-283, 2011.

QUEIROGA, V. P.; RAMOS, G. A.; ASSUNÇÃO, M. V.; ALMEIDA, F. A. C. Carnaubeira: Tecnologias de Plantio e Aproveitamento Industrial. 1ª Edição; Editora Universidade de Campina Grande; 2013.

REIS, R. G. E.; PEREIRA, M. S.; GONÇALVES, N. R.; PEREIRA, D. S.; BEZERRA, A. M. E. Emergência e qualidade de mudas de Copernicia prunifera em função da embebição das sementes e sombreamento. Revista Caatinga, v. 24, n. 4, p. 43-49. 2011.

SANTOS, A. S. B. A. Agricultura familiar e produção de vassouras da palha de carnaúba na perspectiva do desenvolvimento local em coivaras/Piauí. 2010. 107 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente: Área de Concentração em Desenvolvimento do Trópico Ecotonal do Nordeste.) - Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2010.

SOUSA, R. F.; SILVA, R. A. R.; ROCHA, T. G. F.; SANTANA, J. A. S.; VIEIRA, F. A. Etnoecologia e etnobotânica da palmeira carnaúba no semiárido brasileiro. Cerne, v. 21, n. 4, p. 5894, 2015.

VIEIRA, F. A; SOUSA, R. F; SILVA, R. A. R; FAJARDO, C. G; MOLINA, W. F. Diversidade genética de Copernicia prunifera com o uso de marcadores moleculares ISSP. Revista brasileira de ciência agrárias, v. 10, n. 4, p. 525- 531, 2015.

XIMENES NETO, F. R. G.; CRISPIM, F. S. da P. Riscos à saúde de trabalhadores rurais no extrativismo da palha de carnaúba. Enfermagem em Foco, v. 10, n. 2, p. 17-23, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-344

Refbacks

  • There are currently no refbacks.