Proposta didática para calcular volumes utilizando hidrostática / Teaching proposal for calculating volumes using hydrostatics

Bruno Oliveira de Almeida, Rodrigo Barbosa Soares, Cinthya Maria Schneider Meneghetti

Abstract


Este trabalho[1] propõe utilizar o Princípio de Arquimedes, conceito advindo da hidrostática, como método para calcular o volume de sólidos. O objetivo geral é que os discentes se apropriem deste princípio como um método alternativo para o cálculo do volume de objetos físicos, inclusive os que estão presentes em seu cotidiano. Além disso, deseja-se que os alunos não somente consigam calcular o volume de sólidos geométricos, mas, também, através do Princípio de Arquimedes, calcular o volume de quaisquer sólidos que assim desejarem. O desenvolvimento das atividades permeia a interdisciplinaridade e o uso de material concreto.  No desfecho, espera-se que os alunos se apropriem do Princípio de Arquimedes, ressignificando, através deste, o aprendizado sobre volume de sólidos e, consequentemente, os possibilitando a calcular o volume de qualquer objeto desejado.


[1] Este trabalho advém da dissertação intitulada “O Princípio de Arquimedes e o Cálculo do Volume de Sólidos Quaisquer” do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT), também apresentado no I ENOPEM (https://matematicanaescola.com/ienopem/).


Keywords


Volume, Princípio de Arquimedes, Sólidos Geométricos.

References


AGRANIONIH, N. T.; SMANIOTTO, M. Jogos e aprendizagem matemática: uma interação possível. EdiFAPES, Erechim, p. 16, 2002.

ALVES, F. D. O lúdico e a educação escolarizada da criança. São Paulo: SciELO Books, 2009. 71 p. Citado na página 17.

AZEVEDO, A. Apresentação do trabalho montessoriano. Revista de Educação & Matemática, n. 3, p. 26–27, 1979.

BRASIL. Base nacional comum curricular (BNCC). Educação é a Base. MEC/CONSED/UNDIME, p. 272, 309, 315, 319, 341, 471, 527, 535, 537, 540, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27/06/2020.

COSTA, C. A.; LOUREIRO, C. F. A interdisciplinaridade em Paulo Freire: aproximações político-pedagógicas para a educação ambiental crítica. ISSN 1982-0259, Revista Katálysis vol.20 no.1, Florianópolis, p. 116–117, 2017.

DAHER, A. F. B. Aluno e professor: Protagonistas do processo de aprendizagem. Prefeitura Municipal de Campo Grande, p. 11, 2008. Citado 2 vezes nas páginas 14 e 15.

FANTI, E. de L. C.; KODAMA, H. M. Y.; NECCHI, M. A. Explorando poliedros convexos no ensino médio com e software poly. UNESP - XXIV Congresso de Iniciação Científica, p. 734, 2012.

FRANCO, S.; PEREIRA, C. O estudo da geometria espacial e recursos pedagógicos manipuláveis: Uma estratégia para aguçar o interesse e a criatividade do aluno. Governo do Estado - Secretaria da Educação, Paraná, p. 1–2, 2013.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 5. ed. [S.l.]: Cortez, 2001. 183 p.

LAGO, W. L. A. do; ARAUJO, J. M.; SILVA, L. B. Interdisciplinaridade e ensino de ciências: Aspirações atuais do ensino. ISSN 1984-3879, SABERES, Natal, Rio Grande do Norte, p. 53, 2015.

MOL, R. S. Introdução à história da matemática. Belo Horizonte, p. 13, 2013.

OLIVEIRA, J. M. de; AMARAL, J. R. do. O pensamento abstrato. Revista Eletrônica de Divulgação Científica em Neurociência, Cérebro & Mente. Universidade Estadual de Campinas, 2001. Disponível em: . Acesso em: 27/06/2020.

ROSSETTO, H. H. P. Um resgate histórico: A importância da história da matemática. Medianeira, p. 11, 2013.

SOUZA, G. M. de. Geometria e números construtíveis: História e prática. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-339

Refbacks

  • There are currently no refbacks.