A descolonização do conhecimento: uma análise da dinâmica territorial em Nego Bispo, um intelectual quilombola / Decolonization of knowledge: an analysis of territorial dynamics in Nego Bispo, a quilombola intellectual

Zenaira Santos

Abstract


as comunidads quilombolas foram por muito tempo invisibilizadas pela sociedade brasileira e pelas ciências humanas e ainda carregam estigmas de múltiplos estereótipos de opressão historicamente interseccionados, sejam de raça, classe, religião e cultura, entre outros. Dado o desafio ético, político, epistemológico e ontológico da descolonização do conhecimento hegemônico, esse trabalho objetivou relacionar a produção de diferentes teóricos, que abordam a temática territorial, com a perspectiva conceitual do intelectual quilombola Antônio Bispo dos Santos. Ao longo da análise bibliográfica realizada verificou-se a importância da troca de saberes entre as culturas afrodescendentes tradicionais e as experiências de ensino e pesquisa acadêmicas, para melhor compreensão das categorias território, territorialidade e identidade territorial, intimamente entrelaçadas às dinâmicas confluentes das comunidades Remanescentes de Quilombo.


Keywords


Território, Comunidades Remanescentes de Quilombos, Lugar de fala.

References


ANDRÉ, M. C. O ser negro: a construção de subjetividades em afro-brasileiros. Brasilia: LGE Editora, 2008. 266p.

ARRUTI, J. M. Mocambo: Hist6ria e Antropologia do Processo de Formac;ao Quilombola. Baum/Sao Paulo: EDUSC/ANPOCS, 2006.

FIABANI, A. Mato, Palho<;a e Pilao: o quilombo, da escravidao as comunidades remanescentes (1532 -2004). Sao Paulo: Expressao Popular, 2005. 424 p.

HAESBAERT, R. Identidades Territoriais. In: CORREA, Roberto Lobato; ROSENDHAL, Zeny. (Org.). Manifestações da Cultura no Espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999.

. O mito da desterritorialização: "do fim dos territórios" a multiterritorialidade. RJ: Bertrand Brasil, 2004.

. Território, Poesia e Identidade. In: HAESBAERT, R. Territórios alternativos. São Paulo: Contexto, 2006. cap.8, p. 143-158.

MIGNOLO, W. Desobediência Epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em politica. Cadernos de Letras da UFF - Dossiê: Literatura, língua e identidade, n° 34, p. 287-324, 2008.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Dilemas dos Movimentos Emancipatórios Contemporâneos: dos Jatos e das versões (teorias). Cadernos do CEAS, Salvador, n. 237, p. 225-253, 2016. Disponível em: https://cadernosdoceas.ucsal.br/index.php/cadernosdoceas/article/download/242/205. Acesso em: 26 out. 2019.

QUIJANO, A. (2000). "Colonialidad del poder y clasificacion social" .Journal of world¬ systems research, v. 11, n. 2, p. 342-386.

RAFFESTIN, C. Por uma Geografia do Poder. Tradução: Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993. 266 p.

RATTS, A. Eu sou Atlântica. Sao Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006. 138 p., pt. 2, cp. 9, p. 117-127.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento, 2017. 112 p.

SANTOS, A. B. dos. Colonização, Quilombos: modos e significações. Brasília, DF: INCTI - UnB, 2015.

. Somos da terra. Piseagrama, Belo Horizonte, n. 12, 2018, p. 44-51. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2019.

SOUZA, M. L. de. Os conceitos fundamentias da pesquisa sócio-espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013. 320 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-330

Refbacks

  • There are currently no refbacks.