Para além da dicotomia educar / cuidar em creche / Beyond the dichotomy to educate / care in daycare

Isabel Mª Tomázio Correia

Abstract


Nesta comunicação apresenta-se um estudo[1] que tem por objetivo compreender os sentidos e significados que as educadoras de infância atribuem às suas práticas pedagógicas no contexto de creche, bem como a(s) forma(s) como pensam a educação nesta valência e como se veem a si próprias enquanto educadoras no atendimento de crianças dos zero aos três anos. Para conseguirmos esse entendimento procurámos aceder ao conhecimento de alguns traços das suas trajetórias pessoais e profissionais e dos contextos onde atuam. Do ponto de vista metodológico, o estudo inscreve-se num paradigma de natureza qualitativa e interpretativa com características de estudo de caso múltiplo. A incursão empírica realizou-se em três estabelecimentos educativos (rede privada e social), com a participação de seis educadoras de infância. Para a recolha da informação recorremos a observações, pesquisa documental, entrevistas semiestruturadas individuais e coletiva (focus group). A análise interpretativa da informação recolhida permitiu compreender que as educadoras de infância procuram atribuir à educação das crianças em contexto de creche uma especificidade teoricamente fundamentada, o que efetivam através da afirmação de uma intencionalidade da ação educativa e da procura permanente de construção de um discurso educacional, no sentido de ultrapassar a visão assistencialista da intervenção que tende a prevalecer. Tais processos são consubstanciados por interações humanas, através de uma intervenção revestida de sentido ético, afetividade, responsabilidade e respeito pelas crianças, famílias e equipas educativas. Atuam como facilitadoras das trocas sociais entre adultos e crianças, multiplicando-se em funções, pelo que têm necessidade de recorrer a diferentes domínios do saber. A valorização dos saberes construídos num diálogo permanente com a situação real, a construção de uma pedagogia articulada entre as equipas educativas e as famílias, a inovação na divulgação das práticas pedagógicas conduzem a traços identitários destas educadoras e singularizam a sua identidade profissional.


[1] Estudo desenvolvimento no âmbito do Doutoramento em Educação, na especialidade de Formação de Adultos, no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, sob a orientação do Professor Doutor Rui Canário e Professora Doutora Teresa Vasconcelos.

Nesta comunicação apresenta-se um estudo[1] que tem por objetivo compreender os sentidos e significados que as educadoras de infância atribuem às suas práticas pedagógicas no contexto de creche, bem como a(s) forma(s) como pensam a educação nesta valência e como se veem a si próprias enquanto educadoras no atendimento de crianças dos zero aos três anos. Para conseguirmos esse entendimento procurámos aceder ao conhecimento de alguns traços das suas trajetórias pessoais e profissionais e dos contextos onde atuam. Do ponto de vista metodológico, o estudo inscreve-se num paradigma de natureza qualitativa e interpretativa com características de estudo de caso múltiplo. A incursão empírica realizou-se em três estabelecimentos educativos (rede privada e social), com a participação de seis educadoras de infância. Para a recolha da informação recorremos a observações, pesquisa documental, entrevistas semiestruturadas individuais e coletiva (focus group). A análise interpretativa da informação recolhida permitiu compreender que as educadoras de infância procuram atribuir à educação das crianças em contexto de creche uma especificidade teoricamente fundamentada, o que efetivam através da afirmação de uma intencionalidade da ação educativa e da procura permanente de construção de um discurso educacional, no sentido de ultrapassar a visão assistencialista da intervenção que tende a prevalecer. Tais processos são consubstanciados por interações humanas, através de uma intervenção revestida de sentido ético, afetividade, responsabilidade e respeito pelas crianças, famílias e equipas educativas. Atuam como facilitadoras das trocas sociais entre adultos e crianças, multiplicando-se em funções, pelo que têm necessidade de recorrer a diferentes domínios do saber. A valorização dos saberes construídos num diálogo permanente com a situação real, a construção de uma pedagogia articulada entre as equipas educativas e as famílias, a inovação na divulgação das práticas pedagógicas conduzem a traços identitários destas educadoras e singularizam a sua identidade profissional.


[1] Estudo desenvolvimento no âmbito do Doutoramento em Educação, na especialidade de Formação de Adultos, no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, sob a orientação do Professor Doutor Rui Canário e Professora Doutora Teresa Vasconcelos.


Keywords


Creche, Práticas Pedagógicas, Educadoras de Infância, Identidade Profissional.

References


Afonso, N. (2005), Investigação naturalista em educação. Um guia prático e crítico. Porto: Edições ASA.

Bairrão, J. & Tietze, W. (1995), A Educação Pré-Escolar na União Europeia (pp. 29-74). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994), Investigação Qualitativa em Educação – uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Caldwell, B. (1995), Creche – Bebé, Família e Educação. In: J. Gomes-Pedro (coord.), Bebé XXI, Criança e Família na viragem do século (pp. 470-473). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Canário, R. (1992), Estabelecimento de ensino: a inovação e a gestão de recursos educativos. In: António Nóvoa (org.), As organizações escolares em análise (pp. 165-187). Lisboa: D. Quixote.

Carvalho, R. & Fochi, P. (2016), O muro serve para separar os grandes dos pequenos”: narrativas para pensar uma pedagogia do cotidiano na educação infantil. Revista Textura, Vol. 18. Nº 36, jan/abr, 153-170. Consultado em 8 de setembro de 2017, em http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/viewFile/1949/1458.

Correia, I. (2002), Olhares das educadoras de infância sobre a profissão e a identidade no contexto de projetos de intervenção sócio educativa e comunitária. (Tese de Mestrado em Ciências da Educação, não publicada). Lisboa: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

Dahlberg, Moss & Pence (2003), Qualidade na Educação da Primeira Infância – perspetivas pós-modernas. Porto Alegre: Artmed.

Denzin, N., Lincoln, Y., (2006), O Planejamento da Pesquisa Qualitativa, Teorias e Abordagens (2ª ed.). São Paulo: Artmed.

D`Espiney, R. (1997), Especificidades de um projeto de educação de infância itinerante. In: Mirna Montenegro (org.), Educação de Infância e Intervenção Comunitária. Setúbal: Instituto das Comunidades Educativas.

Duarte, R. (2002), Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, nº 115, 139-154. Consultado em 3 de fevereiro de 2012, em http://www.scielo.br/pdf/cp/n115/a05n115.pdf.

Duarte, F. (2011), Professora de bebés: as dimensões educativas que constituem as especificidades da docência. (Tese de Mestrado não publicada). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Consultado em 2 de março, em 2016, de https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/95578/298646.pdf?sequence=1.

Dubar, C. (1997), A socialização: a construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora.

Ferreira, M. (2004), Do “Avesso” do brincar ou... as relações entre pares, as rotinas da cultura infantil e a construção da(s) ordem(ens) social(ais) instituinte(s) das crianças no jardim de infância. In: Manuel Jacinto Sarmento (org.), Crianças e Miúdos: Perspetivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto: Edições ASA.

Freire, P. (1972), A pedagogia do oprimido. Brasil: Porto Alegre.

Friedmann, A. (2012), É hora de discutir o que queremos para as nossas crianças. Revista Pátio Educação Infantil, Ano X, n.º 32, julho. Porto Alegre. Consultado em 5 de maio 2016, em http://www.grupoa.com.br/site/revista-patio/artigo/7225/e-hora-de-discutir-o-que-queremos-para-nossas-criancas.aspx.

Gonzalez-Mena, J. (2015), Fundamentos da Educação Infantil. Ensinando Crianças de uma Sociedade Diversificada (6ª ed.). Porto Alegre: AMGH Editora Ltda.

Guimarães, D. & Leite, Mª Isabel (1999), A pedagogia dos pequenos: uma contribuição dos autores italianos. 22ª Reunião Anual da ANPED, Caxambu. Consultado em 10 de março de 2012, em http://www.anped.org.br.

Graue, M. E. & Walsh, D. J. (2003), Investigação Etnográfica com Crianças: Teorias, Métodos e Ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Horn, Mª da Graça (2017), Brincar e interagir nos espaços da escola infantil. Porto Alegre: Penso.

Lima, J. (2006), Ética na Investigação. In: Jorge Lima & José Pacheco (orgs.), Fazer Investigação. Contributos para a elaboração de dissertações e teses (pp. 127-159). Coleção Panorama. Porto: Porto Editora.

Malaguzzi, L. (1999), O trabalho de colegiado de professores. In: Edwards, C. et. al, As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância (pp. 81-91). Porto Alegre: Artes Médicas.

Martins Filho, A., & Prado, P. (2011), Das pesquisas com crianças: à complexidade da infância. São Paulo: Autores Associados.

Martins Filho, A. (2013), Minúcias da vida cotidiana no fazer-fazendo da docência na educação infantil. (Tese de Doutoramento em Educação não publicada). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Obtido em 4 de março de 2016, de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/72780/000886247.pdf?sequence=1

Matos, Manuela (2002), Modos de Ser Educadora de Infância – Diversidade de Contextos e Diversidade de Prática. (Tese de Mestrado em Educação de Adultos, não publicada). Lisboa: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. Universidade de Lisboa.

Moss, Peter & Petrie, P. (2002), From Children’s Services to Children’s Spaces: Public policy, children and childhood. London: Routledge/Falmer.

Moss, Peter (2009), Introduzindo a política na creche: a educação infantil como prática democrática. Psicologia USP, Vol. 20, nº3, 417- 436. Consultado em 4 de janeiro, em 2017, de http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=305123733007.

Nóvoa, A. (1987), Les temps des professeurs – Analyse socio-historique de la profession enseignante au Portugal (XVIII-XX siècle). Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Cientifica.

Nóvoa, A. (1988), O método (auto)biográfico na encruzilhada dos caminhos ( e descaminhos) da formação dos adultos. Revista Portuguesa de Educação, 1, nº 2, 7-20.

Nóvoa, A. (2000), Os Professores e a História da sua Vida. In: A. Nóvoa (org.), Vidas de professores (pp. 11-31). Coleção Ciências da Educação. Porto: Porto Editora.

OCDE (2012), Quality M atters inearly childhood education and care: Portugal. Paris: OCDE. Consultado em 4 de fevereiro de 2016, em http://dx.doi.org/10.1787/9789264176720-en.

Oliveira, J. (2007), Políticas e práticas de atendimento à primeira infância: lições da experiência internacional. Educação Infantil. Brasília: Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados, Confederação Nacional do Comércio e Instituto Alfa e Beto, 207-232. Consultado em 4 de fevereiro de 2017, em http://www.alfaebeto.org.br/wpcontent/uploads/2015/12/politicas_e_praticas_de_atendimento_a_primeira_infancia.pdf.

Oliveira-Formosinho, J. (1998), O desenvolvimento profissional das educadoras de infância – um estudo de caso. (Tese de Doutoramento em Estudos da Criança, não publicada). Braga: Universidade do Minho.

Ostetto, L. (org.) (2000), Encontros e encantamentos da educação infantil: Partilhando experiências de estágios. Campinas, SP: Papirus.

Rayna, Sylvie, S. (2013), Alianças Educativas – Entre os serviços para a infância e as famílias. In: Revista Infância na Europa, n.º 24, 6-7.

Rodrigues, A. (2016), A participação das crianças bem pequenas no quotidiano da creche. In: Travessias e Travessuras nos Estudos da Criança. Atas do III Simpósio Luso-Brasileiro em Estudos da Criança. Porto: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, 41-59. Consultado em 9 de setembro de 2017, em http://estudosdacrianca3.pt/wpcontent/uploads/2017/08/Atas_Simp%C3%B3sio_Estudos_III_red.pdf.

Sarmento, T. (1999), Percursos Identitários de Educadores de Infância em Contextos Diversificados – Cinco histórias de vida. (Tese de Doutoramento em Estudos da Criança, não publicada). Instituto de Estudos da Criança. Braga: Universidade do Minho.

Tuckman, B. W. (2005), Manual de Investigação em Educação (3ª ed.). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Vasconcelos, T. (1997), Ao redor da mesa grande. A prática educativa de Ana. Coleção Infância. Porto: Porto Editora.

Vasconcelos, T. (2001), Exame temático da OCDE sobre educação e cuidados para a infância. Relatório comparativo internacional: da construção do edifício ao lançamento de pontes para o futuro. In: Revista do GEDEI, Infância e Educação – Investigação e práticas, nº 3, 7-24.

Vasconcelos, T. (2006), Etnografia: Investigar a Experiência Vivida. In: Jorge Lima & José Pacheco (orgs.), Fazer Investigação. Contributos para a elaboração de dissertações e teses (pp. 86-104). Coleção Panorama. Porto: Porto Editora.

Vasconcelos, Teresa (2012), A casa [que] se procura: percursos curriculares na educação de infância em Portugal. Lisboa: APEI.

Vasconcelos, T. (2014), Tecendo Tempos e Andamentos na Educação de Infância (Última Lição). Coleção Estudos e Reflexões. Média XXI-Publishing Research and Consulting.

Yin, R. (2005), Estudo de caso: planejamento e métodos (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-302

Refbacks

  • There are currently no refbacks.