Maternidade e Espiritualidade: A experiência das mulheres que escolheram parir em casa / Motherhood and Spirituality: The experience of women who have chosen to give birth at home

Marita de Almeida Assis Brilhante, Waglânia de Mendonça Faustino

Abstract


Este artigo analisa a experiência das mulheres que tiveram parto domiciliar planejado sob a perspectiva da espiritualidade, compreendida como uma dimensão humana, não necessariamente relacionada a rituais ou dogmas religiosos. Foram entrevistadas 11 mulheres assistidas em seu domicílio em João Pessoa. Os dados foram analisados pela técnica de análise temática. O perfil das entrevistadas evidencia mulheres de classe média, com escolaridade elevada e diversidade religiosa. A decisão pelo parto em casa foi motivada pelo desejo de vivenciar esse momento de forma mais singular e menos medicalizada, numa espécie de fuga do sistema hospitalar, considerado inseguro pelas intervenções desnecessárias e pela ausência de respeito a sua autonomia. Durante a gestação, elas conviveram com sentimentos ambíguos como medos, angústias, tristezas e felicidades. O parto foi considerado o ápice dessa experiência, transformando seu modo de ver e agir no mundo. O medo da morte e a referência à ancestralidade feminina são temas frequentes em seus discursos. Embora esteja longe de ser uma realidade acessível para a maioria das brasileiras, o parto domiciliar planejado mostra-se como alternativa segura para mulheres de risco habitual à assistência ao parto hospitalar medicalizado, possibilitando às mulheres o respeito também à dimensão espiritual.

Keywords


Maternidade, Espiritualidade, Parto Domiciliar.

References


Leal M do C, Pereira APE, Domingues RMSM, Filha MMT, Dias MAB, Nakamura-Pereira M, et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres Brasileiras de risco habitual. Cad Saude Publica. 2014;30(SUPPL1):17–32.

Frank TC, Pelloso SM. A percepção dos profissionais sobre a assistência ao parto domiciliar planejado. Rev Gaúcha Enferm. 2013;34(1):22–9.

Alves M, Brüggemann O, Bampi R, Godinho V. the Support of the Companion Choosen By the Pregnant Mother in a Maternity School. Rev Pesqui Cuid é Fundam Online. 2013;5(3):153–64.

Longo CSM, Andraus LMS, Barbosa MA. Participação do acompanhante na humanização do parto e sua relação com a equipe de saúde. Rev Eletrônica Enferm. 2010;12(2):386–91.

Maia MB. Humanização do parto: política pública, comportamento organizacional e ethos profissional. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2010. 189 p.

Moraes PÁ, Mattos DV, Matão MEL, Martins CA, Nascimento J de P. a Dor do parto: Percepção de Mulheres que pariram no domicílio. Rev enferm UFPE line, Recife. 2016;10(5):4176–81.

Sanfelice CF de O, Shimo AKK. Boas práticas em partos domiciliares: perspectiva de mulheres que tiveram experiência de parto em casa. Rev Eletrônica Enferm. 2016;18(1):1–10.

Crowther S, Hall J. Spirituality and spiritual care in and around childbirth. Women and Birth. 2015;28(2):173–8.

Carneiro R. Cenas de Parto e Políticas do Corpo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2015.

Souza HR. A arte de nascer em casa: um olhar antropológico sobre a ética, a estética e a sociabilidade no parto domiciliar contemporâneo. Florianópolis. Dissertação [Mestrado em Antropologia Social] - Universidade Federal de Santa Catarina, 2005.

Koettker JG, Brüggemann OM, Knobel R. Maternal results from planned home births assisted by nurses from the Hanami team in the south of Brazil, 2002-2012. Texto e Context Enferm. 2017;26(1):2002–12.

Souza TG de, Gaíva MAM, Modes PSS dos A. A humanização do nascimento: percepção dos profissionais de saúde que atuam na atenção ao parto. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(3):479–86.

Medeiros RMK, Santos IMM dos, Silva LR da. A escolha pelo parto domiciliar: história de vida de mulheres que vivenciaram esta experiência. Esc Anna Nery. 2008;12(4):765–72.

Martins A. História oral de mulheres que escolheram o parto domiciliar planejado. João Pessoa. Trabalho de Conclusão de Curso [Enfermagem]- Universidade Federal da Paraíba, 2016.

Simon LHF. Maternidade : uma releitura na perspectiva da espiritualidade. João Pessoa. Dissertação [Mestrado em Ciências das Religiões]- Universidade Federal da Paraíba, 2010.

Tanyi R. Towards clarification of the meaning of spirituality. J Adv Nurs. 2002;39(5):500–9.

Vasconcelos EM. A Espiritualidade no trabalho em saúde. São Paulo: Hucitec; 2015.

Biernachi P, Waldorf D. Snowball Sampling: Problems and techniques of chain referral sampling. Sociol Methods Res. 1981;10(2):141–63.

Minayo MC de S. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 29a. Petrópolis, RJ: Vozes; 2010.

Souza J. Ralé brasileira: quem é e como vive. 3a. São Paulo: Editora Contracorrente; 2018.

Mattos P. A mulher moderna numa sociedade desigual. In: A Invisibilidade da Desigualdade Brasileira. Belo Horizonte: UFMG; 2006.

Gérvas J, Fernández M. São e Salvo: e livre de intervenções médicas desnecessárias. Porto Alegre: Artmed; 2016.

Guimarães C de CD. Espiritualidade do cuidado na relação mãe bebê. Juiz de Fora. Dissertação [Mestrado em Ciência da Religião]- Universidade Federal de Juiz de Fora, 2015.

Gutman L. A maternidade e o encontro com a própria sombra. 3a. Rio de Janeiro: BestSeller; 2012.

Mendes V. Nascimento: um aprendizado extrassensorial. Brasília: Guardiã; 2019.

Johnson S, Pastuschek J, Rodel J, Markert U, Groten T. Placenta – Worth Trying ? Human Maternal Placentophagia : Possible Benefit and Potential Risks. Geburtsh Frauenheilk. 2018;78:846–52.

Enning C. Placenta: o mais feminino de todos os remédios. 1a. Rio de Janeiro: LuzAzul; 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-272

Refbacks

  • There are currently no refbacks.