Notificação e capacitação como desafios para a estratégia saúde da família no enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes / Notification and training as challenges for the family health strategy in tackling sexual violence against children and adolescents

Vera Lúcia Mendes Trabbold, Marise Fagundes Silveira, Cissa Thainá Fonseca Guimarães, Maria Ivanilde Pereira Santos

Abstract


O objetivo do estudo foi compreender como os profissionais que atuam em equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) de uma cidade de médio porte mineira notificam os casos de crianças e adolescentes em situação de violência sexual e se os profissionais deste serviço são capacitados para esta tarefa. Método: Trata-se de um estudo transversal de abordagem quantitativa, com amostra constituída por 151 profissionais de saúde pertencentes a 40 equipes da ESF de uma cidade mineira de médio porte. Foi realizada pesquisa de campo e o instrumento de coleta de dados foi um questionário autoaplicável submetido a estes profissionais. Para análise dos dados utilizou-se o programa SPSS - versão 21 por meio do qual foram realizadas análises descritivas das variáveis por meio de suas distribuições de frequência. Resultados: A inexistência de casos nos territórios, apontada por mais da metade dos profissionais, pode estar relacionada a uma não notificação ou notificação incorreta, declarada pela maioria dos profissionais. Constatou-se ausência de capacitação para a maioria dos profissionais, os quais deseja recebê-la por não se sentirem preparados para o manejo da violência sexual infantojuvenil, sugerindo a existência de espaços importantes para investimentos em capacitação nos serviços da ESF nesta área.


Keywords


violência sexual, crianças, adolescentes, profissional da saúde, Estratégia Saúde da Família (ESF)

References


ALVIN, P. Os adolescentes vítimas de abusos sexuais. In Gabel, M.. Crianças vítimas de abusos sexuais. 2 ed. São Paulo: Summus editorial, p. 72-81,1997.

ARRUDA DA SILVA, P. et al. Notificação de violência contra crianças e adolescentes em uma instituição de proteção no sul do Brasil. Invest. educ. enferm, Medellín, v. 34, n. 1, p. 152-161, abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 out. 2017.

ASSIS, S.G. et al. Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 9, p. 2305-2317, Sept. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012000900012&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 28 out. 2017.

BEN NATAN, M. et al. Factors affecting medical and nursing staff reporting of child abuse. Internacional Nursing Review, Geneva, v. 59, n. 3, p. 331-337, set. 2012. Disponível em:< https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1466-7657.2012.00988.x >. Acesso em: 27 maio 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico. 292p., 1988.

_____. Lei 11.829, de 25 de novembro de 2008. Altera a Lei 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, para aprimorar o combate à produção, venda e distribuição de pornografia infantil, bem como criminalizar a aquisição e a posse de tal material e outras condutas relacionadas à pedofilia na internet. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 nov. 2008c. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018.

_____. Lei n. 12.015 de 07 de agosto de 2009. Altera o Título VI da Parte Especial do Decreto-Lei no 2.848, de 07 de dezembro de 1940 - e outras disposições. Diário Oficial da União, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018.

_____. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União 1990; 16 Jul. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acesso em: 22 maio 2018

_____. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2005. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018.

_____. Ministério da Saúde. Portaria no 204, de 17 de fevereiro de 2016. De ne a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2016 fev 18; Seção 1:23.

_____. Ministério da Saúde (MS). Portaria n. 1.271, de 06 de junho de 2014. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2014; 07 Jun.

_____. Ministério da Saúde. Portaria nº 104, de 25 de janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2011 jan 25; Seção 1:37.

_____. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM n. 1.968, de 25 de outubro de 2001. Diário Oficial da União, Brasília, n.206, Seção 1, p.86, 26, out, 2001. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Notificação de violências interpessoais e autoprovocadas [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017. 22 p.: il. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. VIVA/ Instrutivo Notificaçao de Violencia Interpessoal e Autoprovocada. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: . Acesso em: 22 maio de 2018.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico - Vigilância em violência domestica, sexual e/ou outras violências: Viva-Sinam. Brasilia: Ministério da Saúde, v.44, n. 9, 12 p., 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 jun 2018.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 3. ed. atual. e ampl., 1. reimpr. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: . Acesso em: 5 jun 2018.

_____. Ministério da Saúde - MS. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília, DF: Brasília: 2010. 104, p.: il, Disponível em: . Acesso em: 5 jun 2018.

_____. Ministério da Saúde. Política Nacional de Redução de Morbimortalidade por Acidentes e Violências. Brasília: Ministério da Saúde; 2001. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018.

_____. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília. Ministério da Saúde, 1997. 36p. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2018.

BOUHET B.; PÉRARD D.; ZORMAN M. Da importância dos abusos sexuais na França. In: Gabel M. Crianças vítimas de abuso sexual. São Paulo: Summus; 1997. p. 29-42

CHILHOOD BRASIL. Números da Causa. Disponível em: . Acesso em 27 maio 2018

COTTA, R.M.M. et al . Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da atenção básica em saúde. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 15, n. 3, p. 7-18, set. 2006 . Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2018.

DINARD, R.; ANDRADE, R. Discussão x Construção do caso clínico. Rev. Mental. Barbacena, n. 4, v. 4, p. 45-58, jun. 2005. Disponível em: . Acesso em 27 de outubro de 2017.

GONÇALVES, C. R. et al. Recursos humanos: fator crítico para as redes de atenção à saúde. Saúde em Debate, n. 38, v. 100, 26-34, 2014. Disponível em: . Acesso em 27 de outubro de 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: . Acesso em: 9 jun. 2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA - IPEA. (2014). Nota técnica. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da saúde (versão preliminar). Brasília: IPEA, 2014. Disponível em: . Acesso em: em 27 de outubro de 2017.

HABIGZANG, L. F. et al. Abuso sexual infantil e dinâmica familiar: Aspectos observados em processos jurídicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.21, n. 3, p. 341-348, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722005000300011&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 05 Jun. 2018.

LUNA, G.L.M.; FERREIRA, R.C.; VIEIRA, L.G.E.S. Notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes por profissionais da Equipe Saúde da Família. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 15, n. 2, p. 481-491, Mar. 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000200025&lng=en&nrm=iso> . Acesso em: 25 Mai 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000200025.

MARSIGLIA, R.M.G. Perfil dos Trabalhadores da Atenção Básica em Saúde no Município de São Paulo: região norte e central da cidade. Saúde Soc., v.20, n.4, p.900-911, São Paulo: 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000400008&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 05 June 2018.

MINAYO, M.C.S. A inclusão da violência na agenda da saúde: trajetória histórica. Cien Saude Colet, Rio de Janeiro , v. 11, supl. p. 1259-1267, 2006 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232006000500015&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 05 June 2018.

MOREIRA, G. A. R. et al. Instrumentação e conhecimento dos profissionais da equipe saúde da família sobre a notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes. Revista Paulista de Pediatria, n. 31, v. 2, p.223-230, 2013.Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822013000200014&lng=pt&tlng=pt> . Acesso em 27 de outubro de 2017

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório Mundial sobre a Prevenção da Violência 2014. São Paulo: Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo, 2015. Disponível em: < http://nevusp.org/blog/2015/11/09/relatorio-mundial-sobre-a-prevencao-da-violencia-2014 >. Acesso em: 5 jun 2018.

ROLIM, A . et al. Subnotificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na Atenção Básica e análise de fatores associados. Rev. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. 103, p. 794-804, Dec. 2014 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042014000400794&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 05 June 2018.

ROVER, A.L.P et al. Violência contra a criança: indicadores clínicos na odontologia. Braz. J. of Develop., Curitiba, v.6, n. 7, p. 43738-43750 jul. 2020. INSS 2525-8761

SALIBA, O.; GARBIN, A.J.; DOSSI, A.P. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev Saúde Públ. , n. 41, v. 3, p. 472-7, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102007000300021 . Acesso em 27 de outubro de 2017.

SANTOS, S. S.; DELL’AGLIO, D. D. Quando o silêncio é rompido: o processo de revelação e notificação de abuso sexual infantil. Psicologia & Sociedade, Florianópolis , v. 22, n. 2, p. 328-335, Aug. 2010 . Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822010000200013&lng=en&nrm=iso . Acesso em:05 June 2018.

SANTOS, S.S. dos; DELL'AGLIO, D.D. O processo de revelação do abuso sexual na percepção de mães. Psicol. teor. prat., São Paulo , v. 15, n. 1, p. 50-64, abr. 2013 . Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872013000100004&lng=pt&nrm=iso . acessos em 24 abr. 2018.

SCHAEFER, L. S.; ROSSETTO, S.; KRISTENSEN, C. H.. Perícia psicológica no abuso sexual de crianças e adolescentes. Psicologia: Teoria e Pesquisa, n. 28, v. 2, p. 227-234, 2012. Disponível em: . Acesso em 27 de outubro de 2017.

TRABBOLD, V.L.M. et al. Concepções Sobre Adolescentes em Situação De Violência Sexual. Psicologia & Sociedade, 28(1), 74-83, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v28n1/1807-0310-psoc-28-01-00074.pdf . Acesso em: 22 de janeiro de 2018.

WEKERLE, C. Resilience in the context of child maltreatment: connections to the practice of mandatory reporting. Child Abuse Negl., New York, v. 37, n. 2-3, p. 93-101, fev./mar., 2013. Disponível em: < https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0145213412002451>. Acesso em 5 jun 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-270

Refbacks

  • There are currently no refbacks.