Análise físico-química de cará-de-espinho (dioscorea chondrocarpa griseb.) Produzido em Manaus / Physical-chemical analysis of the spinke card (dioscorea chondrocarpa griseb.) Produced in Manaus

Flávia de Carvalho Paiva Dias, Eleano Rodrigues da Silva

Abstract


O cará-de-espinho (D. chondrocarpa) é considerado uma planta alimentícia não-convencional, que apresenta potencial para a alimentação humana e na diversificação das fontes de rendas familiares dos povos amazônicos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a composição físico-química de diferentes partes dos rizóforos de cará-espinho (D. chondrocarpa) produzido em Manaus no IFAM CMZL. As amostras foram avaliadas quanto as suas composições físico-químicas, através da determinação de umidade, proteínas, lipídios, cinzas, fibras, carboidratos e valor calórico. A amostra RIZ P1 foi superior nos teores de proteínas, lipídeos, fibras e carboidratos em relação às outras amostras. No geral, o cará-espinho (D. chondrocarpa) foi considerado um alimento nutritivo, apresentando maiores teores de proteínas e fibras, e menor quantidade de lipídeos em relação a mandioca, sendo uma alternativa a mandioca e outras fontes de carboidratos.

Keywords


Cará Gigante, Tubérculo, Rizóforo, Panc.

References


ARAÚJO, T.S. Desnutrição infantil em Jordão, Estado do Acre, Amazônia Ocidental brasileira (Dissertação de mestrado). Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS (AOAC). Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists, 1-1141, 2006.

CARRÉRA, A.G.P.; CUNHA, R.L.; CUNHA, E.F.M.; REGO, J.Y.N. 2014. Características físico-químicas de raízes de mandioca mansa (Manihot esculenta Crantz). Anais: Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA, 2014. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br. Acesso: 28/12/2020.

CASTRO, A.P. Agrodiversidade e cadeia produtiva do cará (Dioscorea spp.) na agricultura familiar: um estudo etnográfico no município de Caapiranga-AM. Tese (Doutorado em Agronomia Tropical, área de concentração: Cultivo e Domesticação de Plantas), Universidade Federal do Amazonas, 2011. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br. Acesso: 28/12/2020.

COUTO, R.S.; FRAGA, F.R.M. Dioscoreaceae in Flora do Brasil 2020 em construão. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2020. Disponível em: . Acesso em: 18 dez. 2020.

GUYTON, A; HALL, J. Textbook of Medical Physiology. 11. ed. Philadelphia: Elsevier, 2006.

KINUPP, V.F.; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2014.

LAWS, B. 50 plantas que mudaram o rumo da história. Rio de Janeiro: Sextante, 2013.

MAGALHÃES, B.C.; CABRAL, N.A.L.; CASTRO, E.E.C.; OLIVEIRA, A.T.V.; GOMES, R.S.; SAMPAIO, G.S. Consumo de fibras alimentares entre indivíduos adultos em um supermercado de São Luís, Maranhão. Revista de Pesquisa em Saúde, v. 17, n. 3, p. 137-140, 2016.

MAHAN, L.K.; ESCOTT-STUMP, S. Alimentos, nutrição e dietoterapia. 2002. 10ª ed. São Paulo. Roca. 1.179p.

MATOS, G.B.; CORREIA, L.K.S.; SOARES, A.C.; SANTOS, P.T.M.; BORGES, A.S.; CONSTANT, P.B.L. Massa fresca enriquecida com farinha de algas marinhas. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 6, p.40127-40139, 2020.

PAULA, C.D., PIROZI, M., PUIATTI, M., BORGES, J.T., DURANGO, A.M. Características físico-químicas e Morfológicas de Rizóforos de inhame (Dioscorea alata). Biotecnología en el Sector Agropecuario y Agroindustrial, v. 10, n. 2, p. 61-70, 2012.

PEDRALLI, G. Dioscoreaceae e Araceae: aspectos taxonômicos, etnobotânicos e espécies nativas com potencial para melhoramento genético. Anais: EMEPA-PB, João Pessoa, v. 2, p. 37-54, 2002.

SILVA, E.R.; OLIVEIRA, L.A.; KINUPP, V.F.; ALFAIA, S.S.; AYRES, M.I.C.; BARROS, D.R. Avaliação preliminar do cultivo de Dioscorea altissima Lam. Cadernos de Agroecologia, v. 8, n. 2, p. 1-4, 2013.

SILVA, E.R.; BARROS, D.R.; DIAS, F.C.P.; KINUPP, V.F.; ALFAIA, S.S.; AYRES, M.I.C. Partes comestíveis e não comestíveis de rizóforos de cará-de-espinho. XXV Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos e X CIGR Section IV International Technical Symposium. FAURGS. Gramados – RS, Brasil, 2016.

SILVA, E.R.; BARROS, D.R.; KINUPP, V.F.; ALFAIA, S.S. AYRES. M.I.C.; COIMBRA, A.B. Tuberized organs in plants of the Amazon and their potential as food source. In: Underground structures and their adaptive functions in plant formations. Departamento de Ciências Biológicas – ESALQ / USP. Piracicaba – SP – Brasil. 2015.

SILVA, J.B.C.; LOPES, C.A.; MIRANDA, J.E.C.; FRANCA, F.H.; CARRIJO, O.A.; SOUZA, A.F.; PEREIRA, W. Cultivo da batata-doce (Ipomoea batatas (L.) Lam). 3. ed. rev. ampl. Brasilia: EMBRAPA-CNPH. (Instruções Técnicas da Embrapa Hortaliças, 7), 1995. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/753382. Acesso 29/12/2020.

SIQUEIRA, M.V.B.M. Inhame (Dioscorea spp.): uma cultura ainda negligenciada. Hortic. bras., v. 27, n. 2 (Suplemento - CD Rom), agosto 2009. Disponível em: http://www.abhorticultura.com.br/eventosx/trabalhos/ev_3/P_20_Artigo_Palestra_Marcos_Vinicius.pdf. Acesso: 28/12/2020.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS – UNICAMP. Tabela brasileira de composição de alimentos – TACO (versão 2, 2. ed.). Campinas: UNICAMP/NEPA, 2011.

USDA (United States Department of Agriculture). 1978. Tropical Yams and their potential. PART 6. Minor Cultivated Dioscorea species, 1978. Disponível em: https://usdasearch.usda.gov/search?utf8=%E2%9C%93&affiliate=usda&query=tropical+yams+and+their+potential&commit=Search, acesso 05/07/2017 15:55 h




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-261

Refbacks

  • There are currently no refbacks.