O Enfermeiro frente aos fatores que dificultam a doação de medula óssea / The nurse in the face of factors that hinder bone marrow donation

Érika Vasconcellos Lanfranchi Glaser, Fátima Aparecida Ferreira Barbosa, Fabíola Vieira Cunha, Rosana Maria Faria Vador, Thalita Martins Ferraz Menêses

Abstract


O desconhecimento sobre a doação de medula óssea ainda é enorme, neste contexto, a falta de informação é um dos maiores obstáculos na luta contra o câncer hematopoiético. A doação de medula óssea é de suma importância, visto que a possibilidade de encontrar um doador compatível não aparentado no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME) é um desafio para pacientes que lutam contra a neoplasias do sistema sanguíneo, muitas vezes é a última opção de tratamento para essas doenças. O objetivo deste estudo, foi levantar a contribuição do enfermeiro quanto a importância da doação de medula óssea; identificar os fatores que dificultam a captação de doadores; propor um modelo de fluxograma para o processo de doação de medula óssea. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada entre os meses de fevereiro a maio de 2020, onde foram coletadas 17 amostras, publicadas entre os anos de 2012 a 2020. As evidências encontradas diante as literaturas revisadas, foram representadas em um quadro, onde exibem a contribuição do enfermeiro no contexto de doação de medula óssea, através de gráficos, onde foram levantados, os principais fatores socioculturais e socioemocionais, dificultam a doação, confirmando o relato entre autores abordados. Foi proposto um modelo de fluxograma, para auxiliar o Enfermeiro no processo de captação da doação de medula óssea, elucidando suas etapas. Diante o exposto, evidenciou a importância do na promoção e a educação permanente a respeito do assunto, minimizando a falta de informação, de conhecimento e de conscientização da população para a doação, diminuindo a evasão de doadores; possibilitando que a população tenha um senso de percepção ao qual permita criar uma consciência sobre a doação voluntária.

Keywords


Enfermeiro, Transplante, Medula óssea, Doação de Medula, Célula-Tronco Hematopoiética.

References


ALVES, J. C. M.; PAULO, R. R. D.; LOPES, J. E. F. QUEM TEM MEDO DO PROCEDIMENTO CIRÚRGICO NA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA? UM ESTUDO COM JOVENS UNIVERSITÁRIOS UBERLANDENSES. ENCONTRO DE GESTÃO E NEGÓCIOS, 2018. Uberlândia, Minas Gerais, 2018. Disponível em: < http://www.poncedaher.net.br/egen/anais-2018?title=Um+Estudo+com+Jovens+Universit%C3%A1rios+Uberlandenses&field_autor_value=&field_palavra_chave_value>. Acesso em 10 de abril de 2020.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM RESOLUÇÃO Nº 306/2006. Regulamento Fixar as competências e atribuições do Enfermeiro na área de Hemoterapia. Nº 306/2006. Rio de Janeiro, 2006. p. 1-3.

DA SILVA, G. R.; DE MENEZES, E. M. P. P.; PEREIRA, R. A. O papel do enfermeiro frente à sensibilização da doação de medula óssea. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, v. 10, n. Especial, p. 79-84, 2020.

DE MATTOS, M. R.; DE OLIVEIRA, C. B. Conhecimento da equipe de enfermagem do banco de sangue sobre o cadastro de doador de medula óssea. UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 34, p. 25-34, 2017.

GRATWOHL, A., et al. Quantitative and qualitative differences in use and trends of hematopoietic stem cell transplantation: a Global Observational Study. Haematologica, v. 98, n. 8, p. 1282-1290, 2013.

KUHNEN, A. E., BORENSTEIN, M.S. A unidade de transplantes de medula óssea em Santa Catarina: a contribuição das enfermeiras (1997-2009). 2015.

MORAIS, T. R.; MORAIS, M. R. Doação de órgãos: é preciso educar para avançar. Saúde em Debate, v. 36, n. 95, p. 633-639, 2012.

MOREIRA, S.C.A. Doação de medula óssea: desafios e perspectivas. 2019. 47 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) - Centro Universitário de Lavras, Minas Gerais, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-218

Refbacks

  • There are currently no refbacks.