Sistematização e informatização na assistência estudantil: mapear vulnerabilidades para fortalecer a permanência e o êxito / Systematization and computerization in student assistance: mapping vulnerabilities to strengthen permanence and success

Sonia Caranhato Rodrigues, Samuel Barbosa Costa da Silva

Abstract


O artigo apresenta a importância de se trabalhar com o mapeamento de vulnerabilidades a partir do Programa de Estudo Socioeconômico-cultural e de Acompanhamento da Realidade do estudante (PESCAR), instrumento multiprofissional materializado numa ferramenta tecnológica de sistematização de dados nas dimensões econômica, social, cultural e ambiental, visando identificar as variáveis que incidem maior situação de vulnerabilidades materiais e simbólicas nas condições de vida do estudante. Idealizado para atender inicialmente as demandas do assistente social na esteira da política de assistência estudantil do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFTO), o PESCAR tende incorporar as demais categorias profissionais, também ligadas à assistência estudantil, visando definir um padrão organizativo de saber-poder-fazer profissional capaz de produzir respostas com eficácia e coerências às demandas dos estudantes. Medida que permite aos profissionais informações importantes por meio de um rico banco de dados que os fortalece para o cumprimento de suas atividades com mais qualidade e conhecimento dos cenários sociais de seu público de atuação. Objetiva-se ainda, incitar a reflexão honesta do leitor sobre o modo como a Política (pública) de Assistência Estudantil é gerenciada e operacionalizado no âmbito institucional, e, ao encontro disso, se os investimentos públicos, tanto profissional quanto financeiro, estão (como estão) efetivamente alcançando os estudantes em suas necessidades humanas multidimensionais. Essas provocações intenta trazer à luz do discernimento a importância da Tecnologia e da Inovação como aliadas no desenvolvimento de ferramentas inteligentes para ancorar métodos interventivos que dê conta de identificar, estudar e classificar as diferentes formas de vulnerabilidades que fragilizam e expõe ao risco as potencialidades dos estudantes ao longo da sua jornada formativa.


Keywords


Vulnerabilidades. Tecnologia da Informação. Sistematização. Instrumentalidade.

References


ABRAMOVAY, Miriam. CASTRO, Mary Garcia. Juventude no Brasil: Vulnerabilidades negativas e positivas, desafiando enfoques de políticas públicas, in: Família, sociedade e subjetividade: uma perspectiva multidisciplinar. PETRINI, Carlos, SIMON, Vanessa Ribeiro (Org) - Petropólis RJ: Vozes, 2005. p 54 - 83.

AMARAL, Marisa Muranetto. Metodologia para avaliação de riscos por composição de métodos. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Informática, RS, 2011.

AYRES, José Ricardo. Vulnerabilidade e prevenção em tempos de Aids. In: Barbosa R, Parker R, (Org). Sexualidade pelo avesso: direitos, identidades e poder. Rio de Janeiro: Relume Dumará; 1999. p. 50-71.

BRASIL Decreto 1.234 de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm. Acesso em 02 de jul de 2016.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, 2004.

______________________ . Os espaços sócio-ocupacionais do assistente social. In: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009.

Brown, Brené. A coragem de ser Imperfeito [recurso eletrônico] / Brené Brown [tradução de Joel Macedo]; Rio de Janeiro: Sextante, 2013.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

CFESS. Código de Ética Profissional do Assistente Social. Brasília: CFESS, 1993. Aprovado em 15 de março de março de 1993. Disponível em: www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf. Acessado em: 02 de jul. 2016.

FALEIROS, Vicente de Paula. Saber profissional e poder institucional. 9ª ed., São Paulo: Cortez, 2009

FERNANDES, Odete. Categorias fundamentais para a compreensão da instrumentalidade no trabalho do assistente social. In: LAVORATTI, Cleide; COSTA, Dorival (Org.).Instrumentais Técnico-operativo no Serviço Social: Um debate necessário Ponta Grossa: Estúdio Texto, 2016. 261 p.; 2.300 Kb; PDF.

GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade no trabalho do assistente social. In: Cadernos do Programa de Capacitação Continuada para Assistentes Sociais, “Capacitação em Serviço Social e Política Social”, Módulo 4: O trabalho do assistente social e as políticas sociais, CFESS/ABEPSS - UNB, 2000.

IAMAMOTO, Marilda Vilela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 2006.

JANCZURA, R. Risco ou vulnerabilidade social? Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 11-2, p. 301-308, 2012.

LDB – Leis de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394. 1996. Disponível em: Acesso em junho de 2016.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da Inteligência – O futuro do pensamento na era da informática. São Paulo. Editora 34. Tradução de Carlos Irineu da Costa. 2004.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Fundamentos de Administração: - 2ª Ed. – 4. Reimpr. – São Paulo: Atlas, 2012.

____________________________. Teoria Geral Da Administração: da Escola Científica à Competitividade na Economia Globalizada. Editora Atlas S.A.. São Paulo. 2000.

MONTEIRO, Simone da Rocha Pires - O marco conceitual da vulnerabilidade social. Sociedade em Debate, Pelotas, 17(2): 29-40, jul.-dez./2011. Disponível em revistas.ucpel.edu.br/index.php/rsd/article/view/695/619. Acessado em 15/07/2016.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma educacional emergente. Campinas, SP: Papirus, ed.2010. (Coleção práxi).

OLIVEIRA, Paulo Marinho de. Teorias sistêmicas e organicidade: uma proposta de estrutura organizacional para o IFBA Campus Vitória da Conquista. Disponível em http://www.conquista.ifba.edu.br/attachments/Paulo%20Marinho%20-%20TEORIA%20SIST%C3%8AMICA%20E%20ORGANICIDADE%20_artigo%20V1_%20_3_.pdf. Acessado em: 25 de jun 2016.

PACHECO, Eliezer Moreira. Os Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. - Natal: IFRN, 2010. 26 p.

PRODANOV, Cleber Cristiano e FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico] : métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico /, Ernani Cesar de Freitas. – 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Modo de acesso: Acessado em 04/05/2017.

SANTOS, André Michel. As práticas socioeducativas do assistente social na política da educação. In: Serviço Social na Educação: Teoria e Prática. Campinas, SP: Papel Social, 2012. p. 73-85.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

SEVERINO, Antonio Joaquim; PIMENTA, Selma Garrido. Apresentando a Coletânea. In: LIBÂNEO José Carlos, OLIVEIRA João Ferreira, TOSCHI Mirza Seabra. Educação Escolar: políticas, estrutura e organização. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA Daniel José da O paradigma transdisciplinar: uma perspectiva metodológica para a pesquisa ambiental. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais,São José dos Campos, 1999. Disponível em https://www.revistas.ufg.br/teri/article/viewFile/27337/15480. Acessado em 09/05/2017.

SILVA, Caetana J.R (org). Institutos Federais Lei 11.892, de 29/11/2008: Comentários e reflexões. Natal: IFRN, 2009. 70 p.

VELOSO, Renato. Tecnologia da Informação: potencialidades contraditórias. In: SALES, Mione Apolinário Sales. RUIZ (org.), Jefferson Lee de Souza. Mídia, Questão Social e Serviço Social. 2º ed. - São Paulo: Cortez, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-195

Refbacks

  • There are currently no refbacks.