Política de Cotas no IFTO campus Gurupi: Reflexos da Lei nº 12.711/121 / Quota policy IFTO campus Gurupi: Reflections of Law nº 12.711/12

Fabíula Gomes de Castro, Helga Midori Iwamoto

Abstract


Este artigo objetivou analisar a experiência do Instituto Federal do Tocantins campus – Gurupi, sob a ótica dos estudantes que ingressaram pelo sistema de reserva de vagas e gestores, em relação à política de cotas. O estudo explora a política de ações afirmativas voltada à educação, especificamente a que busca garantir o acesso ao ensino superior e técnico às pessoas de baixa renda, pretos e pardos, por meio do sistema de cotas, com base na Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Os procedimentos metodológicos da investigação ancoraram-se nos pressupostos da pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso. O instrumento para a coleta de dados foi a entrevista semiestruturada e, para a análise, utilizou-se a metodologia de análise de conteúdo. O campo empírico compreendeu o IFTO campus Gurupi. Os resultados da pesquisa indicam que a adoção da Lei de Cotas representou um inegável avanço em relação à democratização, quanto ao acesso a grupos historicamente excluídos. Contudo, existe, ainda, um conjunto de medidas a serem desenvolvidas no seio desta instituição de ensino, com vistas ao seu aprimoramento.


Keywords


Ações afirmativas, Cotas raciais e sociais, Igualdade.

References


BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BAYMA, F. Reflexões sobre a constitucionalidade das cotas raciais em Universidades Públicas no Brasil: referências internacionais e os desafios pós-julgamento das cotas. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., vol. 20, n. 75, pp. 325-346, 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2015

BERGMANN, B. In defense of affirmative action. New York: BasicBooks, 1996.

BRANDÃO, C. F. As cotas na universidade pública brasileira: será esse o caminho? Campinas: Autores Associados, 2005.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1988. Brasília/DF: Senado Federal, 1988.

______. Lei nº 12.711 de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2015.

BRITTO, T. O. Ações Afirmativas: Cotas para Negros nas Universidades Públicas. 2011. 161 f. Dissertação (Mestrado em Direito), Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2011.

D’ADESKY, J. A. Pluralismo étnico e multiculturalismo: racismos e anti-racismos no Brasil. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

DAFLON, V. T; FERES JUNIOR, J.; CAMPOS, L. A. Ações afirmativas raciais no ensino superior público brasileiro: um panorama analítico. Cadernos de Pesquisa. 2013, vol. 43, n. 148, p. 302-327.

DIAS SOBRINHO, J. Educação superior: democratização, acesso e permanência com qualidade. In: PAULA, M. F. C.; LAMARRA, N. F. Reformas e democratização da educação superior no Brasil e na América Latina. Aparecida, SP: Ideia & Letras, 2011.

FELICETTI, V. L.; MOROSINI, M. C. Equidade e iniquidade no ensino superior: uma reflexão. Ensaio: avaliação de políticas públicas em Educação. 2009, v. 17, n. 62, p. 9-24.

FERREIRA, E. C. L. Identidade, raça e representação: narrativa de jovens que ingressaram na Universidade de Brasília pelo sistema de cotas raciais. 2009. 211 f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade de Brasília, Brasília. 2009.

FONSECA, D. J. Políticas públicas e ações afirmativas. São Paulo: Selo Negro, 2009.

GOMES, J. B. B. Ação afirmativa & princípio constitucional da igualdade: o direito como instrumento de transformação social. A experiência dos EUA. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

GOMES, J. B. B. O debate constitucional sobre as ações afirmativas. In: SANTOS, R. E.; LOBATO, F. (Orgs.). Ações afirmativas: políticas públicas contra as desigualdades raciais. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

GUARNIERI, F. V.; MELO-SILVA, L. L. Ações Afirmativas na educação superior: rumos da discussão nos últimos cinco anos. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, n. 19, v. 2, p. 70-78, 2007. Disponível em: . Acesso em:

ago. 2015.

______. Perspectivas de estudantes em situação de vestibular sobre as cotas universitárias. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, n. 22, v. 3, p. 486-498, 2010.

GUIMARÃES, A. S. A. Preconceito racial: modos, temas e tempos. São Paulo: Cortez, 2008.

HERINGER, R.; FERREIRA, R. Análise das principais políticas de inclusão de estudantes negros no ensino superior no Brasil no período 2001-2008. In: PAULA, M.; HERINGER, R. (Org.). Caminhos convergentes: estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Heinrich BöllStiftung, 2009.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS. Apresentação. Palmas, 2012.

______. Coordenação de Registros Escolares - CORES. [Dados da Cores]. Gurupi, 2015.

______. Resolução 04 de 30 de junho de 2011. Dispõe sobre a implantação da Política de Assistência Estudantil no âmbito do IFTO e dá outras providências. Palmas, 2011.

______. Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019. Palmas, 2015.

______. Processos Seletivos 2013-2015. Gurupi, 2015.

KAUFMANN, R. F. M. Ações afirmativas à brasileira: necessidade ou mito?A implementação para negros como mecanismo concretizador de direitos fundamentais. Uma análise histórico-jurídico-comparativa do negro nos Estados Unidos da América e no Brasil. Jus Navigandi, Teresina, ano 11, n. 1455, 26 jun. 2007.

LEME, H. A. S. Formação Superior de Professores Indígenas de Matemática em Mato Grosso do Sul: acesso, permanência e desistência. 2010. 185 f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

LIMA, M. E. O; NEVES, P. S. C.; SILVA, P. B. A implantação de cotas na universidade: paternalismo e ameaça à posição dos grupos dominantes. Revista Brasileira de Educação, vol. 19, n. 56, p. 141-163, 2014.

LOPES NETO, A. A. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. J. Pediatr. (Rio J.), vol. 81, n. 5, suppl., p. 164-172, 2005.

MALISKA, M. A. Análise da constitucionalidade das cotas para negros em universidades públicas. In: DUARTE, E. C. P.; SILVA, P. V. B.; BERTÚLIO, D. L. L. Cotas raciais no ensino superior: entre o jurídico e o político. Curitiba: Juruá, 2009.

MOORE, C. Racismo e sociedade novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza, 2007.

MUNANGA, K. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas, Sociedade e Cultura, v. 4, n. 2, jul./dez. 2001.

______. Prefácio. In: MOORE, Carlos. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza, 2007.

NASCIMENTO, M. A. Reserva de cotas para negros. Jus Navigandi, Teresina, ano 10, n. 667, 3 maio 2005.

RIO DE JANEIRO (Estado). Assembleia Legislativa. Lei n. 3.524, de 28 de dezembro de 2000. Dispõe sobre os critérios de seleção e admissão de estudantes da rede pública estadual de ensino em universidades públicas estaduais e dá outras providências. Rio de Janeiro, 2000.

______. Lei nº 3.708, de 9 de novembro de 2001. Institui cota de até 40% para as populações negra e parda no acesso à Universidade do Estado do Rio de Janeiro e à Universidade Estadual do Norte Fluminense, e dá outras providências. Rio de Janeiro, 2001.

SANDEL, M. J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

SANTOS, H. et al. Políticas públicas para a população negra no Brasil. ONU, 1999.

SANTOS, H; SOUZA, M. G.; SASAKI, K. O subproduto social advindo das cotas raciais na educação superior do Brasil. Rev. Bras. Estud. Pedagog., vol. 94, n. 237, p. 542-563, 2013.

SANTOS, J. T; QUEIROZ, D. M. O impacto das cotas na Universidade Federal da Bahia (2004-2012), 2013, In SANTOS, J. T. (org.). O impacto das cotas nas universidades públicas brasileiras (2004-2012). Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais. 2013. p. 37-65.

TOBIAS, J. S. Negros e negras chegam à Universidade: um estudo sobre as trajetórias acadêmicas e as perspectiva profissionais dos alunos negros cotistas da UNIFESP. 2014. 235 f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

WEISSKOPF, T. E. Affirmative action in the United States and India: a comparative perspective. Nova York, Routledge, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-171

Refbacks

  • There are currently no refbacks.