Composição e distribuição do zooplâncton encontrado na enseada de Balneário Camboriú (SC) e sua área marinha adjacente / Composition and distribution of zooplankton found in the inlet of Balneário Camboriú (SC) and its adjacent marine area

Ludmilla Dias Ad Víncula Veado

Abstract


O Plâncton é composto por organismos diminutos encontrados na coluna d’água dos ambientes marinhos e dulcícolas e está intimamente ligado às condições do ecossistema onde se encontra. Com ciclo de vida curto, responde rapidamente às variações ambientais e tem papel importante como bioindicador hidrológico e de impacto ambiental. Com isso, a região da enseada de Balneário Camboriú (Balneário Camboriú, SC), que apresenta alta densidade demográfica e diversas atividades humanas no seu entorno, consiste em um local importante para o desenvolvimento de estudos de indicadores biológicos, no caso, o zooplâncton. Os objetivos deste estudo consistem em apresentar um levantamento faunístico do zooplâncton e sua distribuição na praia Central de Balneário Camboriú, do rio Camboriú, do rio Marambaia e de sua área marinha adjacente, realizado pela empresa ACQUAPLAN como cumprimento de Estudo de Impacto Ambiental para o licenciamento da Alimentação Artificial da Praia Central de Balneário Camboriú. O zooplâncton foi coletado em fevereiro de 2013 em dezoito pontos amostrais distribuídos entre os rios Camboriú e Marambaia (ambiente fluvial), a porção interna da enseada (ambiente costeiro) e a porção externa da enseada (ambiente marinho), onde está localizada a jazida marinha, fonte do sedimento arenoso utilizado na engorda da faixa de areia da praia. A amostragem do zooplâncton se deu por arrasto horizontal de sub-superfície com rede de plâncton WP-2 cilindro-cônica com 200 μm de malha, 30 cm de diâmetro de boca, equipada com fluxômetro. Após a coleta, as amostras foram imediatamente fixadas em solução de formaldeído a 4% para sua análise em laboratório. Em laboratório, as análises quali-quantitativas do zooplâncton foram realizadas em câmaras do tipo Bogorov sob microscópio estereoscópico, a partir de alíquotas que variaram de 1 a 10% da amostra total com o intuito de alcançar o mínimo de 100 organismos. Dados abióticos de temperatura, salinidade, pH, oxigênio dissolvido, transparência e turbidez também foram obtidos. A comunidade zooplanctônica encontrada na área de estudo foi composta por 16 grandes grupos e 58 taxa identificados e sua densidade foi de 701 org.m-3. Considerando os diferentes ambientes, o zooplâncton registrado no ambiente costeiro teve a menor densidade enquanto que o ambiente marinho teve a maior densidade. A composição do zooplâncton também sofreu variação entre os ambientes, assim o ambiente costeiro apontou a maior riqueza de espécies e o marinho a menor riqueza. A relação indireta entre densidade e riqueza de espécies do zooplâncton é comum em sistemas estuarinos. Dentre os grandes grupos, Copepoda foi o dominante e contribuiu com 64% para o zooplâncton total. No ambiente fluvial, no ambiente costeiro e no ambiente marinho o grupo se destacou com 40%, 81% e 72%, respectivamente, mostrando que os diferentes ecossistemas na área de estudo têm forte influência marinha. Dentre os copepodas as espécies dominantes foram Oithona hebes e Paracalanus quasimodo no ambiente fluvial. No costeiro, foram os copepodas Temora turbinata e P. quasimodo. Já no ambiente marinho, as espécies T. turbinata e Oncaea clevei é que dominaram o sistema. Quanto ao meroplâncton, este contribuiu com 23% para o zooplâncton total. Foi dominado por Mollusca com 39%na área de estudo e apontou declínio de sua representatividade em direção ao ambiente marinho. Entre os ambientes, Decapoda dominou no ambiente fluvial com 42%, Cirripedia no costeiro com 62% e Mollusca no marinho com 67%. O domínio do meroplâncton no ambiente fluvial sugere local importante como sítio de desova e de crescimento de espécies de peixes, crustáceos e bivalves (Mollusca). O gradiente salino pareceu influenciar a distribuição do zooplâncton entre os ambientes fluvial, costeiro e marinho, registrando espécies tipicamente eurihalinas e fauna semelhante ao zooplâncton de outros ambientes do litoral brasileiro.


Keywords


Composição, abundância e distribuição do zooplâncton encontrado na enseada de Balneário Camboriú (SC, Brasil) e sua área marinha adjacente.

References


ARA, K. Temporal variability and production of Temora turbinata (Copepoda:Calanoida) in the Cananéia Lagoon estuarine system, São Paulo, Brazil.Scientia Marina, v. 66, n.4, p. 399-406, 2002.

ARA, K. Temporal variability and production of the planktonic copepod community in the Cananéia Lagoon Estuarine System, São Paulo, Brazil. ZoologicalStudies. 43, n. 2, 179-186p., 2004.

Araújo, H.P.M. & Montú, M.A. 1993. Novo registro de Temora turbinata Pesta, 1927 (Crustácea, Copepoda) na Lagoa dos Patos, Rio Grande do Sul, Brasil. Nauplius, 1:89-90.

BOLTOVSKOY, D. Atlas del zooplancton del Atlantico Sudoccidental y métodos de trabajo con el zooplancton marino. Publ. Esp. INIDEPE, Mar del Plata. 936pp. 1981.

BOUGIS, P. Marine planktonecology. North-Holland Publ. Comp. Amsterdam. 355pp. 1976.

CARMONA, D. G. et al. Plan de manejo para El manglar de Sontecomapan, Catemaco, Veracruz, México: una estrategia para La conservación de sus recursos naturales. Madera y Bosques Número especial 2, 2004:5-23.

CAVALCANTI, E. A. H., et al. Mesozooplâncton do sistema estuarino de Barra das Jangadas – Pernambuco – Brasil. In: Congresso Brasileiro de Oceanografia, 3° e Congresso Ibero-Americano de Oceanografia, 1°, 2008, Fortaleza. CD-ROM. Balneário Camboriú: Aoceano, 2008.

DAY JR. J.W.; HALL, C.A.J.; KEMP, W.M.; YÁNÑEZ-ARANCIBIA, A. Zooplankton, the drifting consumers., In: Estuarine Ecology, Wiley-Interscience Publication. Cap. 8, p. 311- 337, 1989.

LOPES, R. M.; DO VALE, R. & BRANDINI, F. P. 1998. Composição, abundância e distribuição espacial do zooplâncton no complexo estuarino de Paranaguá durante o inverno de 1993 e o verão de 1994. Rev. bras. Oceanogr., 46 (2):195-211.

LOPES R.M. Bioinvasões aquáticas por organismos zooplanctônicos: uma breve revisão In: J.S.V. Silva; R.C.C.L. Souza. (Org.). Água de Lastro e Bioinvasão. Rio de Janeiro: Interciência, p. 113-131, 2004.

LOPES, R. M. 2007. Marine zooplankton studies in Brazil – A brief evaluation and perspectives. In Acad Bras Cienc. 79 (3).

MATSUMURA-TUNDISI, T., Aspectos ecológicos do zooplâncton da região lagunar de Cananéia com especial referência aos Copepoda (Crustacea). São Paulo. Tese (Doutorado), Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências, 1972. 191 p.

MONTÚ, M. Síntese dos conhecimentos sobre zooplâncton estuarino. Estuário do sistema lagunar de Cananéia, complexo da Baía de Paranaguá e Lagoa dos Patos. Publicações ACIESP, 54(3): 176-193, 1987.

MONTÚ, M. & GLOEDEN, I.M. Atlas dos Cladocera e Copepoda (Crustacea) do Estuário da Lagoa dos Patos (Rio Grande, RS, Brasil). Nerítica, Pontal do Sul, PR, 1(2):1-134. 1986.

NEUMAMM – LEITAÕ, S. et al., Zooplâncton como indicador da qualidade ambiental do porto interno de Suape, Pernambuco, Brasil. In: Congresso Brasileiro de Oceanografia, 3° e Congresso Ibero-Americano de Oceanografia, 1°, 2008, Fortaleza. CD-ROM. Balneário Camboriú: Aoceano, 2008.

PROSUL, 2007. Diagnóstico Ambiental para o EIA da Alimentação Artificial da Praia Central de Balneário Camboriú.

Resgalla Jr., C. 2001. Estudo de impacto ambiental sobre a comunidade do zooplâncton na enseada do saco do Limões, baía sul da ilha de Santa Catarina, Brasil. Atlântica, Rio Grande, 23:5-16

RESGALLA JR., C. & VEADO, L. Zooplâncton da enseada da Armação do Itapocoroy, Penha, SC. In: BRANCO, J.O. & MARENZI, A.W.C. (eds.). Bases ecológicas para um desenvolvimento sustentável: estudo de caso em Penha, SC. Itajaí: Univali. p.121-132, 2006.

TUNDISI, J. G. Produção primária, “standing-stock” e fracionamento do fitoplâncton na região lagunar de Cananéia, São Paulo. (Tese de Doutorado). Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, 1970. 130 p.D

VEADO, L. D. Alteração da comunidade zooplanctônica do Saco dos Limões após impacto das obras da Via Expressa Sul - Baía Sul da ilha de Santa Catarina 65 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Oceanografia) – Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2002.

VEADO , L. & RESGALLA Jr., Alteração da comunidade zooplanctônica no Saco dos Limões após impacto das obras da Via Expressa Sul – Baía Sul da Ilha de Santa Catarina. Itajaí. Braz. J. Aquat. Sci. Technol. v.2, n.9 p.65-73, 2005.

VEADO, L. D.; RESGALLA JR, C. Variação sazonal da comunidade zooplanctônica na enseada de Zimbros (baía de Tijucas,,SC). III Congresso Brasileiro de Oceanografia – CBO’2008I Congresso Ibero-Americano de Oceanografia – I CIAO Fortaleza (CE), 2008.

VEADO, L. Variação espaço-temporal do zooplâncton do baixo estuário do rio Itajaí-açu, SC. 2008. 71f. Dissertação (Mestrado) – Pós-graduação em Ciência e Tecnologia Ambiental, Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2008.

VEADO L. D. et al.: Atlas do zooplancton do rio Itajaí-açu SANTA CATARINA, BRASIL: COPEPODA E CLADOCERA Braz. J. Aquat. Sci. Technol., 2010, 10(2): 79-93.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-167

Refbacks

  • There are currently no refbacks.