Enfoque sistêmico no transporte público de São Carlos / Systemic focus on the public transport of São Carlos

Pedro Varoto, Marcela Simões, Leonardo Augusto Amaral Terra, Dante P Martinelli

Abstract


O oferecimento de serviços à população pelo governo é um aspecto amplamente discutido dentro do cenário brasileiro. O transporte público, foco de grandes discussões há alguns anos, está diretamente conectado com vários outros elementos dentro de uma cidade. Este trabalho apresenta um estudo de caso de uma cidade do interior do estado de São Paulo, com enfoque sistêmico, utilizando a metodologia de sistemas soft, discutindo as relações entre os problemas atuais da gestão do transporte público e possíveis melhorias para satisfazer as necessidades dos usuários. Pôde-se verificar vários pontos falhos importantes do sistema analisado, e a escolha da aplicação da SSM contribuiu para a compreensão da situação-problema existente, porque foram feitas ligações entre o mundo sistêmico e o real, o que proporcionou a modelagem de soluções que envolvessem todas as partes interessadas no sistema.


Keywords


Soft Systems Methodology, Visão Sistêmica, Transporte Público.

References


Alves, J. Bosco da Mota. (2012). Teoria Geral de Sistemas: em busca da interdisciplinaridade. Florianópolis, SC. Instituto Stela. 179 p.

Alves, F. B. M., & Mendes Filho, W. M., & Souza Jr, W. C. (2017). Pesquisa Operacional Aplicada à Mobilidade Urbana Sustentável nas Cidades Brasileiras. XLIX Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional. Blumenau, SC.

Bellini, C, G.; & Rech, I.; Borenstein, D. (2004). Soft Systems Methodology: Uma Aplicação no “Pão dos Pobres” de Porto Alegre. RAE-Eletrônica. Editora Getúlio Vargas. Vol. 3

Beer, S. (2002): What is cybernetics?, Kybernetes, Vol. 31 Issue: 2, pp.209-219

Bergue, L. X. (2005). Aplicação da Metodologia Soft Systems (SSM) no Desenvolvimento de Projetos Logísticos. Trabalho de conclusão de curso de graduação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Rio Grande do Sul. Brasil.

Bertozzi, P. P., & Lima Jr, O. F. (1998). A qualidade no serviço de transporte público sob as óticas do usuário, do operador e do órgão gestor. Revista dos Transportes Públicos - ANTP. ano 21 quarto trimestre. pp. 53-66.

Carvalho, C. H. R., & Gomide, A., & Pereira, R. H. M., & Mation, R., & Neto, V. C. L., & Galindo, E. P., & Krause, C., & Guedes, E. P. (2013). Tarifação e financiamento do transporte público urbano. Nota Técnica. Brasília, DF. IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Carvalho, C. H. R., & Pereira, R. H. M. (2011). Efeitos da Variação da Tarifa e da Renda da População sobre a Demanda de Transporte Público Coletivo Urbano no Brasil. Texto para Discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). número 1595.

Checkland P., & Scholes, J. (2005) Soft systems methodology in action: a thirty year retrospective. London: John Wiley & Sons.

Checkland, P., & Poulter, P. (2010). Systems Approaches to Managing Change: A Practical Guide. Chapter 5. London: The Open University.

Corburn, J (2004). Confronting the Challenges in Reconnecting Urban Planning and Public Health. American Journal of Public Health. Vol. 94 - 4. 541-546

Crawford, L., & Costello, K., & Pollack, J., & Bentley, L. (2003). Managing soft change projects in the public sector. International Journal of Project Management. Vol 21. 443-448.

Cruz, S M. S., & Andrade, L. S., & Sampaio, J. O. (2016). Explorando Dados Abertos Governamentais sobre a Mobilidade Urbana na Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Recuperado em 04 de Abril de 2018.

Frederico, C. S. (2001). Do Planejamento Tradicional de Transporte ao Moderno Plano Integrado de Transportes Urbanos. São Paulo em Perspectiva. volume 15(1). pp 45-54.

Gewandszajder, F. (2005). A influência da gestão da informação no processo decisório da previdência social brasileira: um estudo exploratório. 145 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Administração, Departamento de Administração, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

Graeml, F. R. (2006). A Construção de um Arquétipo que integra a Investigação Apreciativa à Soft Systems Methodology Possibilitando a Gestão Estratégica Sustentável de cidades. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Rose, J., & Haynes, M. (1999). A Soft Systems Approach to the Evaluation of Complex Interventions in the Public Sector. Journal of Applied Management Studies. Issue 2. Vol. 8. 199-216

Lunardi, G. L., & Henrique, J. (2002) APLICAÇÃO DA “SOFT SYSTEMS METHODOLOGY” NA AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: PERSPECTIVA DO CORPO DISCENTE. Read: Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 8, n. 28, p.01-22. Semestral. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2018.

Martinelli, D. P., & Ventura, C. A. A. (2006) Visão Sistêmica e Administração. São Paulo: Saraiva.

Melo de Araújo, M. R., & Melo de Oliveira, J., & Santos de Jesus, M., & Rezende de Sá, N., & Côrtes dos Santos, P. A., & Cavalcante, T. L. (2011). Transporte Público Coletivo: Discutindo Acessibilidade, Mobilidade e Qualidade de Vida. Psicologia & Saúde. volume 23. número 3. pp 574-582.

Mingers, J. (2000). An Idea Ahead of Its Time: The History and Development of Soft Systems Methodology. Systemic Practice and Action Research. Vol. 13. No, 6.

Mór-Monte, R. L. (2006). As Teorias Urbanas e o Planejamento Urbano no Brasil. Economia regional e urbana: Contribuições teóricas recentes. pp. 61-85. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Murray, A. T., & Davis, R., & Stimson, R. J., & Ferreira, L. (1998): Public Transportation Access. Transportation and Research part D. Transport and Environment 3(5). 319-328

Nunes, G. K. B., & Schlindwein, S. L. (2008). Pensando sistematicamente o desenvolvimento turístico: a aplicação da SSM - Soft Systems Methodology na situação-problema de Praia Grande/SC. 4 Congresso Brasileiro de Sistemas. UNIFACEF. Franca, São Paulo, Brasil.

Pereira, R. H. M., & Schwanen, T. (2013). Tempo de deslocamento casa-trabalho no Brasil (1992-2009): Diferenças entre regiões metropolitanas, níveis de renda e sexo. Texto para Discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). número 1813.

Pitt, M., & Monks, T., & Crowe, S., & Vasilakis, C. (2015). Systems modelling and simulation in health service design, delivery and decision making. BMJ Qual Saf. 1-8. Disponível em: https://eprints.soton.ac.uk/378426/1/bmjqs-2015-004430.pdf Acessado em: 05 de Outubro de 2018

Ribeiro, L. C. Q., & Lago, L. C., & Azevedo, S., & Santos Junior, O. A. (2015). Metrópoles: entre a coesão e a fragmentação, a cooperação e o conflito. Rio de Janeiro, RJ. Letra Capital. 2 ed.

Silva, J. O. S. (2016). Qualidade em Serviços Logísticos: aplicação da Soft Systems Methodology (SSM) na avaliação da qualidade percebida quanto à distribuição dos medicamentos antirretrovirais do programa HIV/AIDS. Relatório Executivo. Universidade Federal de Pernambuco. Recife.

Silveira, M. R., & Cocco, R. G. (2013). Transporte público, mobilidade e planejamento urbano: contradições essenciais. Estudos Avançados. volume 27 (79). pp. 41-53.

Van Vugt, M., & Meertens, R. M., & Van Lange, P. A. M. (1995). Car versus Public Transportation? The Role of Social Value Orientations in a Real-Life Social Dilemma. Journal of Applied Social Psychology. 25, 3. pp. 258 - 278.

Vasconcellos, E. A. (1995). A Crise do Planejamento de Transportes nos Países em Desenvolvimento: Reavaliando Pressupostos e Alternativas. Revista Transportes (ANPET). volume 3. número 2. pp 7-26

Vasconcellos, E. A. (2000). Transporte Urbano nos Países em Desenvolvimento: Reflexões e propostas. São Paulo: Annablume, 3 ed.

Vasconcellos, E. A., & Mendonça, A. (2010). Política Nacional de Transporte Público no Brasil: organização e implantação de corredores de ônibus. Revista dos Transportes Públicos - ANTP. ano 33. terceiro quadrimestre. pp 73-95.

Wilson, B. (2001). Soft Systems Methodology: Conceptual Model Building and its Contribution. Chichester: John Wiley & Sons Ltd.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-157

Refbacks

  • There are currently no refbacks.