O uso de escalas de funcionalidade em terapia intensiva e barreiras para sua utilização / The use of functional scales in intensive therapy and barriers for its use

Beatriz Rozendo da Silva, Iara Tainá Cordeiro de Souza, Ana Tereza do Nascimento Sales Figueiredo Fernandes

Abstract


Introdução: Por meio da utilização de escalas que avaliam a funcionalidade é possível mensurar o nível funcional do paciente, assim como pode-se orientar as condutas mais adequadas para cada paciente. Porém ainda existem barreiras ao trabalho da fisioterapia na terapia intensiva, o que pode contribuir para uma conduta ineficaz. Objetivo: investigar o perfil dos fisioterapeutas e as escalas de funcionalidade que utilizam para avaliação de pacientes críticos, assim como identificar as possíveis barreiras para sua utilização. Métodos: Trata-se de um estudo transversal e exploratório com fisioterapeutas atuantes em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) de dois hospitais brasileiros. Um questionário online foi enviado via e-mail para investigar o perfil desses profissionais; assim como seu conhecimento sobre escalas de funcionalidade e as barreiras para sua aplicação. Resultados: Trinta e nove profissionais com idade média de 32 ± 6,7 anos responderam ao questionário. Sobre a utilização de escalas de funcionalidade na UTI, 36 (92,3%) afirmaram conhecer alguma escala. Já com relação as barreiras para aplicação das escalas 27 (71,1%) dos profissionais encontram barreiras, em especial as relacionadas ao paciente. Conclusão: A maioria dos profissionais possuem conhecimento em relação a aplicação de escalas de funcionalidade, porém a maioria também identifica barreiras para a implementação dessas avaliações, sendo as barreiras impostas pelo próprio paciente o que mais impede que a avaliação seja realizada.


Keywords


Unidade de terapia intensiva, Cuidados intensivos, Mobilização precoce, Avaliação de funcionalidade e Barreiras.

References


ABELHA, F. J.; SANTOS, C. C.; BARROS, H. Quality of life before surgical ICU admission. BMC Surgery, vol. 7, n. 23, 2007.

ALVES, G. A. A. Utilização de escalas funcionais no ambiente de terapia intensiva. In: Fisioterapia motora aplicada ao paciente crítico: do diagnóstico à intervenção. Barueri: Manole, 2019.

AQUIM, E. E. et. al. Diretrizes Brasileiras de Mobilização Precoce em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Ter Intensiva, vol. 31, n. 4. P; 434-443, 2019.

BARBER, E. A. et al. Barriers and facilitators to early mobilisation in intensive care: a qualitative study. Australian critical care, v. 28, n. 4, p. 177-182, 2015.

BERNEY, S. et al. Development of a physical function outcome measure (PFIT) and a pilot exercise training protocol for use in intensive care. Critical Care and Resuscitation, v. 11, n. 2, p. 110-105, 2009.

DE SOUZA MIRANDA, W. A. et al. Os benefícios da mobilização precoce em crianças internadas em Unidade de Terapia Intensiva: Uma Revisão Integrativa de Literatura (RIL). Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 11, p. 89506-89518, 2020.

DENEHY, L. et al. A physical function test for use in the intensive care unit: validity, responsiveness, and predictive utility of the physical function ICU test (scored). Physical therapy, v. 93, n. 12, p. 1636-1645, dez 2013.

DUBB, R. et al. Barriers and strategies for early mobilization of patients in intensive care units. Annals of the American Thoracic Society, v. 13, n. 5, p. 724-730, 2016.

FERREIRA, L. L. Functional evaluation scales in intensive care: literature review. Rev. Aten. Saúde, v. 16, n. 56, p. 108-114, 2018.

FRANÇA, Eduardo Ériko Tenório de et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 24, n. 1, p. 6-22, 2010.

FONTELA, P. C.; FORGIARINI JR, L. A.; FRIEDMAN, G. Clinical attitudes and perceived barriers to early mobilization of critically ill patients in adult intensive care units. Revista Brasileira de terapia intensiva, v. 30, n. 2, p. 187, 2018.

HODGSON, Carol L. et al. Expert consensus and recommendations on safety criteria for active mobilization of mechanically ventilated critically ill adults. Critical care, v. 18, n. 6, p. 1-9, 2014.

HODGSON, C. et al. Feasibility and inter-rater reliability of the ICU Mobility Scale. Heart & Lung: The Journal of Acute and Critical Care, v. 43, n. 1, p. 19-24, 2014.

JOLLEY, S. E. et al. Medical intensive care unit clinician attitudes and perceived barriers towards early mobilization of critically ill patients: a cross-sectional survey study. BMC anesthesiology, v. 14, n. 1, p. 84, 2014.

KOO, K. K. Y et al. Early mobilization of critically ill adults: a survey of knowledge, perceptions and practices of Canadian physicians and physiotherapists. CMAJ open, v. 4, n. 3, p. E448, 2016.

MEYER, M. J. et al. Surgical Intensive Care Unit Optimal Mobilisation Score (SOMS) trial: a protocol for an international, multicentre, randomised controlled trial focused on goal-directed early mobilisation of surgical ICU patients. BMJ open, v. 3, n. 8, p. e003262, 2013.

MORRIS, P. E. Moving our critically ill patients: mobility barriers and benefits. Critical care clinics, v. 23, n. 1, p. 1-20, 2007.

PARRY, S. M. et al. Assessment of impairment and activity limitations in the critically ill: a systematic review of measurement instruments and their clinimetric properties. Intensive care medicine, v. 41, n. 5, p. 744-762, 2015.

PEREIRA, Camila Santos et al. Escala Perme como preditor de funcionalidade e complicações após a alta da unidade de terapia intensiva em pacientes submetidos a transplante hepático. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 31, n. 1, p. 57-62, 2019.

PERME, C. et al. A tool to assess mobility status in critically ill patients: the Perme Intensive Care Unit Mobility Score. Methodist DeBakey cardiovascular journal, v. 10, n. 1, p. 41-49, 2014.

SILVA, A. P. P.; MAYNARD, K.; CRUZ, M. R. Efeitos da fisioterapia motora em pacientes críticos: revisão de literatura. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 22, n. 1, p. 85-91, 2010.

SKINNER, E. H. et al. Rehabilitation and exercise prescription in Australian intensive care units. Physiotherapy, v. 94, n. 3, p. 220-229, 2008.

STILLER, K. Physiotherapy in intensive care: an updated systematic review. Chest, v. 144, n. 3, p. 825-847, 2013.

TEAM STUDY INVESTIGATORS et al. Early mobilization and recovery in mechanically ventilated patients in the ICU: a bi-national, multi-centre, prospective cohort study. Critical Care, v. 19, n. 1, p. 81, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-143

Refbacks

  • There are currently no refbacks.