Diagnosticando endocardite infecciosa em paciente com múltiplos nódulos pulmonares: relato de caso / Diagnosing infectious endocarditis in a patient with multiple pulmonary nodules: case report

Ana Cláudia Fernandes Azarias, Patricia Macedo Bernardino, Bianca Fadul de Oliveira Peixoto, Ciro de Castro Botto

Abstract


A endocardite infecciosa ainda hoje é doença de alta morbimortalidade, apresentando amplo espectro de manifestações clínicas o que dificulta seu diagnóstico. A embolização séptica é uma complicação comum na endocardite infecciosa, estando contemplada nos critérios diagnósticos de Duke, o local de embolização depende da região cardíaca acometida, sendo o baço o principal local de embolização na endocardite de câmara esquerda, e o pulmão o principal nas câmaras direitas. A embolia séptica pulmonar é uma síndrome rara, não exclusiva da endocardite infecciosa, mas primeiro descrita dentro desta patologia. Os achados radiológicos mais frequentes são múltiplos nódulos periféricos que podem ou não apresentar cavitações centrais. Tal padrão não é patognomônico da embolia séptica pulmonar, podendo estar presente em várias outras patologias.

Os autores relatam caso de paciente jovem do sexo feminino com quadro de dor abdominal em hipocôndrio esquerdo associado a perda ponderal com achado de múltiplos nódulos pulmonares cavitados em tomografia de tórax e hipodensidade em baço.

Conclui-se que apesar dos grandes avanços na diagnostico e manejo de endocardite infecciosa, ainda é necessário alto grau de suspeição clínica dado ao grande espectro de apresentações clínicas. Como em nosso relato onde o achado de nódulos pulmonares múltiplos guiou a investigação que culminou com o achado de lesão vegetante em valva tricúspide. É importante também ressaltar os múltiplos diagnósticos diferenciais associados a nódulos pulmonares, dentre eles tuberculose, paracoccidiomicose, neoplasias secundárias e também, claro, a embolia pulmonar séptica.

 

 


Keywords


Endocardite, Nódulos Pulmonares Multiplos, Infarto Esplenico.

References


Melo, L., Duarte, J., Roque, D., Ferraz de Oliveira, I., Faustino, A., Caetano, J. and Oliveira, S., 2017. Endocardite Infecciosa: Casuística do Departamento de Medicina Interna de um Hospital. Medicina Interna - Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, (24), pp.19-23.

Murdoch DR, Corey GR, Hoen B, Miró JM, Fowler VG Jr, Bayer AS, et al. Clinical presentation, etiology, and outcome of infective endocarditis in the 21st century: the International Collaboration on Endocarditis-Prospective Cohort Study. Arch Intern Med. 2009;169:463-73.

Kuijpers, J. M. et al. Incidence, risk factors, and predictors of infective endocarditis in adult congenital heart disease: focus on the use of prosthetic material. Eur. Heart. J. 38, 2048–2056 (2017).

Iung B, Duval X. Infective endocarditis: innovations in the management of an old disease. Nature Reviews [Internet]. 2019 [cited 18 August 2020];. Available from: http://www.nature.com/nrcardio

Bin Abdulhak A, Baddour L, Erwin P, Hoen B, Chu V, Mensah G et al. Global and Regional Burden of Infective Endocarditis, 1990–2010: A Systematic Review of the Literature. Global Heart. 2014;9(1):131.

Nascimento BR, Coelho TOA, Costa Filho LR, Pinto Filho MM, Cota VES, Bicalho RC et al. Endocardite infecciosa em câmaras direitas: discrepância entre evolução clínica ecocardiográfica: relato de caso. Rev Soc Bras Med.Trop. 2009; 42(5):587-90.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-137

Refbacks

  • There are currently no refbacks.