A evolução da hanseníase no Brasil e suas implicações como problema de saúde pública / The development of leprosy in Brazil and its implications as a public health problem

Luiz César Gerotto Júnior, Tauane Letícia Pinto Zanelli, Érica Tatiane Santos Silva Faria, Clarice Santana Milagres

Abstract


Introdução: O Brasil é o segundo país no mundo em casos de Hanseníase, uma doença crônica infectocontagiosa, que tem predominância em população com condições socioeconômicas desfavoráveis. Objetivos: realizar um levantamento epidemiológico de incidência de hanseníase no Brasil no período de 2010-2017. Métodos: estudo descritivo, transversal, de abordagem quantitativa epidemiológica, onde os dados sobre as notificações de hanseníase foram extraídos do sítio eletrônico do departamento de informática do sistema único de saúde (DATASUS). Resultados: A maior incidência de casos novos de hanseníase foi vista nas regiões nordeste (42,6%), norte (19,6) e centro-oeste (18%). Na comparação entre os gêneros, os homens lideraram em casos novos (55,7%), assim como maior prevalência de incapacidades físicas, grau I (60,2%) e grau II (70,6%). Nos homens ainda se nota que no momento de diagnósticos eles apresentam maior quantidade de lesões cutâneas. Conclusão: O levantamento epidemiológico mostrou que a condição socioeconômica está relacionada com a detecção precoce e tratamento da hanseníase, além de ressaltar a importância de se abastecer as bases eletrônicas com as notificações para que se possa gerar dados mais fidedignos.


Keywords


Hanseníase 1, Brasil 2, Epidemiologia 3, Atenção primaria à saúde 4.

References


ASSIS, I.S.; ARCOVERDE, M.AM.; RAMOS, A.C.V.; ALVES, L.S.; BERRA, T.Z.; ARROYO, L.H. et al. Social determinants, their relationship with leprosy risk and temporal trends in a tri-border region in Latin America. PLoS Negl Trop Dis, 12(4), 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública. Brasília, 2016.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Departamento de vigilância epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica: Série A normas e manuais técnicos.7ª ed. Brasília, 2009.

BLOK, D.J.; DE VLAS, S.J.; RICHARDUS, J.H. Global elimination of leprosy by 2020: Are we. Parasites e Vectors, 8:548, 2015.

CAMBAU, E.; SAUNDERSON, P.; MATSUOKA, M.; COLE, S.T.; KAI, M.; SUFFYS, P. et al. Antimicrobial resistence in leprosy: results of the first prospective open survey conducted by WHO surveillance network for the period 2009-2015. Clin Microbiol Infect, 24(12), 2018.

CASTRO, S.S; ABREU, G.B.; FERNANDES, L.F.R.M.; SANTOS, J.P.P.; OLIVEIRA, V.R. |Leprosy incidence, characterization of cases and correlation with household and cases variables of the Brazilian states in 2010. An Bras Dermatol, 91(1):28-33, 2016.

FERREIRA, S.M.B.; IGNOTTI, E.; GAMBA, M.A. Características clínico-laboratoriais no retratamento por recidiva em hanseníase. Ver Bras Epidemiol, 15(3):573-581, 2012.

FISHER, M. Leprosy – na overview of clinical features, diagnosis, and treatment. JDDG, 15(8):801-827, 2017.

FREITAS, L.R.S.; DUARTE, E.C.; GARCIA, L.P. Analysis of the epidemiological situation of leprosy in an endemic area in Brazil: spatial distribution in the periods 2001-2003 and 2010-2012. Rev Bras Epidemiol, 20(4): 702-713, 2017.

MONTEIRO, L.D.; MOTA, R.M.S.; MARTINS-MELO, F.R.; ALENCAR, C.H.; HEUKELBACH, J. Social determinants of leprosy in a hyperendemic state in north Brazil. Rev Saúde Pública, 2017.

MOREIRA, S.C.; BATOS, C.J.C.; TAWIL, L. Epidemiological situation of leprosy in Salvador from 2001 to 2009. An Bras Dermatol, 89(1):107-117, 2014.

NAAZ, F.; MOHANTY, P.S.; BANSAL, A.K.; KUMAR, D.; GUPTA, U.D. Challenges beyond elimination in leprosy. Int J Mycobacteriol, 6(3):222-228, 2017.

OLIVEIRA, K.S.; SOUZA, J.; CAMPOS, R.B.; ZILLY, A.; SILVA-SOBRINHO, R.A. Avaliação dos indicadores epidemiológicos e operacionais para hanseníase em munícipios prioritários no estado do Paraná. Epidemiol Serv Saúde, 24(3): 507-516, 2015.

OLIVEIRA, M.M.; DAHER, D.V.; SILVA, J.L.L.; ANDRADE, S.S.C.A. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciênc Saúde Coletiva, 20(1): 273-278, 2015.

PESCARINI, J.M.; STRINA, A.; NERY, J.S.; SKALINSKI, L.M.; ANDRADE, K.V.F.; PENNA, M.L.F.; BRICKLEY, E.B.; RODRIGUES, L.C.; BARRETO, M.L.; PENNA, G.O. Socioeconomic risk markers of leprosy in high-burden countries: A systematic review and meta-analysis. Plos Negl Trop Dis, 12(7), 2018.

RAMOS, A.C.V.; YAMAMURA, M.; ARROYO, L.H.; POPOLIN, M.P.; NETO, F.C.; PALHA, P.F. et al. Spatial clustering and local risk of leprosy in São Paulo, Brazil. PLoS Negl Trop Dis, 11(2), 2017.

SINGH, R.; SINGH, B.; MAHATO, S. Community knowledge, attitude, and perceived stigma of leprosy amongst community members living in Dhanusha and Parsa districts of shouthern central Nepal. PLoS Negl Trop Dis, 13(1), 2019.

SOUZA, E.A.; FERREIRA, A.F.; BOIGNY, R.N.; ALENCAR, C.H.; MARTINS-MELO, F.R.; BARBOSA, J.C. et al. Leprosy and gender in Brazil: trends in na endemic área of the northeast region, 2001-2014. Rev Saúde Pública, 2018.

World Health Organization. Chemotherapy of leprosy for control programmes: Report of WHO study group. 1982.

World Health Organization. Global Leprosy Strategy 2016-2020: Accelerating towards a leprosy-free world. 2016.

World Health Organization. Global leprosy update, 2016: Accelerating reduction of disease burden. 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-133

Refbacks

  • There are currently no refbacks.