Assistência de enfermagem na consulta ao adolescente na unidade de saúde da família / Nursing assistance in consulting adolescents in the family health unit

Jaqueline Batista Pereira, Cinthia Rafaelle do Carmo Santos Marques, Maianaíra Gonçalves de Souza, Letícia Cristina da Silva Polycarpo, José Eudes de Lorena sobrinho, Roberto José da Silva Nobrega

Abstract


O termo adolescência se origina do latim: adolescere, que significa tornar-se ou vir a ser. Neste período o corpo se transforma, os órgãos sexuais amadurecem e surgem as características de adultos. A mente tem de se adaptar a essas transformações. A adolescência é uma fase de transição, a pessoa ainda tem características infantis, mas começa também a ter interesses, obrigações e responsabilidades da vida adulta. O enfermeiro vem reorganizando  o seu processo de trabalho, afastando-se do modelo biomédico que tem dado suporte à formação e à própria historicidade da profissão, sua inserção em equipes da Atenção Primaria de Saúde tem promovido novas modelagens de produção do cuidado, nesse nível de atenção, o modelo tecno-assistencial em disputa requer também o manejo das tecnologias leves, inscritas tanto nas relações quanto no vínculo, na escuta qualificada e no acolhimento. Objetivo Geral:Identificar as principais dificuldades que os Enfermeiros enfrentam ao cuidar de adolescentes na atenção primária.Metodologia: Este é um estudo exploratório e analítico que utiliza métodos quantitativos. A população do estudo foi composta por enfermeiros da atenção básica do município de pombos atuantes na zona rural. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário estruturado, adaptado e autoaplicável, na forma de check-list. Os dados foram analisados no software estatístico SPSS versão 20.0. O presente estudo atendeu as determinações preconizadas pela resolução N° 196/96 do conselho nacional de saúde. Resultados: Os dados compilados apresentam que os serviços prestados ainda não são de caráter aconselhamentos ou buscar espontâneas, são mais direcionados ao tratamento dentários e preventivo. Conclusão: há uma necessidade das equipes de saúde em obter mais recursos para atuar com os adolescentes e assim atingir o público alvo.

 

 


Keywords


Saúde do adolescente, Atenção primária a saúde, Assistência integral a saúde.

References


ALVES, M. J. H. et al. Fatores envolvidos na adesão de estudantes adolescentes à estratégia saúde da família. SANARE, Sobral, v. 15, n. 2, p. 37-49, 2016.

AMARAL, I. T.; ABRAHÃO, A. L. Consulta em enfermagem na Estratégia Saúde da Família, ampliando o reconhecimento das distintas formas de ação: uma revisão integrativa. Rev Fun Care Online, v. 9, n. 4, p.899-906, 2017.

ARAÚJO, M. S. et al. Dificuldades enfrentadas por enfermeiros para desenvolver ações direcionadas ao adolescente na atenção primária. Revenferm UFPE online., Recife, v. 10, (Supl. 5), p.4219-25, 2016.

ARAÚJO, W. A. et al. Educação em saúde na Estratégia Saúde da Família: contribuições práticas do enfermeiro. Enfermagem Brasil, v. 17, n. 6, p. 645-653, 2018.

BIFFI, D.; MELO, M. F. R.; RIBEIRO, V. R. Acolhimento de enfermage má saúde do adolescente em uma estratégia de saúde da família. R. Perspect. Ci. e Saúde, v. 3, n. 1, p. 83-97, 2018.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm . Acesso em: 19 abr. 2020.

_________. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Brasília, 2010. 132 p. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_atencao_saude_adolescentes_jovens_promocao_saude.pdf . Acesso em: 19 abr. 2020.

______. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.Acesso em: 19 abr. 2020.

BONFIM D, Gaidzinski RR, Santos FM, Gonçales CS, Fugulin FMT. The identification of nursing interventions in primary health care: a parameter for personnel staffing. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2012 [cited 2017 Jun 01];46(6):1462-70. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000600025

COSTA, R. F.; QUEIROZ, M. V. O.; ZEITOUNE, R. C. G. Cuidado aos adolescentes na atenção primária: perspectivas de integralidade. Esc Anna Nery, v. 16, n. 3, p. 466-72, 2012.

COSTA, R. F. et al. Redes de apoio ao adolescente no contexto do cuidado

à saúde: interface entre saúde, família e educação*. RevEscEnferm USP, v. 49, n. 5, p. 741-747, 2015.

DUARTE, S. J. H.; FERREIRA; S. F.; SANTOS, N. C.; Desafios de enfermeiros da estratégia saúde da família na implantação do programa saúde do adolescente. Revista eletrônica de enfermagem, v.15, 2013.

FONSECA, F. F. et al. As vulnerabilidades na infância e adolescência e as políticas públicas brasileiras de intervenção. Rev. paul. pediatr. v.31, n.2, 2013.

GALAVOTE, H. S. O trabalho do enfermeiro na atenção primária à saúde. Esc Anna Nery, v. 20, n. 1, p. 90-98, 2016.

GOMES, C. B. S.; GUTIÉRREZ, A. C.; SORANZ, D. Política Nacional de Atenção Básica de 2017: análise da composição das equipes e cobertura nacional da Saúde da Família.Ciênc. saúde coletiva, v. 25, n. 4, 2020.

HIGARASHI, I. H. et al. Atuação do enfermeiro junto aos adolescentes: identificando dificuldades e perspectivas de transformação. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 375-80, 2011.

LEAL, C. B. M. et al. Assistência de Enfermagem ao Público Adolescente na Atenção Primária. Revista Enfermagem Atual, n. 86, ed. Especial, 2018.

MARCONI, M. A. de.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6ª ed. São Paulo, SP: Atlas, 2005.

MATUMOTO S, Fortuna CM, Kawata LS, Mishima SM, Pereira MJB. Nurses’ clinical practice in primary care: a process under construction. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2011[cited 2017 Jun 01];19(1):123-30. Available from: http://dx.doi. org/10.1590/S0104-11692011000100017

SILVA JM, Caldeira AP. Modelo assistencial e indicadores de qualidade da assistência: percepção dos profissionais da atenção primária à saúde Cad Saúde Pública. 2010;26(6):1187-93.

VIEIRA, R. P. Participação de adolescentes na Estratégia Saúde da Famíliaa partir da Estrutura Teórico-Metodológica de umaParticipaçãoHabilitadora.Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 22, n. 2, p. 309-316, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-130

Refbacks

  • There are currently no refbacks.