Análise comparativa da inserção de aplicativos voltados para o ensino de funções inorgânicas na disciplina de Química / Comparative analysis of the insertion of apps aimed at teaching inorganic functions in the discipline of Chemistry

Lucimar do Nascimento Cardoso, Caroline Antunes Agostinho de Abreu, Adley Bergson Gonçalves de Abreu, Raquel Aparecida Loss, Claudineia Aparecida Queli Geraldi, Sumaya Ferreira Guedes

Abstract


O ensino de química se enquadra como uma ciência experimental, dispondo de conteúdos abstratos, o que favorece um difícil entendimento e visualização por parte dos alunos, que por muitas vezes sendo baseado quase que exclusivamente em aulas teóricas, desencadeia o tedio e o desinteresse. Diante dessa realidade a utilização de recursos tecnológicos tem se apresentado como um meio eficaz e útil no que diz respeito às práticas de ensino, favorecendo o dinamismo nas aulas. Este trabalho teve por objetivo realizar uma análise quantitativa de publicações e aplicativos que versam conteúdos de funções inorgânicas no ensino de química. O método desenvolveu-se através de um levantamento bibliográfico no Banco de Teses e Dissertações da Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) com abordagem em aplicativos e jogos virtuais para o ensino de química e funções inorgânicas. Na sequência, realizou-se uma pesquisa no Google Play (dispositivos móveis para o sistema operacional Android) buscando aplicativos e jogos que envolvam conteúdos relacionados a química. Ainda, realizou-se um estudo métrico de quais aplicativos e jogos de químicas são mais utilizados. Foi observado que muitos trabalhos científicos, sejam dissertações ou artigos publicados em periódicos, abordam sobre o ensino de química ou aplicativos de forma separada. Quando a busca foi realizada utilizando as palavras ensino de química e aplicativos, a quantidade de material disponível reduziu drasticamente, disponibilizando apenas 3,40% de trabalhos. Esse fato demonstra a carência de trabalhos científicos que avaliem a disponibilidade de aplicativos que abordem o ensino de química. Referente aos aplicativos de jogos disponibilizados no Play Store, totalizaram-se 250 compondo estudos da Química Geral, Orgânica, Inorgânica e Analítica, porém, estes não possuem mais que 50 mil downloads, demonstrando o baixo interesse dos usuários pela temática.

Dessa forma, se torna evidente a importância do professor utilizar ferramentas digitais, como aplicativos de jogos, devido ao seu caráter lúdico, de maneira a facilitar a construção do conhecimento no ensino de Química.

 

 


Keywords


Jogos educativos, Ensino lúdico, Recursos tecnológicos.

References


BARBOSA NETO, J. F. Uma metodologia de desenvolvimento de jogos educativos em dispositivos móveis para ambientes virtuais de aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013, 132 p. Disponível em: . Acesso em: 15 de jun. de 2020.

BENTO, M. C. M.; CAVALCANTE, R. S. Tecnologias móveis em educação: o uso do celular em sala de aula. Educação, cultura e comunicação- ECCOM. v.4, n.7, p.113-120, 2013.

CAMPOS, R. C; SILVA, R. C. Funções da química inorgânica...funcionam. Química Nova na Escola, v. 9, n. 1, p. 18-22, 1999. Disponível em: . Acesso em: 15 de jun. de 2020.

CARDOSO, S. P; COLINVAUX, D. Explorando a motivação para estudar química. Química Nova, v. 23, n. 3, p. 401-404, 2000. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/qn/v23n3/2827.pdf>. Acesso em: 16 de jun. de 2020.

CUNHA, M. B. Jogos no ensino de química: considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Química Nova na Escola, São Paulo, [s. L.], 2012.

FERREIRA, E. M. V. Tecnologia da informação e educação: um processo de integração psicopedagógico. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção – Informática Educativa) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002, 144p. Disponível em:. Acesso em: 11 de jun. de 2020.

FURIÓ-MAS, C.; VILCHES, A. GUISASOLA, J.; ROMO, V. Finalidades de la enseñanza de las ciencias en la secundaria obligatoria.¿ Alfabetización científica o preparación propedéutica? Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, v. 19, n. 3, p. 365-376, 2001. Disponível em:. Acesso em: 11 de jun. de 2020.

GIORDAN, M. Computadores e linguagens nas aulas de ciências: uma perspectiva sociocultural para compreender a construção de significados. Ijuí: Editora Unijuí, 2008.

JOHNSON, S. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

KUTOVA, M. A. S; OLIVEIRA, C. C. G. Jogos Digitais, Competição e Socialização na Sala de Aula. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. 12, Campo Grande. Anais do XXVI Congresso da 86 Sociedade Brasileira de Computação. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2006. p. 231-239, 2006. Disponível em: Acesso em: 16 de jun. de 2020.

LEAL, G. M.; SILVA, J. A.; SILVA, D.; DAMACENA, D. H. L. As tics no ensino de química e suas contribuições na visão dos alunos. Revista Brazilian Journal of Development, v.6, n.1, Curitiba, 2020. Disponível em:.Acesso em: 18 de nov. 2020.

LIMA, C; PINHEIRO, B. C. S.; MORADILLO, E. F. A apropriação dos conceitos Ácidos e Bases e a Pedagogia Histórico-Crítica: uma interlocução em sala de aula. Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Águas de Lindoia, SP, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 de jun. de 2020.

LIMA, E. R. P. O.; MOITA, F. M. G. C. Tecnologias Digitais na Educação. Campina Grande: Editora da Universidade Estadual da Paraíba, p.131-154, 2011.

LOCATELLI, A.; ZOCH, A. N.; TRENTIN, M. A. S. TICs no Ensino de Química: Um Recorte do “Estado da Arte. ” Revista Tecnologias na Educação – Ano 7, n 12. 2015. Disponível em:. Acesso em: 15 de jun. de 2020.

MACENO, N. G.; GUIMARÃES, O. M. A inovação na área de Educação Química. Química Nova na escola, v. 1, p. 48, 2013. Disponível em:. Acesso em: 16 de jun. de 2020.

MARTINS, W. S; ALLEVATO, N. S. G; DIAS, K. M; SCHIMIGUEL, J; PIRES, C. M. C. M- Learning como modalidade de ensino: a utilização do aplicativo estatística fácil no ensino médio. Ensino da Matemática em Debate, v.5, n.1, p- 1- 17, 2018. Disponível em:. Acesso em: 21 de out. de 2020.

NICHELE, A. G.; SCHLEMMER, E. Aplicativos para o ensino e aprendizagem de Química. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, n. 2, p. 1-9, 2014. Disponível em:. Acesso em: Acesso em: 21 de set. de 2020.

PORTO, E. A. B.; KRUGER, V. Breve Histórico do Ensino de Química no Brasil. Encontro de Debates sobre o Ensino de Química, EDEQ – n.33, 2013. Disponível em:. Acesso em: 21 de set. de 2020.

RAMOS, E. S.; FRAUZINO, M. F. M.; LABURÚ, C. E. As teorias ácido-base a partir do referencial dos Multimodos e das Múltiplas Representações. In: XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2017, Florianópolis. Atas do XI ENPEC. Florianópolis: 50 ABRAPEC, 2017. Disponível em:. Acesso em: 22 ago. 2020.

SANTOS, W. L. P; SCHNETZLER, R. P.; Educação em Química: compromisso com a cidadania. 3ª ed. Porto Alegre, Unijuí, 2010. 144p. Disponível em:. Acesso em: Acesso em: 22 ago. 2020.

SANT’ANNA, A; NASCIMENTO, P. R. A história do Lúdico. Revista Eletrônica de Educação Matemática, v. 6, n. 2, p. 19-36, 2011. Disponível em:. Acesso em: 28 de out. 2020.

SILVA, L. A. et al. Obstáculos epistemológicos no ensino-aprendizagem de química geral e inorgânica no ensino superior: resgate da definição ácido-base de Arrhenius e crítica ao ensino das “funções inorgânicas”. Química nova na escola, v. 36, n. 4, p. 261-268, 2014. Disponível em:. Acesso em: 28 de out. 2020.

SILVA, L. F.; OLIVEIRA, E. D; BOLFE, M. Mobile learning: aprendizagem com mobilidade. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, p. 59-65, 2013. Disponível em :. Acesso em: Acesso em: 18 de out. 2020.

SILVA, M. P.; SANTIAGO, M. A. Proposta para o ensino dos conceitos de ácidos e bases: construindo conceitos através da história da ciência combinada ao emprego de um software interativo de livre acesso. História da Ciência e Ensino: Construindo Interfaces, v. 5, p. 48- 82, 2012. Disponível em:. Acesso em: 18 de nov. 2020.

SOARES, M. H. F. B. Jogos e Atividades Lúdicas no Ensino de Química: Teoria, Métodos e Aplicações. XIV Encontro Nacional de Ensino de Química (XIV ENEQ) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba/PR, 2008. Disponível em: http://www.quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0309-1.pdf>. Acesso em: 18 de nov. 2020.

SOUZA, H. Y. S.; SILVA, C. K. O. Dados Orgânicos: Um Jogo Didático no Ensino de Química. HOLOS, v. 3, p. 107-121, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 de ago. 2020.

TORRICELLI, E. Dificuldades de aprendizagem no Ensino de Química. São Paulo: Dissertação (pós-graduação em processo Ensino–Aprendizagem), Universidade católica de São Paulo, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-125

Refbacks

  • There are currently no refbacks.