Eneagrama de personalidades no processo de gestão de pessoas/Personality enneagram in the people management process

Sílvio Henrique da Silva Vaz, Henrique Guimarães Vasconcelos, Luciana Ferreira Rodrigues Prado, Gabriela Thiago Gontijo da Silva, Larissa Caroline Rezende, Gabrielle Ferreira Ribeiro Barbosa Guedes, Daiane Guimarães da Silveira

Abstract


A ferramenta “Eneagrama” possui grande relevância nas aplicações profissional e pessoal ao fundamentar e influenciar as diversas personalidades, direcionando-as ao aprimoramento de seus pontos positivos e ao desenvolvimento e manejo adequado dos negativos. Estudos ainda mostram que o método, quando aplicado de forma correta por profissionais qualificados, proporciona relações interpessoais saudáveis, organizações mais eficazes e ganhos capitais elevados no mercado de trabalho. Esta ferramenta permite a seleção nas diversas áreas empresariais e o direcionamento das pessoas às funções que aprimorem suas habilidades, sejam técnicas ou mentais. Deste modo, com o gerenciamento adequado dos indivíduos, as organizações lidam melhor com os desafios e conflitos, buscando, de forma mais harmoniosa e organizada, suas soluções. A aplicação do Eneagrama, portanto, favorece aos indivíduos e às organizações o autoconhecimento e a melhoria do trabalho em equipe legitimado, bem como a elevação da produtividade, eficiência e eficácia dos empregadores, empregados e clientes.


Keywords


ferramenta, personalidade, desenvolvimento pessoal, gestão

References


Amorim, M. M. (2018). O Sistema Eneagrama e a comunicação organizacional: a importância de conhecer e desenvolver as potencialidades do público (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Chiavenato, I. (2008). Recursos Humanos. O capital Humano das Organizações (8ª ed.). São Paulo, SP: Atla.

Cortez, P. A., Zerbini, T., & Veiga, H. M. S. (2019). Práticas humanizadas de gestão de pessoas e organização do trabalho: para além do positivismo e do dataísmo. Trabalho, Educação e Saúde, 17(3), e0021544.

D’Amico, S. M., & Monteiro, J. K. (2012). Características de personalidade e qualidade de vida em gestores do Rio Grande do Sul. Revista de Administração Contemporânea, 16(3), 382-396. doi: http://doi.org/10.1590/S1415-65552012000300004

Daniels, D. D. N., & Price, D. V. A. (2009). O Eneagrama Essencial: O teste de personalidade que vai mudar sua vida. Rio de Janeiro, RJ: Lua de Papel.

Demo G., Fernandes T., & Fogaça N. (2017). A influência dos valores organizacionais na percepção de políticas e práticas de gestão de pessoas. Revista Eletrônica de Administração, 86(1): 89-117. doi: http://doi.org/10.1590/1413-2311.093.57040

Dias, A. L. R., Paula, K. P., & Xavier, S. R. (2018). Gestão de pessoas como diferencial competitivo: A importância do eneagrama e feedback. (Trabalho de Graduação em Administração de Empresas). Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.

Mailhiot, G. B. (2013). Dinâmica e Gênese dos Grupos: Atualidade das descobertas de Kurt Lewin. São Paulo, SP: Vozes.

Marcucci, D. H. Z. (2008). Doenças relacionadas ao trabalho e sua relação com diferentes tipos de personalidade (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro.

Maschio, T. R. A., Soczek, K. L. (2016). O Eneagrama como ferramenta de autoconhecimento e sua relação com a Teoria Cognitivo-Comportamental (Trabalho de Conclusão de Curso elaborado como requisito para a obtenção de Bacharel em Psicologia na Instituição de Ensino Superior Sant'ana). Instituto de Ensino Superior Santana, Ponta Grossa.

Palmer, H. (1993). O Eneagrama: compreendendo-se a si mesmo e aos outros em sua vida (Marisa do Nascimento Paro, Trad.). São Paulo, SP: Paulinas.

Paranzini M., & Kanaane R. (2016). Personalidade e organização: tendências e perspectivas. Boletim - Academia Paulista de Psicologia, 36(90), 157-175.

Preisler, A. M., Borda, J. A., & Battirola, J. C. (2002). Os tipos de personalidade humana e o trabalho em equipe. Revista Psicologia Educação Cultura, 1(2), 113-126.

Provedel, C. S. (2013). Perspectiva teórica da comunicação compreensiva: um novo olhar interpretativo para a comunicação interna. Revista Organicom, 19(1), 12-28. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-2593.organicom.2013.139198

Riso, D. R., & Hudson, R. (2003). A sabedoria do Eneagrama: Guia completo para o crescimento psicológico e espiritual dos nove tipos de personalidade (7ª ed.). São Paulo, SP: Cultrix.

Rocha R. G. (2016). Análise do perfil comportamental versus o nível de satisfação dos servidores do IF goiano em relação aos cargos e atividades desempenhadas. (Dissertação de Mestrado em Administração). Faculdade Alves Faria, Goiânia.

Silva, J. F. (2017). Consultoria interna em gestão de pessoas: a chave para a atuação estratégica da área. Revista do CEPE, 46(1), 131-148. doi: http://dx.doi.org/10.17058/cepe.v0i46.8778

Sovienski, F., & Stigar, R. (2008). Recursos humanos x gestão de pessoas. Revista científica de Administração, 10(10), 51-61.

Souza M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: O que é e como fazer. Einstein, 8(1), 102-106. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1679-45082010rw1134

Teixeira J. A., Ferreira E. J., Monteiro S., Rodrigues F. L. S., & Pussiareli D. A. F. (2019). Dinâmica de grupo no processo seletivo das empresas. Revista Interdisciplinar do Pensamento Científico, 5(5): 1-16. doi: http://dx.doi.org/10.20951/2446-6778/v5n5a77




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-106

Refbacks

  • There are currently no refbacks.