Avaliação sensorial de cerveja pilsen de resíduos de guaraná (Paullinia cupana) / Sensory Evaluation of Pilsner Beer Made with Guarana residues (Paullinia cupana)

Wallison de Sousa Alves, Sildovério Oliveira de Mendonça, Hudson Silva Soares, Catarina da Costa e Silva Belém, Charline Soares dos Santos Rolim, Leonardo do Nascimento Rolim, Eyde Cristianne Saraiva- Bonatto, Carlos Victor Lamarão

Abstract


O guaraná (Paullinia cupana) é uma planta nativa da América do Sul, encontrada principalmente na Venezuela e Brasil. Seu componente principal é a guaranina, uma substância quimicamente idêntica à cafeína. Nas condições experimentais em que foi conduzido esse trabalho foram produzidas duas cervejas, T1 e T2, onde T1 era uma cerveja testemunha do tipo pilsen e a T2 era uma cerveja produzida com adição do resíduo (casca) do guaraná, onde se tirou os seguintes resultados: Na análise da composição centesimal da amostra do guaraná, podemos observar que as variáveis analisadas se assemelharam com o descrito na literatura, e as mesmas estão de conformidade com a legislação vigente para o produto analisado. A cerveja do tipo pilsen com a adição do resíduo (casca) do guaraná teve a sua tonalidade mais escura. Observou-se que a segunda cerveja (T2) teve um amargor maior quando foi analisado sensorialmente, que deve ter sido originado da adição do resíduo do guaraná. A aceitação global para o tratamento dois (T2) foi superior a 60%, quando a intenção de compra das cervejas o T2 teve 74%, mostrando-se um produto com potencial comercial. O emprego da casca do guaraná como adjunto foi uma alternativa viável na preparação da cerveja.

Keywords


Paullinia cupana, Resíduo, Cerveja, Análise sensorial.

References


AGUIAR, J. P. L. Notas e Comunicações - Tabela de composição de alimentos da amazônia. Acta Amazonica. p.121-126, 1996.

ALVES, L. M. F. Análise físico-química de cervejas do tipo pilsen comercializadas em Campina Grande na Paraíba. (Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Química industrial da Universidade Estadual da Paraíba) Campina Grande - PB. 2014.

ALVES, V. G.; LEONEL, A. H.; BERRETTA, A. A. Avaliação da qualidade de cápsulas de pó de guaraná (Paullinia cupana Kunth), manipuladas e comercializadas por farmácias magistrais. V.3, 01-19, 2014.

ANTUNES, P. B. Análise comparativa das frações polpa, casca, semente e pó comercial do guaraná (Paullinia cupana): caracterização química e atividade antioxidantes in vitro. (Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação Interunidades em Nutrição Humana Aplicada - PRONUT da Universidade de São Paulo), São Paulo, 2011.

ANVISA. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Decreto n° 2.314, de 4 de setembro de 1997 (padronização, classificação, registro, inspeção, produção e fiscalização de bebidas). Disponível em: . Acesso em: 13 de julho de 2017.

ARAÚJO, F.B.; SILVA, P.H.A.; MINIM, V.P.R. Perfil senso¬rial e composição físico-química de cervejas provenientes de dois segmentos do mercado brasileiro. Ciência e Tecnologia de Alimentos, n. 23, p. 121-128, 2003.

ARAÚJO, J. A.; ARAÚJO, T. P.; ANJOS, D. F.; VIEIRA, J. S. Avaliação físico-química do guaraná (Paullinia cupana) em pó utilizado na produção de bebidas estimulantes comercializadas em Zé Doca – MA. Disponível em: http://congressos.ifal.edu.br/index.php/connepi/CONNEPI2010/paper/view/1276/818. Acesso em 30/06/2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13526: Teste de comparação múltipla em análise sensorial de alimentos e bebidas. Rio de Janeiro, 1995.

BATHKE, L. D.; DRESCH, M. R.; SOUZA, C. F. V. Elaboração e avaliação de alguns aspectos da qualidade de cerveja isenta de glúten. Estudos Tecnológicos em Engenharia, v.9, p.11-19, 2013.

BATISTA, R. A. Produção e avaliação sensorial de cerveja com pinhão (Araucaria angustifolia). Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de Lorena, 2014.

BRASIL. Engarrafador moderno, São Paulo, n.134, p.34-40, 2005.

BRASIL. Instrução Normativa N°13 de 29 de junho de 2005. Regulamento Técnico para Fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade para Aguardente de Cana e para Cachaça. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Diário Oficial da União. N° 124, 30 de junho de 2005. Seção 1. 2005.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Decreto nº 2.314, de 4 de setembro de 1997. Diário oficial da União. Brasília, 1997.

BRASIL. Portaria nº 868, de 3 de nov. de 1998. Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 nov. 1998.

BRUNELLI, L. T. Caracterização físico-química de cervejas elaboradas com mel. Campinas, v. 17, n. 1, p. 19-27, 2014.

CEREDA, M. P.; SOARES, S. E.; ROÇA, R. O. Característica físico-químicas e sensorial de cervejas fabricadas com fécula de mandioca como complemento do malte. B. CEPPA, Curitiba, v. 7(2), p. 91 - 103, 1989.

COMBINACIÓN, E. Brewing and Beverage Industry Español, Mindelhein, n. 3, p. 4047,2005.COMOFAZERCERVEJA.. Acesso em: 29/03/2016.

DIAS, R.A. Perfil de Oportunidade de Investimento na Industrialização de Guaraná. Amazonas: Centro de assistência Gerencial à Pequena e Média Empresa do Estado do Amazonas - CEAG-AM, Série Perfil Industrial,1979.

DRAGON MACRO BIER. Manual técnico Dragon Macro Bier. Dragon Macro Bier, Pompeia: 2009.

FERREIRA, A. S.; BENKA, C. L. Produção de cerveja artesanal a partir de malte germinado pelo método convencional e tempo reduzido de germinação. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Campus Francisco Beltrão – Curso Superior de Tecnologia em Alimento. Francisco Beltrão. 2014.

FERREIRA, V. S. et al. Produção de cerveja artesanal. In: Encontro de Engenharia e Tecnologia dos Campos Gerais. 8, 2013, Ponta Grossa, PR. Anais... Disponível em: . Acesso em: 17 junho 2017.

GOIANA, M. L.; PINTO, L. Í. F.; ZAMBELLI, R. A.; MIRANDA, K. W. E.; PONTES, D. F. Análises físico-químicas de cervejas artesanais pale ale comercializadas em fortaleza, Ceará. XXV Congresso Brasileiro de Ciências e Tecnologia de Alimentos. FAURGS, Gramado - RS. 2016.

HOFFMANN, F. L. Higiene: Fatores limitantes à proliferação de microrganismo em alimentos. Brasil alimentos, São Paulo, Signus Editora Ltda, n. 9, 2001.

HOUGH, J. S. Sweet wort production. In: HOUGH, J. S. The biotechnology of malting and brewing. Cambridge: Cambridge University Press. Cap.5, p.54-72. 1991.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. Coordenadores Odair Zenebon, Neus Sadocco Pascuet e Paulo Tiglea - São Paulo: Instituto Adolfo Lutz. p. 1020, 2008.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Laboratório Nacional Agropecuário. LACV. Disponível em:. Acesso em 24 de janeiro de 2017.

PEREIRA, F. R.; LEITÃO, A. M. Análises físico-químicas de cervejas tipo pilsen, comercializadas em itaqui / RS. v. 8, n. 2, 2016.

PESSOA, P. T. Sustentabilidade ambiental na indústria cervejeira um estudo de caso. Universidade Federal do Ceara, Centro de Tecnologia, Departamento de Eng. Química. Fortaleza – CE. 2011.

ROSSONI, M. A.; KNAPP, M. A.; BAINY, E.M. Processamento e análise sensorial de cerveja artesanal do estilo “witbier” com adição de polpa de maracujá. XXV Congresso Brasileiro de Ciências e Tecnologia de Alimento - Alimentação: a árvore que sustenta a vida. FAURGS - Gramados - RS. 2016

SAFEFOOD - The Food Safety Promotion Board. A review of the health effects of stimulant drinks - Final report. 2002. Acesso em: 5 de Abril de 2017. Disponível em URL: http://www.safefoodonline.com/pdf/health_effects_of_stimulant_drinks.pdf. 2002.

SILVA, A. E.; COLPO, E.; OLIVEIRA, V. R.; JUNIOR, C. G. H.; HECKTHEUER, L. H. R.; REICHERT, F. S. Elaboração de cerveja com diferentes teores alcoólicos através de processo artesanal. Alim. Nutr., Araraquara. V. 19, n. 4, p. 491-498, 2009.

SIQUEIRA, P. B.; BOLINI, H. M. A.; MACEDO, G. A. O processo de fabricação da cerveja e seus efeitos na presença de polifenóis. Alim. Nutr., Araraquara. V. 19, n. 4, p. 491-498, 2008.

SINDCERV – SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CERVEJA. Mercado. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-105

Refbacks

  • There are currently no refbacks.