Leptospirose canina: conscientização e importância da realização de ações educativas de prevenção em uma comunidade no Maranhão / Canine leptospirosis: awareness and importance of carrying out preventive educational actions in a community in Maranhão

Ana Paula Lopes Santos, Hamilton Pereira Santos

Abstract


A leptospirose caracteriza-se como uma doença infecciosa, aguda, febril e potencialmente grave, causada por bactérias espiroquetas do gênero Leptospira. Trata-se de uma zoonose que possui distribuição mundial e acomete diversas espécies de animais. Entre os domésticos, os cães no meio urbano são fontes potenciais na transmissão da doença. Este trabalho teve como objetivo conscientizar e desenvolver ações educativas relacionadas com a prevenção da leptospirose canina em uma comunidade adjacente à Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Foram analisados 200 questionários, totalizando 260 dados referentes à vacinação de animais da espécie canina. Dos 260 cães, 21,15% (N= 55) apresentavam idade menor que um ano e 6,15% (N= 16) com idade de dezesseis a vinte anos, caracterizando o período de vida ideal para o animal receber a vacina contra leptospirose. Dos animais com acesso à rua, a maioria dos cães, 58% (N= 150) não tinham acesso à rua, 31% (N= 80) tinham acesso à rua sem o tutor, o que significava que podiam ir à rua sempre que quisessem e 11% (N= 30) com o tutor, sendo preconizados passeios diários com horários estabelecidos. Do total de cães, 34,7% (N= 90) não são vacinados, os animais imunizados totalizam 65,3% (N= 170). Sobre os casos de contato com roedores, 69% (N= 180) informaram que já houve casos de proximidade em casa, mas os mesmos não procuraram o atendimento médico veterinário e 31% (N= 80) informaram que nunca houve nenhum caso. Sobre as dúvidas acerca da transmissão da doença, 62% (N= 160) informaram que o principal meio de transmissão é através do contato com urina e/ou água contaminada, 15% (N= 40) acham que é através do contato com o animal doente e 23% (N= 60) dos entrevistados não souberam informar. As informações obtidas neste trabalho permitem concluir que mesmo a leptospirose sendo uma doença recorrente no município, ainda há uma falta de conhecimento acerca da transmissão e prevenção. Portanto, faz-se necessário a implantação de medidas educativas sobre a importância do conhecimento acerca do tema e as boas práticas para oferecer bem-estar aos animais e ao meio ambiente.

 

 


Keywords


cães, Leptospira, profilaxia, transmissão, zoonose.

References


ACHA, P. N.; SZYFRES, B. Zoonosis y enfermedades transmisibles comunes al hombre ya los animales: Volumen I. Organización Panamericana de la Salud, 2003.

ALBUQUERQUE, M. N.; CARVALHO, E. M.; LIMA, L. P. Vigilância epidemiológica: conceitos e institucionalização. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 2, n. 1, p. 7-14, 2002.

ADLER, B.; DE LA PEÑA MOCTEZUMA, A. Leptospira and leptospirosis. Veterinary microbiology, v. 140, n. 3-4, p. 287-296, 2010.

ALVES, C. J. et al. Avaliação dos níveis de aglutininas antileptospiras em gatos no município de Patos-PB. Clínica Veterinária, v. 8, n. 46, p. 48-54, 2003.

AZEVÊDO, D. O. S. Avaliação soro-epidemiológica da leptospirose canina de amostras coletadas em bairros residenciais de cruz das almas-BA, Brasil. 2016.

BLAZIUS, R. D. et al. Occurrence of Leptospira spp. soropositive stray dogs in Itapema, Santa Catarina, Brazil. Cadernos de Saúde pública, v. 21, n. 6, p. 1952-1956, 2005.

BROWN, C. et al. Emerging diseases of animals. American Society for Microbiology (ASM), 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da leptospirose. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CORRÊA, W.M.; CORRÊA, C.N.M. Enfermidades infecciosas dos animais domésticos. 2. ed., Rio de Janeiro: Medsi, 1992.

DA SILVA, A. M. et al. Panorama da leptospirose humana nas regiões brasileira durante o período de 2013 a 2017: casos confirmados, óbitos e coeficiente de letalidade. Revista Unimar Ciências, v. 27, n. 1-2, 2018.

ETTINGER, S. L; FELDMAN, E.C. Tratado de Medicina Interna Veterinária. 3.ed.. São Paulo: Manole, 1992. v.1.

FAINE, S. Guideline for control of leptospirosis. World Health Organization Geneva, v. 67, p. 129, 1982.

GENOVEZ, M. E. Leptospirose: uma doença de ocorrência além da época das chuvas. Biologico, v. 71, n. 1, p. 1-3, 2009.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Pedologia: Mapa exploratório de solos. Estado do Maranhão. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

IMESC – Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos. Perfil da região da Ilha do Maranhão 2008. São Luís: IMESC, 2019. v. 1.

KRIEG, N.; PELCZAR JR, M. J.; CHAN, ECS. Microbiologia: conceitos e aplicações. v. 1 e 2. 1996.

LANGONI, H.; CABRAL, K. G.; KRONFLY, C. S. Pesquisa de aglutininas anti-leptospíricas em gatos. Clín. Vet, v. 17, p. 20-28, 1998.

LEVETT, P. N. Leptospirosis. Clinical Microbiological Reviews, 14. 2001.

Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Situação da prevenção e controle das doenças de notificação compulsória e endêmicas no Brasil. Brasília, 2000.

PINNA, M. H. et al. Leptospirose em cães. PUBVET, v. 4, p. Art. 924-930, 2010.

QUINN, P. J. et al. Microbiologia veterinária e doenças infecciosas. Artmed Editora, 2005.

RIBEIRO, M.G.; BELONI, S.N.; LANGONI, H.; SILVA, A.V. Leptospirose canina. Boletim técnico. Departamento Técnico Fort Dodge Saúde Animal, (S.I., s.n.), 2003.

SANTIN, K.; SELLA, A. B.; CARDOSO, M. R. I. Pesquisa de aglutininas anti-leptospira em cães clinicamente sadios e com suspeita clínica de leptospirose. Livro de resumos, 2003.

SCHULLER, S. et al. European consensus statement on leptospirosis in dogs and cats. Journal of Small Animal Practice, v. 56, n. 3, p. 159-179, 2015.

SUHETT, W. G. et al. Percepção e atitudes de proprietários quanto a vacinação de cães na região sul do estado do Espírito Santo-Brasil. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 50, n. 1, p. 26-32, 2013.

SOUZA, M. A. et al. Comparação do teste microscópico de aglutinação e ELISA indireto no diagnóstico da leptospirose bovina. Bioscience Journal, v. 30, n. 5, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-103

Refbacks

  • There are currently no refbacks.