Contribuições do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes na formação de recursos humanos na atenção básica / Contributions of the Brazilian National Telehealth Program in the education of professionals in primary health care

Gisele Silvestre Belber, Vanda Cristina dos Santos Passos, Igor da Costa Borysow, Marcos Aurélio Maeyama

Abstract


Este artigo possui como objetivo identificar a contribuição do Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes para a formação de recursos humanos na atenção básica, por meio de uma revisão integrativa da literatura com análise qualitativa dos dados. Como primeira fase do processo, foi realizada uma pesquisa em três bases de dados indexadas, onde foram selecionados 24 artigos publicados entre os meses de janeiro de 2007 a agosto de 2019, referentes ao tema proposto, sendo excluídas revisões da literatura, teses, publicações em congressos e monografias. Tais artigos foram lidos na íntegra, de forma exaustiva e crítica, para então serem separadas unidades de registro de relevância para o autor, que posteriormente foram sujeitas ao processo de identificação de categorias temáticas e análise. A análise dos artigos evidenciou uma série de desafios que o programa ainda deve enfrentar para a sua adequada implantação, relacionados a questões de infraestrutura, recursos, resistência por parte dos profissionais e de gestores dos serviços. Além disso, foi possível identificar a potência que o programa possui, por meio de experiências exitosas de fomento a ações de educação permanente, propiciando o acesso às ferramentas tecnológicas capazes de romper as barreiras geográficas que um país com dimensões continentais como o Brasil possui.

 

 


Keywords


Telemedicina. Educação continuada. Atenção primária à saúde.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministério. Portaria nº 2546/GM, de 27 de outubro de 2011: Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes. Brasília (DF); Ministério da Saúde; 2011;

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministério. Portaria nº 1.996/GM, de 20 de agosto de 2007: Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da política nacional de educação permanente em saúde e dá outras providências. Brasília (DF); Ministério da Saúde; 2007;

Celes RS, Rossi TRA, Barros SG, Santos CML, Cardoso C. A telessaúde como estratégia de resposta do Estado: revisão sistemática. Rev Panamericana Salud Publica 2018; 42: 1–8;

Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28 ed. Petrópolis: Vozes, 2009;

Frenk J. El concepto y la medición de accesibilidad. Salud Pública de México 1985; 27(5): 438-453;

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? – 1. ed. rev. – Brasília (DF); Ministério da Saúde; 2018;

Maeyama MA, Calvo MCM. A Integração do Telessaúde nas Centrais de Regulação: a Teleconsultoria como Mediadora entre a Atenção Básica e a Atenção Especializada. Revista Brasileira de Educação Médica 2018; 42(2): 63–72;

Ferreira IG, Godoi DF, Perugini ER, Lancini AB, Zonta R. Teledermatologia: uma interface entre a atenção primária e atenção especializada em Florianópolis. Rev Bras Med Fam Comunidade 2019; 14(41): 2003;

Godoy SCB, Guimarães EMP, Assis DSS. Avaliação da capacitação dos enfermeiros em unidades básicas de saúde por meio da telenfermagem. Esc Anna Nery 2014; 18(1): 148-155;

Guimarães EMP, Godoy SCB, Vilela LCM, Mafaldo JDS. Teleconsultoria e videoconferência como estratégia de educação permanente para as equipes de saúde da família. Cogitare Enferm 2015 Abr-Jul; 20(2): 376-384

Villa MCE, Lira OFC, Venites V, Fontes CJF. Implantación del Programa de Telesalud en el estado de Mato Grosso. Latin Am J Telehealth 2016; 3(1): 14–21;

Lemos SG, Morita MC, Carloto EET. Recursos utilizados por graduandos de odontologia e Cirurgiões-Dentistas do SUS para estudar e resolver dúvidas surgidas durante o trabalho. Revista da ABENO 2014; 14(1): 3–16;

Pinto HA, et al. Atenção Básica e Educação Permanente em Saúde: cenário apontado pelo Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB). Divulgação em Saúde para Debate 2014; (51): 145-160;

Pacheco KTS, Nascimento RM, Rios MZ, Pacheco Filho AC, Barreira-Nielsen C, Garbin CAS. Tecnologias de informação e comunicação para formação profissional em odontologia: uma proposta do Telessaúde/ES. Revista da ABENO 2018; 18(3): 127–136;

Prado C, et al. Teleamamentação no Programa Nacional de Telessaúde no Brasil: a experiência da Telenfermagem. Rev Esc Enferm USP 2013; 47(4): 990–996;

Marcolino MS, Alkmim MB, Assis TGP, Sousa LAP, Ribeiro ALP. Teleconsultorias no apoio à atenção primária à saúde em municípios remotos no Estado de Minas Gerais, Brasil. Rev Panam Salud Publica 2014; 35(5/6): 345–352;

Nascimento CMB, et al. Telefonoaudiologia como estratégia de educação permanente na atenção primária à saúde no Estado de Pernambuco. Rev CEFAC 2017; 19(3): 371–380;

Haddad AE, et al. Formative second opinion: qualifying health professionals for the unified health system through the brazilian telehealth program. Telemedicine and e-Health 2015; 21(2): 138–142;

Paixão MP, Miot HA, Souza PE, Haddad AE, Wen CL. A university extension course in leprosy: telemedicine in the Amazon for primary healthcare. Journal of Telemedicine and Telecare 2009; 15(2): 64–67;

Harzheim E, et al. Telehealth in Rio Grande do Sul, Brazil: Bridging the Gaps. Telemedicine and e-Health 2016; 22(11): 938–944;

Mattos RA. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad. Saúde Pública 2004; 20(5): 1411-1416;

Faria MGA, David HMSL. Enfermagem e Educação Permanente a Distância: o exemplo do Projeto Telessaúde Brasil, Núcleo Rio de Janeiro. Cogitare Enferm. 2010; 15(4): 667–673;

Peixoto RTRC, Lucas SD. Programa de teleodontologia da UFMG. Revista da ABENO 2013; 11(1): 71–75;

Correia ADMS, et al. Teleodontologia no programa nacional telessaúde Brasil redes: relato de experiência em Mato Grosso do Sul. Revista da ABENO 2014; 14(1): 17-29;

Piropo TGDN, Amaral HOSD. Telessaúde, contextos e implicações no cenário baiano. Saúde em debate 2015; 39: 279-287;

Ausubel DP. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 2003;

Dolny LL, Lacerda JT, Natal S, Calvo MCM. Serviços de Telessaúde como apoio à Educação Permanente na Atenção Básica à Saúde: uma proposta de modelo avaliativo. Interface (Botucatu) 2019; 23: 1–18;

Novaes MA, Machiavelli JL, Verde FCV, Campos Filho AS, Rodrigues TRC. Tele-educação para educação continuada das equipes de saúde da família em saúde mental: a experiência de Pernambuco, Brasil. Interface Comunicação Saúde Educação 2012; 16(43): 1095–1106;

Damasceno FR, Reategui EB, Harzheim E, Schmitz CAA, Epstein D. Um estudo sobre o emprego da mineração textual para classificação de teleconsultorias no contexto do Projeto Telessaúde-RS. Rev Eletron de Comun Inf e Inov Saúde 2016; 10(2): 1–16;

Oliviera DG, Frias PG, Vanderlei LCM, Vidal SA, Novaes MA, Souza WV. Análise da implantação do Programa Telessaúde Brasil em Pernambuco, Brasil: estudo de casos. Cad Saúde Pública 2015; 31(11): 2379–2389;

Ruas SSM, Assunção AA. Teleconsultations by primary care physicians of Belo Horizonte: Challenges in the diffusion of innovation. Telemedicine and e-Health 2013; 19(5): 409–414.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-081

Refbacks

  • There are currently no refbacks.