O ensino híbrido no Brasil após pandemia do covid-19 / Hybrid teaching in Brazil after covid-19 pandemic

Muriel Batista de Oliveira, Luiz Claudio Tavares Silva, Joelmir Vinhoza Canazaro, Maria Luiza Lacerda Carvalhido, Rômulo Rodrigues Coelho Delfino Souza, Jamil Bussade Neto, Daniele Perissé Rangel, José Fernando de Menezes Pelegrini

Abstract


O ensino híbrido já é considerado como uma das grandes apostas para o processo de ensino e aprendizagem no século XXI unindo as melhores práticas das modalidades presencial e Educação a Distância (EaD). O objetivo deste trabalho é apresentar experiências, abordagens e aspectos teóricos e práticos do ensino híbrido no Brasil com o avanço do EaD e uso das metodologias ativas no ensino superior, discutindo os desafios dessa modalidade, a luz da legislação. A metodologia utilizada para este trabalho se deu a partir de revisão bibliográfica com análise descritiva e documental. De maneira geral, muitas instituições e sua comunidade acadêmica ainda não compreendem totalmente o modelo híbrido e, com a pandemia do COVID-19, o ensino remoto, tornou-se necessário e urgente. Do nível básico à pós-graduação, o ensino híbrido tem despontado como uma alternativa que seguirá crescendo mesmo após o fim da pandemia. Ficou entendido que por mais que a tecnologia e conteúdo sejam extremamente relevantes, é a metodologia utilizada que faz a diferença. Nesse novo contexto de modelos de educação, os professores/tutores, enquanto mediadores da relação aluno-conhecimento, precisam ser capacitados para os novos modos de como facilitar a aprendizagem efetiva. Vários estudos demonstraram que o ensino híbrido promove aos estudantes maior satisfação e engajamento, devido a maior flexibilidade e menores custos, quando comparado a modalidade 100% EaD. Sob a constatação do maior uso das TICs em um cenário de aulas a distância, após a pandemia do CIVID-19, um maior número de instituições adotará o Ensino Híbrido.

 


Keywords


EaD, ensino híbrido, metodologias ativas, presencial.

References


BATISTA JÚNIOR, Roberto Oliveira; CAVALCANTE, Patrícia Smith. Ensino Híbrido: um estudo sobre as resoluções de Universidades públicas. Recife/PE. 2017. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2017/trabalhos/pdf/166.pdf. Acesso em 19 mar. 2020.

BRASIL. Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o Art.80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/D9057.htm. Acesso em 22 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em 22 jan. 2020.

BRASIL. Portaria Normativa nº 11, de 20 de junho de 2017, estabelece normas para o credenciamento de instituições e a oferta de cursos superiores a distância, em conformidade com o Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. MEC. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=66441- pn-n11-2017-regulamentacao-ead-republicada-pdf&category_slug=junho-2017- pdf&Itemid=30192. Acesso em 22 jan. 2020.

BRASIL. Portaria Normativa nº 2.117, de 6 de dezembro de 2019, dispõe sobre a oferta de carga horária na modalidade de Ensino a Distância - EaD em cursos de graduação presenciais ofertados por Instituições de Educação Superior - IES pertencentes ao Sistema Federal de Ensino. MEC. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.117-de-6-de-dezembro-de-2019-232670913. Acesso em 12 fev. 2020.

BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello. Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (orgs.). Porto Alegre: Penso, 2015, p. 47-65.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan/jun 2011.

BERTHOLDO NETO, Emílio. O ensino híbrido: processo de ensino mediado por ferramentas tecnológicas. Ponto e Vírgula - PUC – SP, n°. 22, São Paulo, 2017, p. 59-72.

COLLOR, Natália. Metodologias ativas: o que são, quais as mais famosas e como aplicar. Grupo a, 2019. Disponível em: https://bloga.grupoa.com.br/metodologias-ativas/. Acesso em 06 jun.2020.

MORAN, José. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. Publicado em YAEGASHI, Solange e outros (Orgs). Novas Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2017, p.23-35.

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5. ed. Campinas: Papirus, 2014.

MORAN, José Manuel. Educação Híbrida: um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 27-45.

PERES, Paula; PIMENTA, Pedro. Teorias e práticas de b-learning. Lisboa: Edições Sílabo Ltda., 2011.

ROLINDO, J.M.R.; REIS, M.A.; ALMEIDA, F.F.; et al. Modelo híbrido: possibilidade de ensino no século XXI. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 5, n. 9, p. 14262-14279 set. 2019.

Silva, J.B.; Andrade M.H.; Oliveira, R.R.; Sales, G.L.; Alves, F.R.V. Tecnologias digitais e metodologias ativas na escola: o contributo do Kahoot para gamificar a sala de aula. Revista Thema 15, 780, 2018.

VALENTE, José Armando. Prefácio. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015, p. 13-17.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-061

Refbacks

  • There are currently no refbacks.