A formação de leitores competentes: o que há de errado? / The training of competent readers: what's wrong?

Cícero Santolin Braga

Abstract


Nos últimos anos, parece haver consenso entre os professores da educação básica sobre a necessidade de trabalhar com a diversidade de textos, em especial os literários, nas aulas de Língua Portuguesa/Literatura. Este pensamento justifica o fato de muitos educadores dedicarem parte significativa do planejamento didático às atividades de leitura que garantam que todos os alunos tenham contato com a obra e, consequentemente, desenvolvam o hábito de ler. Embora se tenha notado maior interesse por parte dos estudantes em relação aos livros e um aumento na quantidade de obras que circulam nas escolas e nas famílias, essas mudanças ainda não correspondem a uma significativa melhoria na compreensão leitora e, tampouco, a avanços em relação à qualidade dos textos escritos pelos alunos. Diante disso, este artigo, resultado de leituras e reflexões, objetiva discutir a formação de leitores na escola pública. Considerando os postulados teóricos, acredita-se que não basta que sejam colocados livros à disposição de crianças e jovens para que eles compreendam a importância desse capital cultural e sejam seduzidos pela leitura. Essa iniciativa, que tem sustentado muitos projetos, não obtém os efeitos desejados, pois se preocupa prioritariamente com a ampliação do acesso, mas não atenta para dois aspectos também importantes quando se deseja formar leitores: a qualidade dos livros oferecidos bem como das interações que se estabelecem entre a língua e a linguagem por meio deles nas diferentes situações de leitura.


Keywords


Leitura, Formação, Literatura, Educação básica.

References


ABREU, Márcia. Diferentes formas de ler. Disponível em: . Acesso em: 05 de outubro de 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Ed. Forcnse Universitària, 1981.

BARROS, Susane S.; JAMBEIRO, Othon; BORGES, Jussara. Políticas públicas para o livro e a leitura e sua influência na indústria editorial de Salvador. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 28, 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UERJ, 2005.

BELLO, Isabel Melero; BUENO, Belmira Oliveira. Programas especiales de formación superior de profesores en Brasil: la universitarización del magisterio en cuestión. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 20, n. 6, feb. 2012. Disponível em: . Acesso em: 2016.

BELMIRA, Oliveira Bueno, NEIDE, Luzia de Rezende. Formador de leitores, formador de professores: a trajetória de Mas Butlen. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 02, p. p. 543-564, abr./jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 27 de setembro de 2016.

Brasil. lei 10.753, de 30 de outubro de 2003. Brasil institui a política nacional do livro. disponível em: . Acesso em: 25 setembro de 2016.

BUTLEN, Max. Proposta para uma política de leitura. Boletim da Associação Internacional de Leitura Conselho Brasil Sul (ALBS). International Reading Association (IRA), Porto Alegre, n. 1-2, p 3-17, 1995.

_____________. As aventuras do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: UNESP, 1998.

_____________. Políticas de leitura, práticas de leitura e formação de professores. Disponível em: . Acesso em: 02 de outubro de 2016.

______________. Compreensão e interpretação literárias: duplo risco, da escola ao liceu. Associação de Leitura do Brasil. (ALB). Artigo internacional. 2010.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários escritos. 4ª ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Duas Cidades/Ouro sobre Azul, 2004, p. 169-191

CHARTIER, R.; CAVALLO, G. História da leitura no mundo ocidental. V. 2. São Paulo: Ática, 1999.

CROPANI, Ottaviano de Fiori. Livro, biblioteca e leitura no Brasil. Brasília: [s.n.], 1998. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2004.

ECO, Humberto. Muito além da Internet. São Paulo: [s.n.], 2003. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2004.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 35. ed. São Paulo: Cortez, 1987.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. Trad. de Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994.

LINDOSO, Felipe. O Brasil pode ser um país de leitores?: política para cultura/ política para o livro. São Paulo: Summus Editorial, 2004.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MARTINS, Maria Helena. Crônica de uma utopia. São Paulo: Brasiliense, 1989.

RODRIGUES, Maria Fernanda. Pesquisa Retratos do Brasil. Disponível em: . Acesso em 30 de setembro de 2016.

ROSA, Flávia Goullart Mota Garcia; ODDONE, Nanci. Política publicar para o livro, leitura e bibliotecas. Ci. Inf., Brasília, v. 35, n. 3, p. 183-193, set./dez. 2006. Disponível em: . Acesso em 1º de agosto de 2016.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. 2013.

SANTO Agostinho, Confissões. Apud. MANGUEL. Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p. 58.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. 6. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-057

Refbacks

  • There are currently no refbacks.