Diversidade sexual e discursos pseudonaturalistas: pelos direitos identitários nos países lusófonos / Sexual diversity and pseudonaturalist discourses: for identity rights in lusophone countries

Mariah Brochado Ferreira, Luiz Carlos Garcia, Gustavo Marcel Filgueiras Lacerda

Abstract


A diversidade sexual ainda é um tabu em muitas comunidades, o que implica em dificuldades significativas para os indivíduos vivenciarem sua identidade e realizarem seus projetos de maneira livre.  Isso se dá por uma construção social que é cisnormativa e hetero-compulsória e afeta todas as pessoas em sua formação e as instituições em sua maneira de agir. Logo, tem-se uma base sócio-cultural inquestionável nessa dinâmica. Por isso a relevância em se observar e analisar como a identidade sexual vem sendo tratada nos países que compõem o bloco lusófono. Afinal, com uma cultura que possui um elo de grande relevância que é a linguagem, há semelhanças que devem ser pensadas e diferenças que merecem análise. Pensar o direito a identidade e liberdade sexual é efetivar e materializar a Dignidade da pessoa humana em seu viés primeiro que é a pessoa em sua subjetividade e vivência pessoal. Assim sendo, urge a problematização desses sistemas e de como as relações sociais no que tange gênero e sexualidade são estabelecidas, e principalmente em como os Estados tem lidado e se empenhado para a melhora do quadro normativo e institucional acerca da defesa e promoção dos indivíduos em sua dignidade sexual.


Keywords


Diversidade sexual. Identidade sexual. Estado. Países Lusófonos. Dignidade sexual.

References


MACEDO, Luis Lobo. Estratégias de desenvolvimento do conceito da lusofonia num mundo globalizado. Rio de Janeiro:[s.n.], 2014.

REDONDO, João Vítor da Costa. Portugal e a Lusofonia na União Europeia: ‘Uma janela para o mundo’. Working papers – Linha de Investigação “Europa, segurança e migrações”. Novembro, 2008.

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA. Sobre a Angola. Site oficial. Disponível em: < http://www.embaixadadeangola.com.br/v2/index.php?option=com_content&view=article&id=56&Itemid=68>. Acesso em: 14 dez 2020.

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE CABO VERDE. Características de Cabo Verde. Site oficial. Disponível em: < http://www.embcv.org.br/portal/>. Acesso em: 14 dez 2020.

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Sobre Moçambique. Site oficial. Disponível em: < http://www.mozambique.org.br/>. Acesso em: 14 dez 2020.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Goa/Índia. Site oficial. Disponível em: < https://www.gov.br/mre/pt-br>. Acesso em: 14 dez 2020.

SOARES, A. S. F. A homossexualidade e a AIDS no imaginário de revistas semanais (1985-1990). 2006.235 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. 13 edição. Trad. Renato Aguiar. Revisão Técnica. Joel Birman. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 2017.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Organização e Tradução de Roberto Machado. São Paulo: Loyola, 1996.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

ILGA. Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais. Relatório Homofobia Patrocinada pelo Estado 2019. Site oficial. Disponível em: < https://ilga.org/ilga-launches-state-sponsored-homophobia-2019>. Acesso em: 14 dez 2020.

PORTUGAL. Código Civil Português – alterado pela Lei nº 9 de 2010. Disponível em: < http://www.pgdlisboa.pt/leis/lei_mostra_articulado.php?nid=1249&tabela=leis&ficha=1&pagina=1&so_miolo=> Acesso em: 12 dez 2018.

PORTUGAL. Código Penal Português. 2007. Disponível em: http://perso.unifr.ch/derechopenal/assets/files/legislacion/l_20080626_10.pdf Acesso em: 14 out 2020.

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. Código Penal. 2012. Disponível em: https://abortion-policies.srhr.org/documents/countries/01-Sao-Tome-and-Principe-Penal-Code-2012.pdf> Acesso em: 14 out 2020.

MOTT, Luiz. Raízes históricas da homossexualidade no atlântico lusófono negro. Revista Afro-Ásia. Salvador, 2005.

ANGOLA. Constituição da República de Angola. 2010. Disponível em: https://imgs.sapo.pt/jornaldeangola/content/pdf/CONSTITUICAO-APROVADA_4.2.2010-RUI-FINALISSIMA.pdf. Acesso em: 14 out 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-028

Refbacks

  • There are currently no refbacks.